Edição do dia

Terça-feira, 18 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
31.7 ° C
34.8 °
30.9 °
89 %
5.1kmh
40 %
Ter
32 °
Qua
31 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaPresidente do Camboja elimina conta de Facebook após alerta de conteúdo violento

      Presidente do Camboja elimina conta de Facebook após alerta de conteúdo violento

       

      O primeiro-ministro cambojano decidiu apagar a conta pessoal de Facebook, depois de a proprietária da rede social ter recomendado a suspensão dessa e de outra conta no Instagram por incitamento à violência contra opositores. Hun Sen, de 71 anos, publicava com regularidade no Facebook, onde tinha 14 milhões de seguidores

       

      O primeiro-ministro do Camboja, Hun Sem, apagou a conta pessoal de Facebook, depois de a proprietária da rede social ter recomendado, na quinta-feira, a suspensão dessa e de outra conta no Instagram por incitamento à violência contra opositores.

      “Pedi ao meu assistente para apagar a minha conta do Facebook imediatamente e remover o meu nome do Facebook. Volto ao meu canal do Telegram, que é mais eficaz. Também criei uma nova conta no Tik Tok”, disse Hun Sen, numa mensagem divulgada na plataforma Telegram, onde marca presença com quase 900 mil seguidores.

      Hun Sen, de 71 anos, publicava com regularidade no Facebook, onde tinha 14 milhões de seguidores. O dirigente tem ainda conta ativa no Instagram, com 167 mil seguidores, e no Telegram, YouTube, Twitter e TikTok.

      Na publicação, Hun Sen não faz referência ao pedido feito pela Meta – proprietária do Instagram e do Facebook -, na sequência de um vídeo que publicou na página pessoal do Facebook em resposta a uma acusação de que o Partido do Povo do Camboja, do qual é líder, teria cometido fraude nas eleições locais de 2022. O Presidente, no poder desde 1985, ameaçava enviar os seus seguidores para espancar os críticos.

      A polémica ocorre a menos de um mês das eleições gerais no país, agendadas para 23 de Julho, às quais o partido de Hun Sen concorre praticamente sem oposição, depois de a comissão eleitoral ter desqualificado em Maio o partido Candlelight Party.

      Esta formação sucedeu ao Partido de Resgate Nacional do Camboja (CNRP, na sigla em inglês), cujos principais dirigentes estão no exílio, após uma campanha de perseguição que terminou em 2017 com a ilegalização do grupo.

      Hun Sen governa o país desde 1998, sendo um dos líderes mundiais que se encontra há mais tempo no poder sem interrupção. Desde 2018 que não tem oposição, uma vez que o partido que lidera ocupa todos os 125 assentos parlamentares.

      A Meta recordou num relatório, na quinta-feira, “o histórico de violações e intimidações de opositores políticos por parte de Hun Sen e o seu uso estratégico de redes sociais para amplificar as ameaças”.

      Sobre a saída de Hun Sen do Facebook e a passagem para o Telegram, o vice-director para a Ásia da Human Rights Watch, Phil Robertson, considerou, em comunicado, que “muitos dos estragos no mundo decorrem de quando líderes autoritários usam as redes sociais para incitar à violência”, como se observou “tantas vezes no Camboja”. Lusa

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau