Edição do dia

Terça-feira, 7 de Fevereiro, 2023
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
18.9 ° C
20.9 °
18.9 °
88 %
1kmh
40 %
Seg
20 °
Ter
21 °
Qua
19 °
Qui
20 °
Sex
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Ásia Governo do Japão diz que saúde fiscal do país sofre deterioração sem...

      Governo do Japão diz que saúde fiscal do país sofre deterioração sem precedentes

      O ministro das Finanças do Japão, Sunichi Suzuki, referiu-se a uma deterioração "sem precedentes da saúde fiscal do país" sublinhando que a dívida pública foi agravada pela pandemia e pela inflação. A Confederação de Sindicatos do país pediu aumentos de 5%, o valor mais elevado dos últimos 28 anos.

      Na primeira intervenção parlamentar do ano, o ministro das Finanças destacou a “necessidade de garantir uma situação fiscal capaz de evitar a credibilidade do país e o bem-estar dos cidadãos”. “Após as acções em relação à pandemia do novo coronavírus e dos acordos sobre orçamentos suplementares, enfrentamos uma situação fiscal que se agrava e que cresce para níveis sem precedentes”, disse o responsável pelas Finanças sobre a pressão que enfrentam as contas públicas japonesas.

      Mesmo assim, Suzuki assinalou que a política do Governo liderado por Fumio Kishida está concentrada na promoção da revitalização económica “robusta”, antes de novas medidas de ajustes fiscais.

      O executivo prevê aprovar um orçamento de 806.000 milhões de euros em Abril e que incluiu tranches adicionais para a mitigação dos custos com matérias-primas e energia.

      O orçamento também incluiu um aumento dos gastos no setor da Defesa de cerca de 2% do Produto Interno Bruto (PIB), ficando ao mesmo nível dos países da Aliança Atlântica.

      A dívida pública do Japão é a maior entre os membros do Grupo dos Sete Países mais Desenvolvidos (G7), situando-se em 265,5% em 2021, de acordo com os dados do Fundo Monetário Internacional.

      A maior parte dos fundos de dívida do país (51%) são detidos pelo Banco Central do Japão, mas a entidade encontra-se sob crescente pressão dos mercados para aumentar as taxas de juro de referência. No mesmo discurso, Suzuki disse que o Governo mantém como objectivo alcançar em 2025 o equilíbrio das contas públicas.

      Por outro lado, a Confederação de Sindicatos do Japão (RENGO) pediu uma subida de 5% dos salários, o valor mais elevado exigido pelos trabalhadores nos últimos 28 anos. Entretanto começaram as negociações entre a RENGO e associações patronais.

      A confederação pede que mais de metade deste valor (05%) seja incluído no aumento salarial básico e a restante parte em aumentos anuais com base na antiguidade, para fazer face ao aumento da inflação que afeta a terceira economia mundial.

      Para a responsável pelos grupos sindicais, Tomoko Yoshino, estes aumentos podem servir para aliviar as consequências da pandemia e a inflação assinalando que 2023 deve ser “o ano que representa um ponto de inflexão para mudar o futuro do Japão”.

      Masakazu Tokura, presidente da Federação Empresarial do Japão (Keidanren) disse estar de acordo com a sugestão dos sindicatos e apelou, por isso, aos responsáveis pelas diferentes empresas para, desta forma, “darem resposta à subida dos preços, cumprindo as responsabilidade sociais”.

      O índice de preços do consumo subiu 2,3% no Japão, devido ao aumento dos custos energéticos e das matérias-primas.

      O primeiro-ministro, disse, a este propósito no Parlamento de Tóquio que a expansão salarial é a chave para vencer o “círculo” da redistribuição dos lucros empresariais e “estimular o gasto dos consumidores”.   A apresentação formal das exigências sindicais deve ser exposta em fevereiro aguardando-se uma resposta final durante o mês de Março.

      Lusa

      ViaLusa
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau