Edição do dia

Sexta-feira, 24 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
25.8 ° C
25.9 °
25.4 °
94 %
4.1kmh
40 %
Qui
26 °
Sex
26 °
Sáb
26 °
Dom
28 °
Seg
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaJapão pronto para tomar medidas necessárias para travar a queda do iene

      Japão pronto para tomar medidas necessárias para travar a queda do iene

      O ministro das Finanças japonês disse estar pronto para intervir e travar a queda acentuada do iene, que ultrapassou a marca das 155 unidades por dólar, pela primeira vez em 34 anos.

       

      O banco central do Japão reviu em alta, de 2,4% para 2,8%, a previsão para a inflação, mas manteve a taxa de juro de referência, um mês depois do primeiro aumento em 17 anos.

      “Em linha com a nossa política, o Governo vai continuar a acompanhar de perto a evolução do mercado cambial e vai tomar todas as medidas necessárias”, disse o ministro das Finanças japonês Shunichi Suzuki, à comunicação social.

      A moeda japonesa ultrapassou a barreira dos 155 ienes por dólar, apesar da recente mudança na política monetária do país, que durante anos impôs taxas de juros negativas para tentar controlar a inflação. “Estamos preocupados com o lado negativo do iene mais fraco”, disse Suzuki, acrescentando que lidar com o aumento dos preços é uma prioridade para o Governo japonês.

      No relatório trimestral de previsões económicas, o Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) subiu em uma décima, para 1,9%, a previsão da inflação para 2025 e divulgou a primeira estimativa para 2026, também 1,9%.

      A instituição considerou que, embora o impacto da subida do custo das importações vá diminuir, a inflação deverá continuar alta em 2025 devido ao preço do petróleo e ao fim das medidas governamentais para tentar refrear a subida dos preços ao consumidor.

      A inflação no Japão fixou-se em 2,6% em março e está há dois anos acima da meta de 2% fixada pelo BoJ, inicialmente devido à subida do custo da energia, decorrente da guerra na Ucrânia, e actualmente devido ao aumento do preço da alimentação.

      Pelo contrário, o BoJ reviu em baixa, de 1,8% para 1,3%, a estimativa para o crescimento económico no ano fiscal de 2023, que terminou a 31 de março, e baixou a previsão para o actual ano fiscal de 1,2% para 0,8%, devido ao fraco consumo.

      “A economia japonesa recuperou moderadamente, embora tenha sido observada alguma fraqueza”, destacou o relatório, acrescentando que as exportações e a produção industrial permaneceram estáveis.

      O banco central justificou a revisão em baixa considerando que o consumo privado, que representa cerca de 60% da economia, deverá permanecer fraco, apesar de empresas e sindicatos terem recentemente acordado os maiores aumentos salariais em três décadas.

      Relativamente ao ano fiscal de 2025, o BoJ manteve a previsão de que o Produto Interno Bruto japonês irá crescer 1%, o mesmo valor previsto para 2026.

      A instituição decidiu também manter inalteradas as principais medidas da política monetária, um mês após ter subido a taxa de juro de referência a curto prazo, para 0,1%, pela primeira vez desde 2007.

      Num comunicado, o banco central japonês disse que a decisão do conselho de política monetária foi tomada de forma unânime.

      Após o anúncio, a moeda nipónica desvalorizou-se ainda mais e ultrapassou a marca de 155 ienes por dólar, pela primeira vez desde maio de 1990. “É necessário prestar muita atenção à evolução dos mercados financeiros e cambiais e ao seu impacto na atividade económica e nos preços no Japão”, disse o BoJ no comunicado.

      Horas antes, o ministro das Finanças japonês disse estar pronto para intervir e travar a queda acentuada do iene. “Estamos preocupados com o lado negativo do iene mais fraco”, disse Shunichi Suzuki, acrescentando que lidar com o aumento dos preços é uma prioridade para o Governo.

      Um iene fraco tende a impulsionar o mercado de ações, uma vez que inflaciona as remessas estrangeiras dos exportadores, mas também aumenta os custos das importações de energia e matérias-primas, das quais o Japão é dependente. Lusa

       

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau