Edição do dia

Quarta-feira, 28 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
15.9 ° C
18.9 °
15.9 °
77 %
2.1kmh
40 %
Qua
20 °
Qui
21 °
Sex
17 °
Sáb
15 °
Dom
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Ásia Partido de Duterte apoia filho de ex-ditador Marcos nas presidenciais filipinas

      Partido de Duterte apoia filho de ex-ditador Marcos nas presidenciais filipinas

      O partido do Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, demonstrou ontemapoio ao candidato Ferdinand Marcos Jr., numa altura em que a principal adversária, Leni Robredo, está em segundo lugar nas sondagens. “Apoiamos a candidatura de ‘Bongbong’ Marcos Jr., é uma decisão do partido”, disse presidente do PDP-Laban e líder da facção do partido pró-Duterte, Alfonso Cusi. Cusi não quis adiantar se esta decisão significa que Rodrigo Duterte também apoia Marcos Jr, candidato descrito pelo chefe de Estado das Filipinas como “fraco”. O porta-voz da presidência, Martin Andanar, disse que, neste momento, a posição de Duterte “não é clara”. Nas Filipinas, os Presidentes cessantes costumam nomear o candidato que apoiam e, como contrapartida, esperam receber proteção contra possíveis acções penais, mantendo igualmente privilégios. O porta-voz do candidato Marcos Jr. congratulou-se com o apoio, mas alertou contra “rumores de possíveis fraudes (…) nas próximas eleições”. O apoio demonstrado ao filho e homónimo do antigo ditador do país surgiu numa altura em que a adversária Leni Robredo, com uma campanha gerida por voluntários, está a ganhar terreno, de acordo com a agência de notícias France-Presse. Antiga advogada dos mais desfavorecidos e inimiga declarada de Marcos Jr. e de Rodrigo Duterte, a atual vice-Presidente filipina encontra-se em segundo lugar nas sondagens. Marcos Jr. tem procurado desviar o debate público dos abusos cometidos durante as duas décadas da ditadura do pai, nomeadamente atos de tortura, violação, execuções e desvio de fundos. Em 2013, o Governo filipino reconheceu os abusos cometidos ao abrigo da lei marcial, concedendo 190 milhões de dólares em indemnizações a mais de 11 mil vítimas, de um total de 75 mil candidatos. De acordo com a comissão eleitoral, 56% dos eleitores filipinos recenseados nasceram depois da época em que vigorou a lei marcial.

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau