Edição do dia

Sexta-feira, 19 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
28.3 ° C
28.9 °
26.5 °
79 %
9.3kmh
40 %
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
26 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaCoreia do Sul cria duas mil vagas no curso de medicina sob...

      Coreia do Sul cria duas mil vagas no curso de medicina sob protesto dos médicos

      O governo sul-coreano anunciou ontem a criação de duas mil novas vagas no curso de medicina, dando continuidade a uma reforma a que os médicos se têm oposto e que desencadeou uma greve de um mês. O governo de Seul tenciona criar duas mil novas vagas nas escolas de medicina por ano.

       

      As autoridades da Coreia do Sul anunciaram ontem a criação de duas mil novas vagas no curso de medicina, dando continuidade a uma reforma a que os médicos se têm oposto e que desencadeou uma greve de um mês. A greve que começou a 20 de Fevereiro está a causar grandes perturbações nos hospitais sul-coreanos, onde muitos tratamentos e operações tiveram de ser adiados. O governo de Seul tenciona criar duas mil novas vagas nas escolas de medicina por ano.

      Mais de 80% das vagas anunciadas ontem vão ser atribuídas a universidades situadas fora de Seul, “em conformidade com a vontade do governo” de aumentar o número de médicos nas zonas rurais, declarou o Ministro da Educação Lee Ju-ho em conferência de imprensa.

      As escolas de medicina da cidade de Seul tinham solicitado a criação de 365 novos lugares mas o governo não autorizou novas vagas na capital do país.

      De acordo com os peritos, o principal problema do sistema de saúde da Coreia do Sul reside no facto de existirem demasiados médicos a exercer em Seul e poucos nas zonas rurais.

      O governo considera urgente aumentar o número de médicos num país onde, devido à baixa taxa de natalidade, quase metade da população terá mais de 65 anos em 2070, segundo as estatísticas oficiais.

      Os médicos opõem-se a este projeto, pois consideram que a admissão de mais estudantes nas escolas de medicina vai provocar diminuição do nível dos futuros médicos e que, consequentemente, a qualidade dos cuidados de saúde vai ser afectada.

      Em protesto, milhares de médicos que trabalham nos hospitais demitiram-se e abandonaram os postos de trabalho desde 20 de fevereiro, expondo-se a sanções, uma vez que as profissões essenciais não têm direito à greve.

      Os defensores da reforma, por outro lado, acusam sobretudo os médicos de estarem preocupados com a diminuição dos rendimentos próprios e com a deterioração do estatuto social, caso a concorrência aumente.

      Segundo uma sondagem recente, 75% dos sul-coreanos apoiam o projecto de aumento do número de vagas nas escolas de medicina. Por outro lado, o anúncio do governo vai “queimar a última ponte para um compromisso” e terá “consequências catastróficas”, disse a Associação Médica Coreana após a apresentação do novo plano governamental. Lusa

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau