Edição do dia

Quinta-feira, 29 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
14.9 ° C
14.9 °
14.9 °
77 %
8.8kmh
40 %
Qui
15 °
Sex
16 °
Sáb
14 °
Dom
20 °
Seg
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Ásia Singapura executa terceiro condenado por tráfico de droga em duas semanas

      Singapura executa terceiro condenado por tráfico de droga em duas semanas

      Um homem condenado por tráfico de heroína foi ontem enforcado em Singapura, tornando-se o terceiro prisioneiro a ser executado na cidade-estado por crimes relacionados com drogas em duas semanas. Shalleh foi condenado à morte por traficar 54 gramas de heroína.

       

      Um homem de 39 anos condenado por tráfico de heroína foi ontem enforcado em Singapura. Foi o terceiro prisioneiro a ser executado na cidade-estado por crimes relacionados com drogas em duas semanas.

      O Departamento Central de Narcóticos (CNB, na sigla em inglês) de Singapura disse que Mohamed Abdul Latiff, um cidadão local, foi executado na prisão de Changi.

      Shalleh foi condenado à morte por traficar 54 gramas de heroína, uma quantidade “suficiente para alimentar o vício de cerca de 640 toxicodependentes durante uma semana”, disse o CNB, num comunicado.

      De acordo com o grupo local de defesa dos direitos humanos Transformative Justice Collective (TJC), Shalleh, de etnia malaia, trabalhou como motorista de entregas antes de ser detido em 2016.

      O homem disse em tribunal que acreditava estar a entregar cigarros contrabandeados para um amigo a quem devia dinheiro, e garantiu que não verificou o conteúdo do pacote porque confiava no amigo.

      O juiz da Suprema Tribunal de Singapura determinou que os laços de amizade não eram suficientemente fortes para justificar o tipo de confiança que Shalleh afirmava ter no amigo e considerou-o culpado em 2019.

      Embora o tribunal tenha considerado que Shalleh era apenas um mensageiro, o homem recebeu a pena de morte obrigatória porque os procuradores decidiram que não tinha cooperado com a acusação.

      Singapura tem uma das leis mais duras do mundo em matéria de droga, que determinam a pena de morte obrigatória para qualquer pessoa condenada por traficar mais de 500 gramas de cannabis ou 15 gramas de heroína. A Justiça rejeitou no ano passado o último recurso apresentado pela defesa de Shalleh.

      Singapura já executou cinco pessoas devido a tráfico de droga este ano e 16 desde que a cidade-estado retomou os enforcamentos em março de 2022, após um hiato de dois anos devido à pandemia de covid-19.

      Na sexta-feira, Singapura enforcou uma mulher, de 45 anos, por tráfico de droga. Foi a primeira mulher em quase 20 anos a ser executada pela autoridades da cidade-estado.

      Em resposta, várias organizações não-governamentais de defesa dos direitos humanos, entre os quais a Amnistia Internacional, instaram o Governo a pôr termo às execuções, salientando que o efeito dissuasor da pena capital sobre a criminalidade não foi provado.

      De acordo com a AI, Singapura é um dos quatro países – juntamente com China, Irão e Arábia Saudita – que confirmaram ter executado reclusos por crimes relacionados com a droga no ano passado.

      Também Seif Magango, o porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, condenou recentes execuções em Singapura e no Kuwait e instou as respetivas autoridades a impor uma moratória à pena de morte. Singapura insiste que a pena capital contribuiu para tornar o país num dos mais seguros da Ásia. Lusa

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau