Edição do dia

Terça-feira, 25 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nublado
29.8 ° C
29.8 °
29.8 °
83 %
6.2kmh
100 %
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioCulturaAchun lança novo álbum e confirma presença no próximo HUSH

      Achun lança novo álbum e confirma presença no próximo HUSH

      Achun nasceu e cresceu em Macau e lançou agora o seu quarto álbum intitulado “Keep Da Vibez Goin’”. O antigo guitarrista de bandas de Rock destaca-se agora no patamar da música electrónica com o seu trabalho patente em várias plataformas de música, como a Apple Music e o Spotify.

      Achun é um artista de Macau que lançou agora um álbum de música electrónica intitulado “Keep Da Vibez Goin”, que pode ser encontrado nas plataformas Spotify e Apple Music.

      O artista, que começou a trabalhar como guitarrista numa banda de Rock há mais de 10 anos, passou a dedicar-se ao seu projecto a solo fazendo a sua própria produção. “Já faz 11 anos que comecei a trabalhar a solo nas minhas músicas”, começa por explicar ao PONTO FINAL. “No início não comecei a apresentar em Macau, apenas na cidade de Zhuhai, pois esta acabou por ser mais vibrante para mim e com muitos mais projectos e festivais de música”, prosseguiu.

      Achun, que fez o seu primeiro concerto em Zhuhai, conta que conheceu um promotor e organizador de música ao vivo de Hong Kong chamado Lai Fai, que acabou por ser um grande organizador de concertos e estava à frente do evento chamado Heavy HK, dedicado a outro tipo de música, como o Drum and Bass. “Ele reconheceu-me logo pois já tinha ouvido falar de mim, e surgiu daí a minha primeira oportunidade de fazer um concerto a solo. Depois disso convidou-me também para tocar em Hong Kong, em Lan Kwai Fong, em 2010”, contou.

      Nessa altura, o artista local ainda não tinha lançado qualquer álbum. “Acho que estava a preparar a minha cassete demo de originais no computador”, recorda. “Depois tudo acabou por acontecer como uma bola de neve, acabei por gravar um ‘set’ e coloquei-o no Soundcloud, e meio ano depois, em 2011, um organizador de concertos em Xangai contactou-me e convidou-me para tocar numa discoteca muito conhecida chamada ‘The Shelter’, que é um abrigo anti bombas da Segunda Guerra Mundial. Foi isto que deu início à minha carreira musical”, explicou o músico.

      Achun atira que sempre teve mais oportunidades de carreira fora de Macau. “Houve sempre mais convites para vir tocar no continente ou em Hong Kong, e também já toquei várias vezes em Taiwan”.

      Em relação ao seu estilo de música, Achun conta que já experimentou vários. “Já brinquei com tantos estilos, como House, Dubstep, Drum and Bass, Hiphop, Downtempo Beat, e utilizei muitas vezes alguns sons de guitarra porque foi onde a minha carreira começou. Tenho algumas faixas com vocais até”, prosseguiu o músico, recomendando a canção “Doppelgänger” do seu novo trabalho.

      O artista, que normalmente trabalha na sua música sozinho, descreve-se como uma ‘one man band’ por apresentar sempre música muito experimental onde toca vários instrumentos. “Tento incluir bateria, guitarra, canto, vozes e alguma percussão, como alguns tambores e tamborins ou algo do género para marcar o ritmo no palco”, frisou.

      O artista conta que não se lembra ao certo quantos álbuns já lançou, mas que se sente, acima de tudo, um artista de música electrónica. “Penso que este é o meu quarto álbum, mas na verdade não tenho a mínima ideia, tenho tantos EPs ou singles que não me consigo lembrar de todos eles”, contou.

      Questionado acerca do ambiente actual de produção de música, Achun responde que sente que as coisas melhoraram muito para os novos artistas. “Penso que é mais fácil do que há 15 ou 20 anos porque também se pode usar o telemóvel para fazer música e gravar um instrumento ou a voz, e não se necessita de tanto tempo de trabalho. Com um dia ou apenas um par de horas pode-se terminar uma música”, explica.

      Porém, o artista confirma que, com a situação da pandemia, em vez de concertos ao vivo há uma necessidade de os artistas se reinventarem e experimentarem fazer outras coisas, como tornarem-se DJs, no seu caso. “Costumava fazer tantos concertos ao vivo, mas desde a Covid-19 que não podemos fazer tournées por todo o lado como costumávamos fazer. Agora com a pandemia penso que exponho a minha música sobretudo como DJ em eventos e festas”, disse ao PONTO FINAL.

      Relativamente ao que pensa sobre a música electrónica em Macau, Achun admite que está a crescer cada vez mais. “Tantos jovens em Macau gostam de música de Trap ou de Old School Dub Step inglês. Conheci tantos adolescentes que realmente gostam de ir a festas e ouvir este estilo em Macau e até sabem a letra das músicas, e isso não acontecia há dez anos, nem aqui nem em Hong Kong”.

      Quanto a eventos confirmados, Achun adiantou que irá participar no festival HUSH. “Era suposto actuarmos em Junho ou Agosto, mas por causa da pandemia teve de passar para Novembro. Ainda estou à espera da confirmação final de uma data, mas posso confirmar definitivamente que vou estar no ‘lineup’ desta edição do festival”, revelou.

      Em relação à apresentação do álbum que acabou de lançar, o músico admite que não tem quaisquer datas porque ainda está à procura do organizador certo com que se possa associar para realizar o evento.