Edição do dia

Segunda-feira, 16 de Maio, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
19.9 ° C
19.9 °
18.8 °
88 %
8.2kmh
40 %
Seg
21 °
Ter
24 °
Qua
25 °
Qui
25 °
Sex
26 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Reportagem Macau inaugura novo posto fronteiriço rumo à integração

      Macau inaugura novo posto fronteiriço rumo à integração

      O posto fronteiriço de Qingmao foi inaugurado ontem e representa, de acordo com as autoridades, uma grande relevância para promover a inovação dos sistemas e mecanismos de cooperação regional sob o princípio de ‘Um País, Dois Sistemas’. A nova infraestrutura, situada a cerca de 800 metros das Portas do Cerco, vai estar a funcionar 24 horas por dia e com uma capacidade diária máxima de passagem para 200 mil pessoas.

      Fotografia de Gonçalo Lobo Pinheiro

      O dia de ontem foi dedicado à abertura do novo posto fronteiriço de Qingmao, na zona norte da península de Macau, com a inauguração oficial por volta das 11h da manhã e a abertura formal, com as primeiras a atravessarem as fronteiras, por volta das 15h.

      De manhã, do lado de Macau, estava montada a estrutura para uma pequena cerimónia de inauguração da nova fronteira terrestre de Macau. No discurso oficial, o Chefe do Executivo da RAEM, Ho Iat Seng, afirmou que o novo acesso fronteiriço “reveste-se de grande importância para a sociedade e para a vida da população e, também, nos campos económico e político de Macau, reforçando a ligação das infraestruturas e uma circulação conveniente e eficiente de pessoas na Grande Baía de Guangdong-Hong Kong-Macau”.

      A cerimónia teve a presença de individualidades como o vice-presidente da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC), Edmund Ho, o director do Gabinete de Ligação do Governo Popular Central na RAEM, Fu Ziying, o director-adjunto do Gabinete para os Assuntos de Hong Kong e Macau do Conselho do Estado, Huang Liuquan, o comissário do Ministério dos Negócios Estrangeiros na RAEM, Liu Xianfa, o comissário político da Guarnição em Macau do Exército de Libertação do Povo Chinês (ELP), Sun Wenju, do vice-governador da província de Guangdong, Zhang Xin, o secretário para a Segurança, Wong Sio Chak, entre muitas outras individualidades.

      Ho Iat Seng disse ainda que nas linhas gerais do plano de desenvolvimento da Grande Baía Guangdong – Hong Kong – Macau, o novo posto fronteiriço “é definido como o principal projecto promotor da construção de uma rede de transporte rápida na zona da Grande Baía, sendo a quinta passagem transfronteiriça terrestre entre Macau e a cidade de Zhuhai da Província de Guangdong”.

      Da parte da tarde, logo a seguir ao almoço, dezenas de pessoas começaram a chegar junto do novo posto fronteiriço. A partir das 15h, começaram a ser às centenas. Uns mais afoitos, outros menos, lá iam passando de Macau para Zhuhai e vice-versa. As autoridades, vestidas a rigor devido à pandemia de Covid-19, registavam um a um todos os códigos de saúde de quem entrasse ou saísse.

      Face a um fluxo médio diário de 400 mil pessoas, registado em 2019 pelas Portas do Cerco, Qingmao, situado a cerca de 800 metros, vai estar a funcionar 24 horas por dia e com uma capacidade diária máxima de 200 mil pessoas, servindo “para a passagem fronteiriça automática com 100 canais de passagem de inspecção integral rápida” – 50 nas entradas e 50 nas saídas – e mais quatro passagens de inspecção manual, sem corredores para veículos. Ainda de acordo com as autoridades, desempenhará um papel no desvio de pessoas das Portas do Cerco, aliviando a pressão deste posto fronteiriço. Dos 5,8 milhões de visitantes que passaram por Macau em 2020, 3,8 milhões utilizaram as Portas do Cerco, que é, desde 2011, o maior posto transfronteiriço terrestre nacional e da Ásia, afirmou o Chefe do Executivo durante a cerimónia de abertura.

      A passagem pode durar apenas 20 segundos, se for feita por um canal de inspecção integral automático. Mas isso apenas está garantido para os residentes da China continental, Hong Kong e Macau que tenham documentos electrónicos.

       

      Quatro mil milhões de patacas e muitas oportunidades

      A obra de quatro mil milhões de patacas, que reforça a integração regional, servirá para o Governo da RAEM “aproveitar as oportunidades proporcionadas, promovendo, com a província de Guangdong, uma circulação eficiente, conveniente e ordenada de recursos entre fronteiras, em prol do impulsionamento da construção e desenvolvimento de alta qualidade da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau e da Zona de Cooperação Aprofundada entre Guangdong e Macau em Hengqin”, também recentemente anunciada.

      O governador da Província de Guangdong, Ma Xingrui, também fez uso da palavra e referiu que a abertura formal da nova fronteira “representa mais um resultado obtido pela cooperação aprofundada entre Guangdong e Macau, após a abertura do Novo Posto Fronteiriço de Hengqin”. “O Governo Central lançou estratégias importantes sobre a exploração e abertura de Hengqin e Qianhai, o que representa novas oportunidades para a Grande Baía”, acrescentou ainda, relembrando que devido à ligação directa do novo posto fronteiriço com o sistema ferroviário interurbano Cantão-Zhuhai, “os residentes de Macau podem partir da estação ferroviária interurbana de Zhuhai para descolar-se a todo o Interior da China”.

      Apesar de não proporcionar passagem fronteiriça para veículos, Qingmao está servido de seis paragens de autocarro – três delas muito próximas do edifício -, algo que “responde às necessidades dos cidadãos”, asseguraram as autoridades.

      No primeiro piso do edifício existe uma zona de tomada de passageiros destinada aos táxis pretos, com capacidade de espera para 22 veículos. Já no rés-do-chão está situada a zona de tomada e largada de passageiros de carros privados e táxis especiais. “São 16 as carreiras de autocarro que vão passar pelo novo posto. Há transporte para o NAPE, Taipa, Areia Preta, Almeida Ribeiro e até para o Cotai”, revelou o chefe da divisão de Gestão de Transportes da DSAT, Ho Chang Tou, dias antes durante uma visita destinada apenas à imprensa local.

      O edifício, equipado com tecnologia de ponta, contempla ainda um auto-silo público com capacidade para mais de quatro mil lugares de estacionamento, distribuídos para automóveis e motociclos.

      Recorde-se que, em Maio de 2012, as autoridades de Guangdong e Macau assinaram o acordo-quadro de cooperação sobre o projecto do novo acesso entre Guangdong e Macau, e, em Abril de 2017, o Conselho de Estado chinês aprovou, formalmente, o projecto. As obras arrancaram no início de 2018, tendo sido concluída em Maio deste ano a construção do edifício. A nova infraestrutura é o quinto posto fronteiriço terrestre entre Macau e a cidade de Zhuhai, da província de Guangdong.

      DEIXE UMA RESPOSTA

      Por favor escreva o seu comentário!
      Por favor, escreve aqui o seu nome