Edição do dia

Terça-feira, 9 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
27.9 ° C
27.9 °
26.9 °
83 %
5.1kmh
20 %
Seg
28 °
Ter
28 °
Qua
29 °
Qui
28 °
Sex
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Cultura Tendência crescente de uma dieta baseada em vegetais em debate em Macau

      Tendência crescente de uma dieta baseada em vegetais em debate em Macau

      Conversa promovida pela Associação da Cultura Vegetariana em Macau visa colocar veganos e vegetarianos a partilhar experiências. Uns pelos direitos dos animais, outros por motivos de saúde, e outros, ainda, pela devastação ambiental. Cada um, à sua maneira, vai adoptando caminhos de vida saudáveis baseados na cultura verde.

      A Associação da Cultura Vegetariana em Macau (ACVM) está a promover uma conversa sobre estilo de vida baseado na cultura verde para o próximo domingo, dia 12 de Setembro, das 15h às 17h, na sede do Canaan Education, situada no NAPE.

      Com a moderação de Gisele Wong, presidente da ACVM, o debate, com entrada gratuita, será conduzido em inglês e aberto a todos os interessados, sendo que apenas existem 30 lugares disponíveis para participantes. O evento não terá transmissão directa, mas será gravado para posterior publicação nas redes sociais.

      A tendência crescente de uma dieta baseada em vegetais e razões pelas quais muitos estão a considerar a mudança é um dos temas em discussão. “Tornei-me ovo-lacto-vegetariano aos 14 anos”, começou por dizer ao PONTO FINAL João Manuel Vicente, fundador do grupo de Facebook Vegetarians in Macau, um dos oradores do evento.

      “Naquela altura, o que me fez mudar os hábitos alimentares foi participação em actos de abate e o seu insuportável horror. Os gritos de dor e terror, por longos minutos, a constatação da indiferença à dor alheia, o apagamento da empatia e da solidariedade, o especismo, a compaixão selectiva”, assumiu o também advogado.

      Para João Manuel Vicente, que hoje é um “orgulhoso” vegano, os maiores desafios há 30 anos era a família “que tinha preocupação por algo quase desconhecido”, bem como o contexto do dia-a-dia, na escola, com os amigos. “A bizarria e excentricidade de não comer carne nem peixe, a pouca oferta e os preços altos, tratavam do resto.”

      O advogado português mostra-se satisfeito pelo que foi conseguido nos últimos 15 anos e esperançoso em relação ao futuro. “Há uma maior noção generalizada sobre a temática. O pipocar de restaurantes, por exemplo, bem como o factor de ‘tendência social/moda’ e, ainda, a aproximação ao vegetarianismo pela via do ambiente”, refere, são algumas das razões apontadas para o ‘boom’ dos últimos anos.

      O passo final para se ter tornado vegano há cinco anos deveu-se a ter tomado consciência do horror que é a produção de leite e ovos. “Há um ciclo interminável de violação, roubo das crias e morte. Ao mesmo tempo, aconteceu a necessária extracção de todas as demais consequências lógicas a partir da minha motivação originária”, explicou, assumindo que ainda existem desafios para serem devidamente “olhados em perspectiva”.

      “Ter e cuidar de animais, dar-lhes ou não a comida que seja natural para eles, mesmo se for carne? E o uso de bens e produtos de vestuário de origem animal já antes possuídos? Em relação às vacinas, tomar já ou aguardar pelas veganas? E o mel? E qual a forma de luta? Um activismo efectivo, rebelde, contra-maioritário e transformador ou um mero veganismo contemporizador e acomodatício?”, são as questões em cima da mesa para debater nos próximos anos, assume João Manuel Vicente, que ainda relembra a devastação ambiental causada, não só, mas também, por um estilo de vida menos verde.

       

      O produto animal

      Aliás, veganismo e sustentabilidade, e como uma dieta baseada em vegetais pode combater a emergência climática é também um dos temas para ser conversado no evento do próximo domingo. Dicas para fazer uma dieta saudável e balanceada à base de vegetais e uma educação efectiva dos mais jovens para o problema são ainda outros pontos em agenda para discussão.

      Fátima Couto Choi tem uma dieta baseada em vegetais, mas ainda não se considera 100% vegana, porque apesar de não comer qualquer produto de origem animal, “infelizmente” ainda os usa, como por exemplo “sapatos e roupas”, algo que considera “inevitável”. “Em Macau é difícil arranjar produtos e objectos veganos”, nota.

      Durante a conversa, a macaense vai partilhar a sua experiência na mudança de dieta, que aconteceu “precisamente há dois anos”. “A reacção dos familiares e dos amigos quando na altura foram informados sobre esta mudança”, referiu Fátima ao nosso jornal, que ainda não sabe se vai abordar “temas polémicos e sensíveis” para veganos no domingo, apesar de estar com vontade de o fazer.

      Tudo começou “pelos cães e pelos animais”, revela-nos Fátima Couto Choi. “Sofrem antes da morte e, aqui na China, os cães são cozidos ao vivo. Imagens e vídeos que vi no Facebook e no YouTube ficaram na minha memória e, a partir daí, mudei a minha dieta”, explicou. “Depois passou a ser também pela saúde e pelo ambiente, quando comecei a ler mais sobre uma dieta baseada em vegetais. A parte dos animais será sempre a parte sensível a ser discutida”, notou Fátima.

      Para além de João Manuel Vicente e de Fátima Couto Choi, o evento terá ainda, como oradores, a participação de Jack Yu, representante da plataforma Green Monday, uma plataforma de estilo de vida saudável baseado na cultura verde e de promoção nas escolas, e de Simpson Lee, entusiasta vegano e activista dos direitos animais.

      DEIXE UMA RESPOSTA

      Por favor escreva o seu comentário!
      Por favor, escreve aqui o seu nome