Edição do dia

Domingo, 14 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
28.9 ° C
29.9 °
28.9 °
79 %
5.7kmh
40 %
Dom
29 °
Seg
27 °
Ter
27 °
Qua
28 °
Qui
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaCoreia do Sul começa a suspender licenças de médicos estagiários em greve

      Coreia do Sul começa a suspender licenças de médicos estagiários em greve

      O Governo da Coreia do Sul disse ontem que vai começar na próxima semana a suspender as licenças dos médicos estagiários em greve há mais de um mês, em protesto contra uma reforma do sector.

       

      O ministro-adjunto da Saúde sul-coreano disse que deverão estar concluídos na próxima semana os procedimentos administrativos para uma suspensão de três meses das licenças de alguns dos mais de nove mil jovens médicos que se demitiram.

      Esta medida poderá ainda atrasar em mais de um ano o curso de especialização e quaisquer formações posteriores na carreira, já que os processos dos médicos vão ficar com a medida disciplinar e o motivo registados.

      Numa conferência de imprensa, Park Min-soo apelou aos estagiários que regressem ao trabalho e prometeu aos médicos que abandonem a greve antes de concluídos os procedimentos de suspensão uma punição menos severa. Park recordou que os grevistas estão a desobedecer à ordem de regresso ao trabalho até 29 de Fevereiro, emitida pelo Governo.

      De acordo com a lei sul-coreana, os médicos, considerados trabalhadores essenciais, não podem fazer greve.

      Quase 70% (8.945) dos 13 mil médicos residentes do país entregaram cartas de demissão numa centena de hospitais universitários a 20 de Fevereiro, em protesto contra a reforma, que inclui o aumento do número anual de licenciados em medicina de 3.000 para 5.000.

      A greve perturbou o funcionamento dos hospitais da Coreia do Sul, obrigando a cancelar tratamentos cruciais e cirurgias, incluindo tratamentos de quimioterapia ou radioterapia para pacientes com cancro.

      Na terça-feira, várias associações sul-coreanas denunciaram as dificuldades pelas quais os pacientes com doenças graves, raras e crónicas estão a passar devido à greve.

      No sábado passado, médicos seniores da Coreia do Sul prometeram apresentar a demissão a partir de 25 de Março, em apoio aos estagiários, embora garantindo a continuidade do tratamento aos pacientes nos hospitais.

       

      A 3 de Março, cerca de 30 mil médicos – 15 mil, indicou a polícia local – manifestaram-se nas ruas de Seul. Apesar da oposição, o Governo sul-coreano garantiu na quarta-feira que irá avançar com a reforma.

      Mais de 80% das novas vagas vão ser atribuídas a universidades situadas fora da capital Seul, “em conformidade com a vontade do governo” de aumentar o número de médicos nas zonas rurais, declarou o ministro da Educação Lee Ju-ho em conferência de imprensa.

      O Governo considera urgente aumentar o número de médicos num país onde, devido à baixa taxa de natalidade, quase metade da população deverá ter mais de 65 anos em 2070.

      Os médicos opõem-se a este projeto, pois consideram que a admissão de mais estudantes nas escolas de medicina vai provocar diminuição do nível dos futuros médicos e que, consequentemente, a qualidade dos cuidados de saúde vai ser afectada. Lusa

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau