Edição do dia

Quarta-feira, 19 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
29 ° C
29.9 °
28.9 °
94 %
3.6kmh
20 %
Ter
29 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioCulturaNatalie Lao apresenta “A Simplicidade na Era da Exuberância”

      Natalie Lao apresenta “A Simplicidade na Era da Exuberância”

      Um total de 19 pinturas em seda e papel que recriam influências orientais a partir de uma visão contemporânea estarão patentes nas paredes da galeria da Fundação Rui Cunha até dia 28 de Janeiro. Segundo a artista, os “conceitos de design contraditórios sempre foram uma fonte de inspiração para as suas criações”. Ao PONTO FINAL, confessou-se “nervosa” por mais uma exposição apesar de andar há muitos anos nestas andanças artísticas.

      A pintora chinesa Natalie Lao, radicada em Macau há mais de 40 anos, inaugurou ontem, pela 18h30, a exposição de pintura “A Simplicidade na Era da Exuberância” [The Pure in Golden Age] na galeria da Fundação Rui Cunha, onde reúne 19 pinturas em seda e papel, todas produzidas em 2022, que recriam influências orientais a partir de uma visão contemporânea. De acordo com palavras da artista, os “conceitos de design contraditórios sempre foram uma fonte de inspiração para as suas criações”.

      A artista, que se apresenta pela segunda vez numa exposição individual apesar de já ter participado em diversas colectivas, confessou ao PONTO FINAL que, apesar de não ser uma estreia, estes momentos deixam-na sempre “nervosa”. Natalie pretende agora vender o maior número possível de obras que vão desde das 3.500 às 42 mil patacas, conforme constatámos na folha de sala disponível durante a cerimónia de inauguração.

      Natalie Lao “utiliza diferentes elementos de imagem nas suas obras para expressar opiniões sobre a impermanência e a mudança das coisas no mundo, advertindo-se a si mesma para não ser obstinada e persistente”, revela a sinopse do projecto que estará patente até dia 28 de Janeiro.

      A artista explica ainda ao nosso jornal que a pincelada fina usada na sua arte “imita o padrão dos lenços de seda e aplica-os na sua obra”. Já “a sobreposição visual de dois elementos faz com que as pessoas entendam a relação primária e secundária da pintura. Pensando e transmitindo as ideias com perfeição”.

      Natalie Lao usa uma espécie de “alucinações visuais” para despertar as pessoas para uma discussão sobre a verdade e a falsidade do que vêem. “Cortinas e tecidos de seda podem desempenhar um papel na cobertura de objectos. Quando ela usa esses símbolos de imagem nas suas obras, é também para expressar a relação contraditória do que vai no seu coração, espera que os outros a leiam e entendam, ao mesmo tempo que teme o impacto de ser notada”, pode ainda ler-se na mesma sinopse.

      Natural de Heshan, no sul da província de Guangdong, Natalie Lao formou-se em 2016 na Escola Superior de Belas Artes da Universidade Politécnica de Macau (UPM), completando o programa de licenciatura em Artes Visuais (com especialização em pintura chinesa). Em 2017 avançou para o curso de formação avançada da Academia de Belas Artes de Cantão, em pintura de flores e pássaros. Actualmente, a artista é vice-presidente e directora executiva da Macau Yiyuan Painting and Calligraphy Association, e, igualmente, vice-presidente da Hao Jiang Printing Society.