Edição do dia

Sexta-feira, 24 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
aguaceiros fracos
25 ° C
25.9 °
24.9 °
100 %
2.1kmh
75 %
Sex
26 °
Sáb
26 °
Dom
28 °
Seg
28 °
Ter
27 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioPolíticaGoverno vai reservar espaços para cuidados continuados aos idosos

      Governo vai reservar espaços para cuidados continuados aos idosos

      A promessa foi deixada pelo presidente do Instituto de Acção Social em resposta a uma interpelação do deputado da Assembleia Legislativa Lei Chan U. Hon Wai explicou que isso acontecerá nos futuros planos de construção de habitação pública e nos novos aterros urbanos.

       

      “O Governo da RAEM tem prestado atenção à promoção do desenvolvimento dos serviços de cuidados continuados para idosos”, garantiu o presidente do Instituto de Acção Social (IAS) em resposta a uma interpelação escrita ao Governo feita pelo deputado da Assembleia Legislativa (AL) Lei Chan U.

      Hon Wai reiterou que “é através da avaliação sobre a procura desses serviços, encomendada a instituições especializadas, que é elaborado o planeamento do desenvolvimento dos referidos serviços, para fazer face às diversas oportunidades e desafios que a sociedade envelhecida representa”.

      Segundo o relatório do estudo sobre a situação de vida dos idosos da RAEM e a procura dos serviços de cuidados de longo prazo, “a taxa de procura dos lares de idosos por pessoas com 65 anos ou mais é de 3,75 por cento”. Lei Chan U tinha lembrado que, para fazer face ao envelhecimento da população, “no segundo plano quinquenal propõe-se uma série de trabalhos, por exemplo, o lançamento do projecto-piloto de acolhimento temporário diurno para idosos e a criação de um centro de serviços para apoiar os cuidadores, prevendo-se ainda o aumento do número de vagas para os serviços de cuidados de longo prazo para idosos – em 2025, o número total de vagas dos lares de idosos será aumentado de cerca de 2.500 para 2.600, e o número de vagas relativas a cuidados diurnos, de cerca de 340 para cerca de 500 – bem como do número de equipas de prestação de serviço de cuidados domiciliários e de serviço de apoio, das actuais seis para sete”. “Mas, mesmo assim, os referidos trabalhos poderão ainda não conseguir satisfazer as necessidades dos idosos no âmbito dos serviços de cuidados de longo prazo”, acrescentou ainda o deputado da Federação das Associações dos Operários de Macau (FAOM).

      Na resposta ao parlamentar, o responsável do IAS garantiu que “o Governo da RAEM irá tomar em consideração diversos dados relativos às mudanças na população sénior, conjugados com a situação real, no sentido de reservar espaços, nomeadamente, nos futuros planos de construção de habitação pública e nos novos aterros urbanos para a criação dos respectivos equipamentos, com vista a aumentar a oferta dos serviços de cuidados continuados para idosos”.

      Ao mesmo tempo, Hon Wai, fez notar que a procura dos serviços de cuidados continuados sofre influência de diversos factores, “nomeadamente no que se refere à estrutura e situação de saúde da população sénior, desenvolvimento de construções nos novos aterros urbanos e integração no círculo de vida da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau. Atendendo à dinâmica das mudanças da procura dos serviços em causa, o Governo irá continuar a acompanhar os respectivos dados no sentido de proceder, em tempo oportuno, a avaliação da procura dos mesmos”.

      Para Lei Chan U, o envelhecimento da sociedade em Macau é tema essencial. O deputado considera que isso conduzirá, sem qualquer dúvida, “ao aumento contínuo da procura de pessoal que presta serviços de cuidados de longo prazo”. “Como a sociedade tem uma opinião negativa sobre os serviços de cuidados de longo prazo, o recrutamento do respectivo pessoal é muito difícil”, atirou o parlamentar.

      Hon Wai, em resposta ao crescimento futuro do número de equipamentos prestadores de cuidados continuados para idosos, referiu que “as duas instituições de ensino superior existentes em Macau, responsáveis pela formação de profissionais de enfermagem, criaram mais vagas para as respectivas acções de formação”.

      De igual forma, revela a Direcção dos Serviços de Educação e de Desenvolvimento da Juventude (DSEDJ), através da concessão de bolsas especiais, “incentiva e apoia os alunos, que concluíram o curso secundário, a prosseguirem os seus estudos na referida área”. “Adicionalmente, o IAS, em cooperação com as instituições especializadas em formação, organiza, sempre que necessário, acções de formação para os diversos tipos de prestadores de cuidados, no sentido de os apoiar a melhorarem, de modo contínuo, a sua capacidade para a prestação dos referidos serviços”, acrescenta o presidente da entidade, sublinhando que, nos últimos anos, o instituto “tem envidado esforços para apoiar os diversos equipamentos prestadores de cuidados continuados não só na optimização do seu processo de trabalho como também na aplicação das diversas gerontotecnologias que se adequem às respectivas necessidades”.

       

      PONTO FINAL