Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
28.1 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaTailandeses protestam nas ruas e na Internet contra Senado não eleito

      Tailandeses protestam nas ruas e na Internet contra Senado não eleito

       

      Manifestantes e activistas na Tailândia protestaram ontem nas ruas e na Internet contra os senadores escolhidos a dedo pela antiga junta militar por bloquearem a nomeação do vencedor das eleições como primeiro-ministro.

       

      Em Banguecoque, centenas de pessoas desfilaram em carros para manifestar a rejeição do bloqueio dos senadores, enquanto outras expressaram o descontentamento nas redes sociais, relata o jornal Bangkok Post.

      Alguns senadores acusaram os apoiantes do partido Move Forward (Avançar) de lançarem uma “caça às bruxas”, depois de o líder do partido, Pita Limjaroenrat, não ter conseguido chegar à chefia do Governo na passada quinta-feira devido à rejeição imposta pela maioria dos membros do Senado e Parlamento

      A coligação liderada por Limjaroenrat, que inclui também o Pheu Thai, tem uma ampla maioria de 312 dos 500 deputados da Câmara dos Representantes, mas a eleição do primeiro-ministro envolve também 249 senadores (um demitiu-se na quarta-feira) nomeados pela antiga junta militar (2014-2019).

      O candidato tem de obter uma maioria absoluta entre a soma das duas câmaras, mas Limjaroenrat só conseguiu obter 324 votos, menos 51 do que o número necessário para ser nomeado primeiro-ministro. Limjaroenrat foi apoiado por apenas 13 senadores, enquanto 34 se abstiveram, 159 votaram contra e 43 estiveram ausentes.

      O maior obstáculo é a promessa eleitoral do Avançar em alterar a lei de lesa-majestade, que prevê penas de prisão até 15 anos para quem criticar a família real. Mais de metade dos senadores, na sua maioria militares e políticos de tendência conservadora, opõe-se veementemente à alteração.

      O Senado da Tailândia foi criado e eleito inteiramente pela junta militar, que tomou o poder num golpe de Estado em 2014 e foi dissolvido após as eleições de 2019.

      A actual Constituição, redigida pelos militares durante o regime ditatorial, estipula um mandato de cinco anos para os senadores, que terminam a legislatura em 2024.

      Limjaroenrat indicou que vai voltar a apresentar a sua candidatura a 19 deste mês e que o seu partido vai também tentar abolir o artigo que dá aos senadores o poder de participar na eleição do primeiro-ministro.

      No entanto, o candidato progressista deu a entender que passará o testemunho a outro dirigente da coligação se não conseguir ser eleito primeiro-ministro na votação da próxima quarta-feira no Parlamento.

      O partido Avançar, com uma agenda reformista de longo prazo, tem um forte apoio entre os jovens eleitores e os manifestantes que saíram à rua em 2020 e 2021 para exigir mudanças radicais no país, incluindo a reforma da lei de lesa-majestade.

      A segunda maior economia do Sudeste Asiático, mergulhada num ciclo de violência política há mais de 20 anos, está a viver uma nova onda de tensão entre as elites militares conservadoras no poder e as gerações mais jovens, desejosas de mudança.

      Os eleitores tailandeses votaram a favor do programa do movimento progressista para virar a página de quase uma década de regime militar, em que as liberdades fundamentais foram reduzidas. Mas o sistema fechado dos militares tende a diluir o âmbito da mudança prevista e mesmo a excluir do próximo governo o partido vencedor, considerado demasiado radical em questões ligadas à monarquia.

      O projecto emblemático do Avançar para reformar a lei de lesa-majestade, uma das mais rigorosas do mundo, foi alvo de críticas por parte dos senadores, que também apontam o dedo aos problemas legais do deputado.

      Limjaorenrat está a ser julgado em dois casos distintos, que ameaçam desqualificá-lo e, quarta-feira, o presidente da comissão eleitoral recomendou a suspensão das suas funções parlamentares devido às ações que detinha num canal de televisão na altura da campanha, em violação da lei, algo que o candidato rejeita.

      Num outro caso, o Tribunal Constitucional declarou admissível a queixa de um advogado que acusava Limjaorenrat e o Avançar de pretenderem “derrubar” a monarquia.

       

       

       

       

      Pita Limjaroenrat retira candidatura a PM se perder no parlamento

       

      O candidato progressista Pita Limjaroenrat, vencedor das legislativas de 14 de maio na Tailândia, anunciou que retirará a candidatura a primeiro-ministro se perder a votação prevista para quarta-feira no Parlamento, após um primeiro revés na quinta-feira passada. “Estou disposto a dar uma oportunidade à Tailândia, deixando que seja o partido que ficou em segundo lugar em termos de votos […] a formar a coligação”, disse o líder do movimento Move Forward (Avançar), de 42 anos.

      O deputado precisa do apoio de cerca de 50 senadores (de um total de 250) nomeados pelo exército para conseguir a maioria necessária, um cenário considerado improvável pelos especialistas, para quem “é evidente” que Limjaroenrat “não tem qualquer hipótese real de formar governo”. “Mas não vamos desistir. E peço a todos que lutem até ao fim”, insistiu o candidato do Avançar, partido apoiado maioritariamente pela geração tailandesa mais jovem e que derrotou nas urnas os dirigentes apoiados pelo exército, no poder desde o golpe de Estado de 2014.

      Para tal, o partido Avançar teve na base um programa que se apoiou nas manifestações pró-democracia de 2020. Segundo os analistas, uma nova derrota poderá desencadear manifestações em grande escala, que são uma ocorrência regular no reino. Lusa

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau