Edição do dia

Domingo, 19 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva moderada
25.9 ° C
26.9 °
25.9 °
83 %
6.7kmh
40 %
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
25 °
Qua
25 °
Qui
25 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaIndonésia confirma morte de três crianças por hepatite aguda de origem desconhecida

      Indonésia confirma morte de três crianças por hepatite aguda de origem desconhecida

      Pelo menos três crianças morreram na Indonésia devido a uma hepatite aguda de origem desconhecida, uma doença que já foi confirmada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em cerca de vinte países, confirmaram ontem as autoridades locais. “O público deve estar em alerta após a morte de três pacientes infantis com hepatite aguda”, afirmou o Ministério da Saúde da Indonésia na rede social Twitter, citado pelas agências internacionais. As vítimas morreram nas últimas duas semanas em Jacarta, com sintomas como náuseas, vómitos, diarreia, icterícia, febre e convulsões, segundo as autoridades, que confirmaram a causa da morte no domingo. No sábado, as autoridades de Singapura comunicaram a hospitalização de uma criança com hepatite aguda de origem desconhecida. Os primeiros dez casos desta hepatite aguda infantil foram notificados pelo Reino Unido à OMS em 5 de Abril, em crianças com menos de 10 anos sem doenças anteriores, e desde então, as infecções também foram registadas em Espanha, Israel, Dinamarca, Itália, Estados Unidos e Bélgica, entre outros países. A idade dos doentes varia entre um mês e os 16 anos, sendo que a maioria dos casos não apresenta febre e nem vestígios dos vírus normalmente associados a estas doenças (hepatite A, B, C, D e E), de acordo com a OMS. Os especialistas acreditam que o agente causador da doença pode ser um adenovírus que é transmitido por contacto ou pelo ar, em particular o F41, ou uma variante mais agressiva. Entretanto, os especialistas não descartam que possa ser um vírus ainda não identificado. O surto de hepatite aguda infantil verificado em vários países europeus é uma situação “muito urgente” a que a OMS está a dar prioridade, afirmou ontem o director regional para emergências daquela agência do sistema da ONU. “É muito urgente. Estamos a dar prioridade absoluta a isto e a trabalhar de muito perto com o Centro Europeu de Controlo de Doenças e com o Reino Unido, onde está a grande maioria dos casos”, disse ontem aos jornalistas Gerald Rockenschaub à margem de um encontro com as autoridades de saúde portuguesas no Infarmed, em Lisboa.

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau