Edição do dia

Quinta-feira, 29 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
16.9 ° C
16.9 °
16.9 °
82 %
3.1kmh
40 %
Qua
18 °
Qui
21 °
Sex
17 °
Sáb
16 °
Dom
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Economia Contributo das indústrias culturais para a economia cresceu 7,8%

      Contributo das indústrias culturais para a economia cresceu 7,8%

       

      A Direcção dos Serviços de Estatísticas e Censos (DSEC) divulgou ontem as estatísticas das indústrias culturais no ano passado, revelando que houve um aumento do contributo económico deste sector. Ainda assim, o número de organismos em actividade diminuiu face a 2021.

       

       

      As receitas dos serviços das indústrias culturais cifraram-se, em 2022, em 5,88 mil milhões de patacas, o que reflecte um aumento de 3,2%, em termos anuais. O valor acrescentado bruto do sector, que reflecte o contributo económico destas indústrias, fixou-se em 2,24 mil milhões de patacas, ou seja, mais 7,8%, em termos anuais. Este montante representa 1,1% do valor acrescentado bruto de todos os ramos de actividade económica de Macau em 202, sendo que esta percentagem cresceu 0,3 pontos percentuais em relação à de 2021 (0,8%).

      Os dados foram revelados ontem pela Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC), que indicou ainda que, em 2022, existiam 2.753 organismos, menos 22 face a 2021, em actividade nas indústrias culturais de Macau, abrangendo quatro áreas: “Design criativo”; “Exposições e espectáculos culturais”; “Colecção de obras artísticas” e “Mídia digital”. O pessoal ao serviço era composto por 12.119 pessoas, isto é, mais 0,3%, em termos anuais e as despesas com pessoal alcançaram 1,94 mil milhões de patacas, ou seja, menos 7,9%.

      A DSEC diz ainda que a formação bruta de capital fixo das indústrias culturais atingiu 1,25 mil milhões de patacas, mais 36,8%, “devido principalmente aos organismos de exposições e espectáculos culturais terem construído mais espaços e optimizado as suas instalações e equipamentos”, explica o organismo. De entre as quatro áreas das indústrias culturais, as receitas dos serviços (3,07 mil milhões de patacas) e o valor acrescentado bruto (1,35 mil milhões de patacas) da área “Mídia digital” foram as que tiveram os maiores pesos, representando 52,2% e 60,4% do total das indústrias culturais, respectivamente.

      Na área “Mídia digital” havia 732 organismos em actividade, mais cinco, face a 2021. O pessoal ao serviço era composto por 4.885 pessoas, ou seja, mais 4,3%, em termos anuais, todavia, as despesas com pessoal foram de mil milhões de patacas, isto é menos 11,8%. No ano de referência as receitas dos serviços fixaram-se em 3,07 mil milhões de patacas, mais 10%, em termos anuais e o valor acrescentado bruto situou-se em 1,35 mil milhões de patacas, crescendo 11,4%. Ressalta-se que a informação foi o principal ramo desta área em termos de receitas de serviços, as quais se cifraram em 1,93 mil milhões de patacas (mais 15,4%), seguido pelo ramo da produção de programas de rádio e de televisão que teve 506 milhões de patacas de receitas dos serviços (menos 2,5%).

      Na área “Design criativo” havia 1.415 organismos em actividade, menos 66, em relação a 2021. O pessoal ao serviço era composto por 3.735 pessoas, isto é, -7,3%, em termos anuais e as despesas com pessoal equivaleram a 486 milhões de patacas, ou seja, menos 9,5%. No ano em causa as receitas dos serviços cifraram-se em 2 mil milhões de patacas e o valor acrescentado bruto foi de 603 milhões de patacas, verificando-se decréscimos homólogos de 12,5% e 11,6%, respectivamente. As receitas dos serviços dos ramos do design de arquitectura (645 milhões de patacas) e do design especializado (376 milhões de patacas) diminuíram 22,0% e 15,7%, respectivamente, porém, as do ramo da publicidade (563 milhões de patacas) cresceram 2%.

      Na área “Exposições e espectáculos culturais” existiam 452 organismos em actividade, mais 45, relativamente a 2021. O pessoal ao serviço era composto por 3.063 pessoas, isto é, mais 5,4%, em termos anuais e as despesas com pessoal alcançaram 427 milhões de Patacas, ou seja, mais 5,1%. Durante o ano em análise as receitas dos serviços cifraram-se em 748 milhões de patacas (mais 32,9%, em termos anuais), das quais 19,5% eram receitas dos serviços de criação ou de produção e 4,1% receitas da venda de bilhetes. O valor acrescentado bruto correspondeu a 262 milhões de patacas, mais 53,2%, em termos anuais. Realça-se que as receitas dos serviços pertencentes aos ramos da produção de artes performativas (419 milhões de patacas) e da formação em artes performativas (199 milhões de patacas) aumentaram 44,3% e 16,5%, respectivamente, em termos anuais.

      Na área “Colecção de obras artísticas” existiam 154 organismos em actividade, menos seis, em relação a 2021. O pessoal ao serviço era composto por 436 pessoas (menos 6%, em termos anuais) e as despesas com pessoal corresponderam a 28,22 milhões de patacas (menos 6,7%). No ano de referência as receitas dos serviços foram de 67,98 milhões de patacas e o valor acrescentado bruto equivaleu a 21,99 milhões de patacas, aumentando 7,3% e 122,3%, respectivamente, em termos anuais.