Edição do dia

Sexta-feira, 19 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
28.3 ° C
28.9 °
26.5 °
79 %
9.3kmh
40 %
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
26 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaCoreia do Sul declara estado de crise grave na saúde devido a...

      Coreia do Sul declara estado de crise grave na saúde devido a greve de internos

      A Coreia do Sul elevou ontem o indicador sobre os serviços de saúde para o nível máximo, devido à greve de médicos internos, em protesto contra políticas governamentais. Cerca de 60% dos médicos internos, recorde-se, estão há quatro dias em greve, obrigando ao cancelamento ou reagendamento de várias cirurgias.

       

      As autoridades da Coreia do Sul elevaram ontem pela primeira vez na história do país, o indicador sobre os serviços de saúde para o nível máximo, devido à greve de médicos internos, em protesto contra políticas governamentais.

      Cerca de 60% dos médicos internos estão há quatro dias em greve, obrigando ao cancelamento ou reagendamento de metade das cirurgias em alguns hospitais do país, contra o plano do Governo de aumentar as vagas nas escolas médicas.

      Em resposta, o Governo implementou ontem várias medidas de mobilização de pessoal e recursos, tornando obrigatória a prestação de serviços de telemedicina em todos os centros médicos e ativando subsídios para a contratação de mais trabalhadores temporários.

      As autoridades alargaram ao máximo o horário de consultas nos hospitais públicos e criaram quatro centros de gestão de crises para gerir o transporte de doentes graves. Isto depois de, na terça-feira, terem aberto ao público em geral as urgências dos 12 hospitais militares.

      A imprensa da Coreia do Sul referiu casos de pessoas que tiveram de percorrer dezenas de quilómetros e esperar horas para receber atendimento de urgência. No total, 8.897 médicos estagiários apresentaram a demissão e 7.863 deles (60% dos que trabalham no país) abandonaram efectivamente os seus empregos, de acordo com dados ontem divulgados pelo Ministério da Saúde.

      Na quarta-feira, o Governo da Coreia do Sul, que emitiu ordens aos internos para o regresso ao trabalho, anunciou que pretende emitir ordens de detenção e ainda deverá acusar aqueles que instigam à greve. Em causa está uma reforma anunciada pelo Presidente sul-coreano, Yoon Suk-yeol, que visa aumentar o número de estudantes admitidos nas escolas médicas em 65%, ou mais 2.000 pessoas por ano, a partir de 2025.

      O Governo da Coreia do Sul justifica esta medida como necessária para preparar o país para uma população cada vez mais idosa.

      Cerca de 44% dos sul-coreanos terão mais de 65 anos em 2050, de acordo com projeções das autoridades. O Governo calcula que faltarão 15 mil médicos para atender às necessidades do país até 2035 se nada for feito. Mas os médicos opõem-se ao projeto por considerarem que a admissão de mais estudantes nas escolas médicas resultará numa queda no nível profissional dos futuros médicos e que a qualidade dos cuidados será prejudicada. Lusa

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau