Edição do dia

Sábado, 20 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
trovoada com chuva
26.9 ° C
26.9 °
24.9 °
89 %
2.1kmh
40 %
Sáb
27 °
Dom
27 °
Seg
24 °
Ter
24 °
Qua
25 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaTerceiro dia da greve dos médicos sul-coreanos afecta serviços de urgência

      Terceiro dia da greve dos médicos sul-coreanos afecta serviços de urgência

      A greve em que participam mais de oito mil médicos internos sul-coreanos em protesto contra o plano do Governo de aumentar vagas nas escolas médicas continua a afectar a prestação de serviços de emergência, como as cirurgias.

      As urgências na região de Seul, onde reside mais de metade da população sul-coreana, e no resto da Coreia do Sul, estão a aceitar apenas casos muito graves ou a encaminhar diretamente os pacientes para outros centros.

      Entretanto, as cirurgias continuam a ser canceladas ou adiadas (50% das agendadas para o dia em alguns hospitais) em todo o país devido à greve dos médicos, que já vai no terceiro dia.

      No total, 9.275 médicos estagiários, quase 75% dos que trabalham na Coreia do Sul, apresentaram cartas de demissão e 8.024 deles abandonaram efectivamente os seus empregos, segundo dados ontem divulgados pelo Ministério da Saúde.

      Na quarta-feira, o governo da Coreia do Sul anunciou que pretende emitir ordens de detenção e ainda deverá acusar aqueles que instigam à greve.

      Em conferência de imprensa conjunta, os ministérios da Justiça e do Interior, a Procuradoria-Geral da República e a Agência Nacional de Polícia (NPA), advertiram que quem não cumprir as ordens emitidas pelo Governo para o regresso ao trabalho, em princípio, deverá receber uma acusação formal, mas haverá clemência para aqueles que abandonarem a greve.

      Na terça-feira, o Governo activou um plano de emergência para aumentar as consultas pela internet, alargou o horário de consultas nos hospitais públicos e abriu ao público em geral as urgências dos 12 hospitais militares do país.

      Em causa está uma reforma anunciada pelo Presidente sul-coreano, Yoon Suk Yeol, que visa aumentar o número de estudantes admitidos nas escolas médicas em 65%, ou mais 2.000 pessoas por ano, a partir de 2025. O Governo coreano justifica esta medida como necessária para preparar o país para atender uma população cada vez mais idosa.

      Cerca de 44% dos sul-coreanos terão mais de 65 anos em 2050, de acordo com projeções do governo. O Governo calcula que faltarão 15 mil médicos para atender às necessidades do país até 2035 se nada for feito. Mas os médicos opõem-se ao projeto por considerarem que a admissão de mais estudantes nas escolas médicas resultará numa queda no nível profissional dos futuros médicos e que a qualidade dos cuidados será prejudicada.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau