Edição do dia

Sexta-feira, 19 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.8 ° C
27.9 °
26.5 °
89 %
8.8kmh
40 %
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
26 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaJapão reabre ao turismo internacional com fim da quota de entradas

      Japão reabre ao turismo internacional com fim da quota de entradas

      O Japão reabriu ontem ao turismo internacional, com a eliminação da quota de entrada diária de turistas no país, depois de quase três anos de restrições, na esperança de revitalizar a economia japonesa.

       

      O Japão retomou ainda os acordos bilaterais de isenção de visto de curta duração (até três meses) com 68 países e territórios, uma lista que inclui Portugal e a região administrativa especial chinesa de Macau. Os acordos tinham sido suspensos no início da pandemia de covid-19, obrigando todo e qualquer cidadão estrangeiro a obter um visto para entrar no Japão.

      As medidas eliminam a quota de entrada, fixada em 50 mil turistas por dia desde 7 de Setembro, e a obrigatoriedade de utilizar uma agência de viagens como mediadora para organizar a visita.

      As pessoas com pelo menos três doses de uma vacina contra a covid-19, aprovada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), não terão de apresentar um certificado de teste negativo nas 72 horas anteriores ao embarque para o Japão.

      Os passageiros com a vacinação completa ou com um resultado negativo não terão que fazer teste à chegada ou submeter-se quarentena, medidas que serão aplicadas em casos específicos. A exigência da vacinação ou de um teste negativo “é algo que temos de considerar para encontrar um bom equilíbrio entre a prevenção de infeções e a necessidade de revitalizar a economia”, disse ontem o ministro dos Negócios Estrangeiros nipónico, Yoshimasa Hayashi, numa conferência de imprensa.

      No início de Setembro, o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, tinha anunciado uma redução do período de isolamento, de dez para sete dias, a partir do momento em que a pessoa começa a ter sintomas, a fim de permitir que os trabalhadores regressem aos empregos mais rapidamente.

      O Japão impôs das medidas fronteiriças mais rigorosas entre as potências mundiais, algo que, segundo analistas, desencorajava os turistas de viajar para o arquipélago, limitando a recuperação do turismo e da economia do país. Em 2019, antes do surto pandémico, o Japão recebeu 31,9 milhões de turistas. Em 2021, o número foi de 246 mil, de acordo com dados do Gabinete de Turismo japonês.

       

      BALANÇA DE PAGAMENTOS DO JAPÃO REGISTA EXCEDENTE PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO

       

      A balança de pagamentos do Japão registou um excedente pelo segundo mês consecutivo, com um saldo positivo de 58,9 mil milhões de ienes (417 milhões de euros) em Agosto, avançou ontem o Governo. Ainda assim, o valor representa uma queda de 96,1% em relação ao mesmo mês de 2021 e uma descida de 74,3% face ao saldo positivo de julho, de acordo com os dados divulgados pelo Ministério das Finanças japonês.

      Os excedentes de Agosto e Julho contrastam com o défice que a terceira maior economia do mundo registou em Junho, mês em que a balança de pagamentos caiu no vermelho, depois de cinco meses positivos.

      A balança de pagamentos do Japão permaneceu no positivo em Agosto devido à balança de rendimentos, referente aos investimentos no estrangeiro, que registou um excedente de 3,3 biliões de ienes (23,4 mil milhões de euros), mais 46,8% do que em igual mês de 2021. Pelo contrário, a balança comercial japonesa teve um défice de 2,4 biliões de ienes (17,5 mil milhões de euros), devido à subida das importações, que cresceram 52,9%, para 10,55 biliões de ienes (74,5 mil milhões de euros). Já as exportações japonesas aumentaram 23,7% em comparação com igual período do ano passado, atingindo oito biliões de ienes (56,9 mil milhões de euros).

      Também a balança de transferências teve um saldo negativo de 161,7 mil milhões de ienes (1,14 mil milhões de euros), ainda assim uma redução de 15,9% em comparação com o mês homólogo. A balança de serviços registou um défice de 615,9 mil milhões de ienes (4,3 milhões de euros) em agosto, três vezes mais do que em igual período de 2021.

      No ano fiscal de 2021, que se refere ao período entre 1 de Abril de 2021 e 31 de Março de 2022, o Japão teve um excedente de 12,6 biliões de ienes (92,8 mil milhões de euros), uma descida de 22,3%. A balança de pagamentos reflete os pagamentos e receitas do comércio exterior de bens, serviços, rendimentos e transferências, sendo considerado um dos mais amplos indicadores comerciais de um país.

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau