Edição do dia

Domingo, 19 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
25.9 ° C
26 °
25.9 °
73 %
5.7kmh
20 %
Sáb
25 °
Dom
25 °
Seg
25 °
Ter
27 °
Qua
25 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaKim Jong-un repreende PM por cheias para tentar culpá-lo de crise económica

      Kim Jong-un repreende PM por cheias para tentar culpá-lo de crise económica

      O líder norte-coreano, Kim Jong-un, repreendeu severamente o seu primeiro-ministro e outros altos responsáveis pela sua “resposta irresponsável” às recentes inundações de terrenos agrícolas ao longo da costa ocidental da Coreia do Norte, noticiou ontem a imprensa estatal.

       

      As inundações de Verão na Coreia do Norte causam muitas vezes graves danos nos terrenos de cultivo devido a má drenagem da água e à desflorestação. Observadores afirmaram que as críticas de Kim aos altos responsáveis provavelmente tiveram como objectivo tentar desviar para eles a culpa pelas dificuldades económicas e insegurança alimentar do país, ou preparar o terreno para uma remodelação no Governo.

      Na segunda-feira, Kim visitou uma região costeira ocidental onde a água do mar recentemente destruiu o molhe, inundando mais de 270 hectares de arrozais.

      Depois de vistoriar a situação, Kim acusou os dirigentes de “negligência muito irresponsável das suas obrigações”, segundo a Agência Central de Notícias Coreana (KCNA, na sigla em inglês).

      O chefe de Estado criticou o seu primeiro-ministro, Kim Tok Hun, por exibir “a atitude de um espetador”, escreveu a KCNA; repreendeu o vice-primeiro-ministro por não cumprir os seus deveres lealmente; e acusou o diretor do departamento de reabilitação da área costeira de ocultar combustível que se destinava a ser usado em projetos de construção civil.

      “Nos últimos anos, a disciplina administrativa e económica do executivo de Kim Tok Hun tornou-se gravemente deficiente e, consequentemente, os ociosos estão a dar cabo de todo o trabalho económico do Estado com uma forma de trabalhar irresponsável”, declarou Kim Jong-un, citado pela KCNA.

      Kim classificou as recentes inundações como um desastre causado pelo homem, referindo-se a um projeto de obras fracassado que se destinava a melhorar a drenagem das águas pluviais na zona. Segundo indicou, o projeto avançou apesar de ter sido identificada uma fuga substancial, e ele ordenou medidas disciplinares severas para os responsáveis pelos danos causados pelas cheias.

      Alguns especialistas que acompanham a Coreia do Norte consideraram as ações de Kim Jong-un invulgarmente fortes, tendo em conta que não houve relatos de vítimas humanas.

      Na sua opinião, Kim poderá estar a usar as inundações como uma oportunidade para substituir as cúpulas do poder de Pyongyang, numa tentativa para reforçar a confiança da população na sua governação, enquanto luta para reanimar uma economia afetada pela pandemia de covid-19.

      “Kim Jong-un parece estar à procura de medidas extremas para afastar as queixas públicas, que têm aumentado devido à degradação dos meios de subsistência e à situação económica da população”, sustentou Tae Yongho, um deputado sul-coreano que trabalhou como secretário na embaixada da Coreia do Norte em Londres antes de desertar, em 2016.

      Especialistas estrangeiros creem que a atual escassez alimentar e os problemas económicos do país se aprofundaram devido às medidas de contenção da pandemia, a sanções da ONU e à má gestão da própria Coreia do Norte. Mas não há indícios de uma fome iminente ou de grande agitação pública que possa ameaçar o controlo de Kim sobre os seus 26 milhões de habitantes. Lusa

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau