Edição do dia

Sábado, 20 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
27.9 ° C
28.9 °
27.9 °
83 %
4.6kmh
40 %
Sáb
28 °
Dom
27 °
Seg
24 °
Ter
24 °
Qua
25 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeCondições meteorológicas extremas estão a afectar Macau, apontam SMG

      Condições meteorológicas extremas estão a afectar Macau, apontam SMG

      Os Serviços Meteorológicos e Geofísicos advertem que Macau está confrontado pelo aumento da frequência de eventos meteorológicos extremos, tendo registado mais tempo quente, tempestades tropicais e chuva intensa nos últimos anos. Lembram em particular que a temperatura média de Macau do ano passado foi superior aos valores médios climáticos. O organismo citou o recente relatório do Estado do Clima Global, publicado pela Organização Meteorológica Mundial, para apelar para a conservação energética e redução de carbono.

       

      Como consequência do aquecimento global dos últimos anos, o aumento da frequência de eventos meteorológicos extremos tornou-se uma realidade mundial e Macau está igualmente a enfrentar os mesmos desafios. O alerta é lançado pelos Serviços Meteorológicos e Geofísicos (SMG) após a publicação pela Organização Meteorológica Mundial (OMM) do relatório sobre o Estado do Clima Global 2023.

      Assinalando o impacto das condições meteorológicas extremas à região, os SMG destacam que Macau registou em 2023 uma temperatura média anual de 23,4ºC, sendo 0,5 graus Celsius superior aos valores médios climáticos. Já o número de noites quentes foi de 15, sendo 3,5 noites mais comparativamente aos valores médios climáticos, havendo apenas 26 dias frios, 13 a menos em relação aos valores médios climáticos de 39 dias.

      Também no ano passado, o super tufão “Saola” obrigou à emissão do sinal n.º 10 pela quarta vez em sete anos, ou seja, desde 2017. Foi ainda registada a terceira maior precipitação diária de Outubro dos últimos 71 anos, em 9 de Outubro de 2023, tendo a precipitação diária acumulada atingido 231,6 milímetros. “Isso mostra uma tendência de aumento da frequência de ocorrência de eventos meteorológicos extremos nos últimos anos em comparação com o passado”, salientaram os SMG.

      O clima extremo pode ser cada vez mais perceptível no território. Recorde-se que os SMG avisaram que as temperaturas médias e máximas anuais em Macau, em meados do século XXI (2041-2060), devem subir cerca de 1,3°C e 1,6°C, respectivamente, em relação à média de 1995-2014. Na mesma linha, o número de dias muito quentes em meados do século XXI (2041-2060) vai aumentar para 77,7 dias por ano, em comparação com a média de 27,8 dias por ano registada em 1995-2014, e no final do século XXI (2081-2100) dever-se-á ultrapassar os 100 dias por ano, segundo as autoridades locais.

      Entretanto, a OMM publicou na semana passada o Estado do Clima Global 2023, indicando que o ano de 2023 foi o mais quente desde que há registo. De acordo com o relatório citado pelos SMG, a temperatura média global próxima da superfície terrestre em 2023 foi 1,45°C (± 0,12°C) superior à média do período pré-industrial (1850-1900).

      “As concentrações de gases com efeito de estufa, incluindo dióxido de carbono, metano e óxido nitroso, o aquecimento oceânico, a acidificação oceânica, a subida do nível do mar, o manto de gelo nos oceanos antárticos e os icebergues voltaram a bater recordes. Alguns recordes foram significativamente renovados”, sublinhou o estudo. António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, afirmou que este é um “sinal de socorro” do planeta e apelou a todos os países para que adoptem uma forte acção climática contra a velocidade das alterações climáticas.

      Os SMG realçam que a OMM emitiu um alerta vermelho a nível mundial devido à ocorrência frequente de fenómenos meteorológicos extremos. O organismo, nesse sentido, apela a todos os sectores sociais para que “promovam activamente a conservação energética e a redução de carbono, que combatam em conjunto as alterações climáticas cada vez mais severas e se esforcem para reduzir o aquecimento global, em resposta ao apelo da OMM ‘Na Linha da Frente da Acção Climática’”.