Edição do dia

Domingo, 3 de Março, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
14.9 ° C
18.9 °
14.9 °
88 %
1.5kmh
40 %
Dom
20 °
Seg
22 °
Ter
23 °
Qua
24 °
Qui
19 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Ásia Pyongyang privilegia diplomatas com "postura antiamericana", diz Seul

      Pyongyang privilegia diplomatas com “postura antiamericana”, diz Seul

      O ministério sul-coreano da Unificação afirmou que o seu vizinho do Norte está a permitir a entrada de representantes diplomáticos de países com “tradição histórica de amizade socialista” e com uma “postura antiamericana”. Citado pelo site especializado NK News, fonte do ministério justificava, assim, as recentes chegadas à Coreia do Norte de diplomatas da China, Mongólia e Cuba.

      Segundo os meios de comunicação estatais da Coreia do Norte, o último diplomata estrangeiro a assumir a sua posição em Pyongyang, foi o cubano Eduardo Luis Correa Garcia, que apresentou quarta-feira a carta de credenciais ao líder do país, Kim Jong Un, e a Choe Ryong Hae, presidente do Comité Permanente da Assembleia Popular Suprema.

      Esta chegada acontece menos de um ano depois da agência noticiosa Korean Central (KCNA) ter divulgado a saída do predecessor no cargo, Jesus Aise, após ocupar a posição durante mais de sete anos.

      Em 2018, decorreu a primeira visita de Estado de um líder cubano, em mais de 30 anos, à Coreia do Norte, através do presidente Miguel Díaz-Canel e com Kim Jong Un a condenar a “política de agressão dos imperialistas” segundo os meios estatais. Mais recentemente, a KCNA noticiou um encontro entre governantes dos dois países durante a 19.ª cimeira do Movimento dos Não Alinhados e a terceira cimeira do Sul, no Uganda.

      Em Abril de 2023, o recentemente nomeado embaixador da China, Wang Yajun, iniciava as suas responsabilidades oficiais, um ano depois do previsto devido às restrições impostas pela pandemia covid-19. Na semana passada, a embaixada chinesa em Pyongyang confirmou a chegada do novo embaixador da Mongólia Luvsantseren Erdeneddavaa, ao divulgar um encontro entre diplomatas.

      No início deste ano, nove países tinham embaixadas a funcionar em Pyongyang, uma vez que muitos elementos saíram da Coreia do Norte devido às rigorosas restrições impostas a partir de janeiro de 2020.

      A Península da Coreia, no nordeste da Ásia, está dividida entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul, que travaram uma guerra entre 1950 e 1953. Pyongyang e Seul continuam tecnicamente em guerra, dado que nunca assinaram um acordo de paz, embora um armistício tenha permitido cessar os combates.