Edição do dia

Quarta-feira, 19 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
30.9 ° C
32.9 °
30.9 °
84 %
5.1kmh
40 %
Qua
31 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °
Dom
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaONU manifesta profundo alarme devido a agravamento de violência no Myanmar

      ONU manifesta profundo alarme devido a agravamento de violência no Myanmar

      O Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos afirmou ontem estar “profundamente alarmado” com o agravamento da violência no Estado de Rakhine, no Myanmar, alertando para a possibilidade de novas “atrocidades”.

      Informando que os seus serviços estão a procurar “corroborar os relatos de violações graves”, Volker Turk avançou estar “profundamente alarmado com os relatos de um agravamento da violência e da destruição de propriedade na cidade de Buthidaung, no norte do estado de Rakhine, causando a deslocação de talvez dezenas de milhares de civis, principalmente Rohingya”.

      “Com as tensões intercomunitárias entre os grupos étnicos Rakhine e Rohingya elevadas – e ativamente alimentadas pelo exército – este é um momento crítico em que o risco de novas atrocidades criminosas é particularmente elevado”, segundo o responsável da ONU, citado em comunicado.

      As atrocidades criminosas – genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra – são consideradas pela ONU como as mais graves entre outras infrações que também incluem uma componente internacional.

      Em 2017 registou-se no estado de Rakhine uma perseguição em larga escala por parte do exército contra a minoria Rohingya, que está a ser investigada pelas Nações Unidas por genocídio.

      Novos confrontos têm abalado este estado desde que o Exército Arakan (AA, Arakan é o antigo nome de Rakhine) atacou as forças de segurança em novembro, pondo fim a um cessar-fogo respeitado desde o golpe da junta em 2021. Türk apelou ao fim dos combates e à proteção da população, assim como às partes em confronto que permitam o “acesso humanitário imediato e sem obstáculos”.

      O responsável instou ainda os combatentes a respeitarem “plena e incondicionalmente o direito internacional, incluindo as medidas já ordenadas pelo Tribunal Internacional de Justiça para a proteção dos Rohingya”.

      Quanto ao Bangladesh, o Alto Comissário apelou a que “renove a sua proteção” a refugiados, depois de o país ter reforçado a segurança ao longo da sua fronteira com Myanmar, por recear que o conflito desencadeie um novo afluxo de Rohingya.

      O Bangladesh acolhe quase um milhão de refugiados Rohingya. A maioria destes refugiados fugiu da violenta repressão militar no Myanmar em 2017.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau