Edição do dia

Terça-feira, 18 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
31.7 ° C
34.8 °
30.9 °
89 %
5.1kmh
40 %
Ter
32 °
Qua
31 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioCulturaFestival Internacional de Cinema Queer de Macau arranca em Fevereiro

      Festival Internacional de Cinema Queer de Macau arranca em Fevereiro

      A primeira e histórica edição decorre de 3 a 12 de Fevereiro nos Cinemas Emperor do Lisboeta Macau. A organização do evento promove 12 longas metragens e cinco curtas, todos filmes relacionados com o universo LGBTQIA+. “Queremos aumentar a compreensão do público contra toda a discriminação desnecessária que há muito paira na sociedade”, referiu ao PONTO FINAL o director do certame, Jay Sun. “My Own Private Idaho”, com Keanu Reeves e o malogrado River Phoenix, realizado por Gus Van Sant, “Great Freedom”, com Franz Rogowski e Georg Friedrich, dirigido por Sebastian Meise, ou “Will-o’-the-Wisp”, do português João Pedro Rodrigues, são alguns dos filmes que podem ser vistos.

      A primeira edição do Festival Internacional de Cinema Queer de Macau (MIQFF, na sigla inglesa), organizado pelo Visão Queer Limitado e pela Comuna de Han-Ian, decorrerá de 3 a 12 de Fevereiro de 2023 nos Cinemas Emperor do Lisboeta Macau.

      Ao PONTO FINAL, o director do festival referiu que, com esta iniciativa, espera “espalhar a cena queer por Macau e fazer disso algo que não se deve ter medo de mencionar”. Jay Sun acrescentou que a organização se esforça por trazer “o melhor e digno de assistir cinema queer ao público Macau”, conectando a sociedade através da sétima arte. “Dessa forma, queremos aumentar a compreensão do público para com os grupos LGBTQIA+ e contra toda a discriminação desnecessária que há muito paira na sociedade”.

      Jay Sun sublinhou que queers “têm histórias diferentes para contar”. “Precisa ser dito e ouvido. As histórias ajudam-nos a entendermo-nos, e o cinema revela histórias. O MIQFF espera conectar-se com a sociedade e obter mais compreensão do público contra a discriminação”.

      O director do festival referiu ainda que tem a expectativa que a bilheteira venda “pelo menos, 80%”. Para já, os bilhetes para o filme surpresa estão esgotados. “No entanto, isto ainda é algo novo para o público de Macau, precisamos de ver se este tipo de filmes é ou não interessante para o público local”, considerou.

      O festival abre numa sexta-feira, dia 3 de Fevereiro, com “Joyland”, filme paquistanês que conquistou a edição de 2022 do Festival de Cinema de Cannes ao ganhar dois prémios importantes, incluindo “Queer Palm” e o “Prémio do Júri” na secção Un Certain Regard. Foi também a primeira entrada a ser indicada para Melhor Longa-Metragem Internacional no Oscar. Marcando a estreia de Saim Sadiq enquanto realizador, “Joyland” captura as emoções de uma família paquistanesa tradicional. O filme explora diferentes temas como desejo, género e responsabilidade. Foi, no passado, banido pelo governo do Paquistão, mas a proibição foi revertida posteriormente devido a duras críticas nas redes sociais.

      A selecção do primeiro MIQFF é ainda composta por diferentes filmes, incluindo obras aclamadas em Cannes, como “The Blue Caftan”, “Will-o’-the Wisp”, “Moneyboys” e “Great Freedom”, mas também as fortes participações da Berlinale “Girl Picture” e “Little Girl”. “Cada filme conta uma história diferente, enquanto todos capturam e observam a situação, a mentalidade interna e as emoções dos grupos queer em todo o mundo”, considera Jay Sun.

      A aclamada directora marroquina Maryam Touzani traz a sua nova obra “The Blue Caftan” depois do elogiado filme anterior “Adam”, que brilhou no Festival de Cinema de Cannes em 2019. Gentil, “The Blue Caftan” expressa as emoções mais profundas sob o medo e o desejo de um homem casado. O filme foi premiado com o Prémio FIPRESCI em Un Certain Regard no Festival de Cinema de Cannes 2022 e foi escolhido para representar o Marrocos na lista de finalistas do Oscar 2023 no prémio “International Long Film”.

      Estreitamente ligado a Macau, o autor português João Pedro Rodrigues volta a surpreender o público com o seu musical queer “Will-o’-the-Wisp”, seleccionado para a Quinzena dos Realizadores do Festival de Cinema de Cannes 2022. O realizador aborda temas como desejo queer, sexualidade, história, raça e mudança climática.

      Como primeira longa-metragem de C.B.Yi, “Moneyboys” é um drama taiwanês-austríaco de 2021 que chamou a atenção do mundo ao ser seleccionado para competir no Festival de Cinema de Cannes de 2021 e no 58.º Prémio Cavalo de Ouro. C.B.Yi aborda o tema do relacionamento humano e explora o mundo complicado de um grupo minoritário que trabalha muito para viver na cidade.

      A obra seleccionada da directora e escritora finlandesa Alli Haapasalo, “Girl Picture”, foca no ângulo feminino sobre as lutas, género e sexualidade dos adolescentes. Haapasalo conta a história da vida quotidiana de três jovens quando exploravam o amor e os relacionamentos. O filme ganhou o Prémio do Público na Competição Dramática Mundial no Festival de Cinema de Sundance de 2022.

      “Little Girl” documenta a vida de uma criança “diferente”. Sasha é uma menina de oito anos como qualquer outra que adora dançar, brincar e imaginar. A única diferença é que nasceu menino.

      Por fim, haverá ainda lugar à projecção do clássico “The Rocky Horror Picture Show”, uma comédia musical de terror de 1975 dirigida por Jim Sharman. E aos sucessos de bilheteira em Hollywood, e não menos polémicos “My Own Private Idaho”, com Keanu Reeves e o malogrado River Phoenix, realizado por Gus Van Sant e “Great Freedom”, com Franz Rogowski e Georg Friedrich, dirigido por Sebastian Meise.

      O MIQFF apresenta ainda várias curtas queer dirigidas por realizadores locais, incluindo “Next Door” e “Where the Luck Goes?”, de Ho Kueng Lon, “I’m Here”, de Tracy Choi e “A Story of Two Volleyball Falling in Love”, dirigido por Wong Weng Chon. “Where the Luck Goes?” terá sua estreia mundial no MIQFF. “As quatro curtas-metragens serão exibidas numa compilação que abrange alguns dos principais géneros como drama, documentário e animação. As curtas não exploram apenas as emoções únicas dos queers, mas também a documentação sincera de alguém que enfrenta a própria identidade”, considerou a organização em comunicado de imprensa.

      Os ingressos estão à venda no site oficial dos cinemas Emperador do Lisboeta Macau em www.emperorcinemas.com/en.