Edição do dia

Domingo, 19 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva moderada
25.9 ° C
26.9 °
25.9 °
83 %
6.7kmh
40 %
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
25 °
Qua
25 °
Qui
25 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaQueda no consumo e exportações faz economia do Japão contrair 0,5%

      Queda no consumo e exportações faz economia do Japão contrair 0,5%

      A economia do Japão encolheu 0,5% no primeiro trimestre de 2024, em comparação com o final do ano passado, sobretudo devido à queda no consumo e nas exportações, foi ontem anunciado.

       

      De acordo com dados preliminares divulgados pelo Governo, o consumo, que representa praticamente 60% do produto interno bruto (PIB) do Japão, contraiu 0,7% em termos trimestrais. Um sinal da relutância dos japoneses em gastar num contexto de fraco aumento dos salários e inflação persistente.

      A inflação no Japão fixou-se em 2,6% em Março e está há dois anos acima da meta de 2% fixada pelo banco central, inicialmente devido à subida do custo da energia, decorrente da guerra na Ucrânia, e atualmente devido ao aumento do preço da alimentação.

      A situação poderá, no entanto, mudar em breve, uma vez que se espera que as negociações salariais que ocorrem todas as primaveras no Japão resultem em aumentos de mais de 5% este ano, algo que seria um recorde em mais de 30 anos. A economia japonesa registou ainda uma contração de 0,2% em relação ao mesmo período de 2023.

      Também pesou nas contas o abrandamento das exportações – outra das componentes mais importantes do PIB japonês -, que diminuíram 5% em termos trimestrais, após terem aumentado 2,8% nos últimos três meses de 2023.

      As importações também registaram uma contração de 3,4% – depois de um aumento de 0,9% e 1,8% nos dois trimestres anteriores, respetivamente –, que poderá estar ligado à fraqueza do iene.

      A moeda do Japão esteve ontem a negociar numa faixa perto dos 155 ienes por dólar, depois de no final de abril ter caído para 160 ienes, pela primeira vez há 34 anos. Um iene fraco tende a inflacionar as remessas estrangeiras dos exportadores, mas também aumenta os custos das importações de energia e matérias-primas, das quais o Japão é dependente.

      Durante o primeiro trimestre do ano, o investimento imobiliário também registou uma contração de 2,5%, enquanto os investimentos das empresas caíram 0,8%. Já o investimento público recuperou 3,1%, como resultado de uma série de políticas de estímulo à economia do país asiático.

       

      Japão e EUA assinam acordo para novo tipo de sistema de defesa antimísseis

       

      O Japão e os Estados Unidos assinaram ontem um acordo que prevê o desenvolvimento pelos dois países de um novo tipo de míssil capaz de intercetar armas hipersónicas na década de 2030.

      Este projecto, com um custo superior a 3.000 milhões de dólares, foi anunciado pela primeira vez em agosto, quando os líderes dos dois países se reuniram numa cimeira em Camp David, perto de Washington, encontro que contou também com a participação da Coreia do Sul. “Nos últimos anos, as tecnologias relacionadas com mísseis, como as armas hipersónicas, melhoraram significativamente em redor do Japão”, declarou o Ministério da Defesa num comunicado sobre este acordo. “É urgente reforçar a capacidade de interceção destas armas”, acrescentou.

      O governo japonês já destinou 75 mil milhões de ienes (445 milhões de euros) no seu orçamento de 2024 para o desenvolvimento de mísseis de interceção. A verba faz parte de um orçamento de defesa recorde, aprovado no ano passado, num momento de maior tensão com a China e a Coreia do Norte.

      O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, comprometeu-se a duplicar os gastos com a defesa para atingir o nível estabelecido pela NATO de 2% do Produto Interno Bruto (PIB) até 2027. Lusa

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau