Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
28.1 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaAustrália e Nova Zelândia lançam voos para retirar cidadãos da Nova Caledónia

      Austrália e Nova Zelândia lançam voos para retirar cidadãos da Nova Caledónia

      A Nova Zelândia e da Austrália anunciaram ontem que irão realizar vários voos para evacuar os seus cidadãos retidos na Nova Caledónia, após uma semana de tumultos no território ultramarino francês.

      O ministro dos Negócios Estrangeiro da Nova Zelândia disse ontem, num comunicado de imprensa, que o governo fretou um voo de repatriação que deverá partir “em breve”. “Os neozelandeses na Nova Caledónia viveram dias difíceis e repatriá-los tem sido uma prioridade absoluta para o governo” desde o início da violência que atingiu o arquipélago francês no Pacífico Sul, disse Winston Peters.

      O chefe da diplomacia da Nova Zelândia acrescentou que o voo, o primeiro desde o encerramento do aeroporto internacional de Nouméa, na terça-feira, permitirá repatriar “50 passageiros” com necessidades mais urgentes para Auckland, no norte do país.

      Este é o primeiro de uma “série de voos propostos para começar a repatriar neozelandeses”, sublinhou Peters. “Em cooperação com a França e a Austrália, estamos a trabalhar para [organizar] outros voos nos próximos dias”, afirmou o ministério, que saudou o apoio das autoridades francesas em Paris e em Nouméa.

      Também ontem, a Austrália anunciou que recebeu autorização para realizar dois voos para repatriar os seus cidadãos. Os voos são “fretados pelo governo australiano para permitir que turistas australianos e outros deixem a Nova Caledónia”, anunciou a ministra australiana dos Negócios Estrangeiros, Penny Wong, num comunicado de imprensa.

      O aeroporto internacional de La Tontouta, em Nouméa, permanecerá fechado para voos comerciais pelo menos até às 09:00 de quinta-feira, anunciou na segunda-feira o diretor da Câmara de Comércio e Indústria da Nova Caledónia, Charles Roger.

      O território é palco, há uma semana, de violência numa escala inédita há 40 anos, em reação a uma reforma do órgão eleitoral criticada pelos apoiantes da independência. A crise teve início quando foi apresentado um novo projecto de lei adoptado em Paris que determina que residentes franceses que vivem no arquipélago há 10 anos passam a poder votar nas eleições locais.

      Os líderes políticos locais, incluindo os defensores da independência, temem que os povos nativos da Nova Caledónia fiquem enfraquecidos com a nova medida. Os motins que se seguiram já causaram a morte de pelo menos seis pessoas, incluindo dois polícias, e centenas de feridos, segundo as autoridades.

      O representante do Estado francês na Nova Caledónia, Louis Le Franc, disse na segunda-feira que cerca de 270 pessoas foram detidas desde o início da violência.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau