Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
28.1 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioCulturaFrancisco Ricarte apresenta exposição de fotografia seguida de workshop para jovens iniciantes...

      Francisco Ricarte apresenta exposição de fotografia seguida de workshop para jovens iniciantes na arte

      Um fim-de-semana cheio de actividades para todos os amantes da fotografia. O arquitecto e fotógrafo Francisco Ricarte apresentará dois dias de imersão na arte da imagem, através de uma exposição que pretende incentivar os jovens a ganhar mais interesse pela fotografia e um workshop que demonstrará o ofício na prática. Uma organização da Casa de Portugal em Macau (CPM) e com patrocínio da Fundação Macau, estes dois eventos fazem parte do programa “Junho, Mês de Portugal na RAEM”. A exposição inaugura este sábado, dia 1 de Junho, às 17h. No dia seguinte, a primeira sessão do workshop dará início às 10h30. Ambos eventos serão realizados na Casa Garden.

       

      O mês de Junho arranca com uma série de novas actividades culturais que marcam as celebrações do Dia de Portugal, anualmente comemorado no dia 10 de Junho. Para inaugurar a entrada no primeiro dia do mês com uma pertinente contribuição para o âmbito artístico de Macau e em celebração ao Dia Mundial da Criança, Francisco Ricarte, arquitecto e fotógrafo, apresenta dois eventos inteiramente ligados à arte da fotografia, uma exposição e um workshop, dividido em duas sessões.

      A exposição leva o nome “Para os olhos dos jovens (de espírito)” e reúne 23 registos fotográficos, que pretendem instigar um interesse mais aprofundado pela fotografia aos jovens iniciantes na arte. Com imagens a apresentar intrigantes momentos corriqueiros e situações inesperadas do dia-a-dia, carregam em si algum humor e ironia, que dessa forma poderão captar a atenção da camada mais jovem da população e surpreender os espectadores mais velhos – jovens de espírito – através da curiosidade e da brincadeira.

      Por entre as fotografias de rua, o fotógrafo também incluiu registos de performances de grande intensidade coreográfica e visual, para não só apresentar o lado mais sensível da fotografia, como introduzir os espectadores ao poder pictórico da produção de imagens.

      “A fotografia, pela sua imensa abrangência e possibilidades criativas, tem sido um instrumento fundamental no desenvolvimento das artes visuais”, diz Ricarte. Ultimamente, tem sido figura central na divulgação da fotografia como arte independente e influente no âmbito das artes visuais existentes em Macau. Membro fundador da associação Halftone, tem vindo a realizar várias exposições e eventos que contribuem para a expansão desta prática como forma de expressão entre o público da região.

      “Sob variadas abordagens estéticas e tecnológicas, esta forma de expressão artística (a fotografia) tem-nos dado a conhecer facetas tão fascinantes e diversificadas, como o meio natural e construído que nos rodeiam, bem como das nossas aspirações e manifestações culturais, entre muitas outras facetas da condição humana”, esclareceu.

      Foi através deste deslumbre, por uma prática aparentemente banal nos tempos de hoje, que o artista pretende demonstrar o universo de possibilidades e a influência que uma boa fotografia pode ter na sociedade.

      Para complementar este primeiro dia de imersão na arte de Francisco Ricarte, a Casa de Portugal em Macau, que está activamente envolvida na organização e divulgação de actividades artísticas durante este próximo “Mês de Portugal”, em conjunto com o apoio financeiro da Fundação Macau, decidiu organizar, para além da exposição, duas sessões de aprendizagem da prática da fotografia, que instigará os jovens participantes a aplicarem os conhecimentos adquiridos com as obras observadas no dia anterior.

      Com Francisco Ricarte como monitor, os workshops de domingo, dia 2 de Junho, são divididos em duas sessões de duas horas cada uma, com a primeira direccionada para jovens entre 8 e 11 anos, a dar início às 10h30 da manhã. A segunda sessão dá início às 15h e é aberta a jovens a partir dos 12 anos de idade. Máquinas fotográficas Polaroid serão disponibilizadas aos participantes pela organização. As sessões são limitadas a 10 vagas cada uma, e a CPM sugere reservar com antecedência a inscrição, através dos contactos que podem ser encontrados no programa “Junho, Mês de Portugal na RAEM”.

       

      Para além da CPM, estes dois eventos recebem o apoio institucional do Consulado Geral de Portugal em Macau, AICEP, Fundação Oriente e IPOR.