Edição do dia

Quarta-feira, 19 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
29 ° C
29.9 °
28.9 °
94 %
3.6kmh
20 %
Ter
29 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioPolíticaMacau não tem condições para emitir “muitas licenças” da aviação civil, diz...

      Macau não tem condições para emitir “muitas licenças” da aviação civil, diz Raimundo do Rosário  

      A proposta da nova lei da actividade de aviação civil foi aprovada ontem na generalidade pela Assembleia Legislativa. Segundo Raimundo do Rosário, o Governo vai atribuir licenças de actividades, de um prazo de 25 anos, através de concurso público, mas revelou que o número de licenças a atribuir vai ser reduzido, e uma já está reservada para a Air Macau. O secretário para os Transportes e Obras Públicas disse não ter grande urgência em despachar o concurso público, porque o turismo do estrangeiro só recuperou 20%.

       

      O Governo de Macau compromete-se à abertura do mercado da aviação civil local, após a operação exclusiva no território da Air Macau desde 1995, mas o número de licenças de actividade de transporte aéreo comercial de passageiros a atribuir “vai ser muito pequeno”. A afirmação foi dada por Raimundo do Rosário, secretário para os Transportes e Obras Públicas, na sessão plenária da Assembleia Legislativa de ontem, na qual foi aprovada, na generalidade, a proposta da Lei da actividade de aviação civil.

      O debate no seio do Hemiciclo de ontem sobre o diploma focou-se no número de licenças de exploração a emitir a companhias aéreas no futuro, bem como os requisitos para a concorrência ao concurso público e a calendarização da sua realização.

      Confrontado pela insistência dos deputados de saber a quantidade das licenças, Raimundo do Rosário reiterou que o número específico será fixado por despacho do Chefe do Executivo. Entretanto, a julgar pela dimensão do mercado da aviação em Macau, o governante acredita que “não há condições de emitir muitas licenças” devido ao tamanho da cidade e ao volume da população.

      Recorde-se que o actual contrato de concessão para a prestação de serviço de transporte aéreo da Air Macau vai terminar em Novembro deste ano, e o Executivo cumpriu a sua promessa de pôr fim à exclusividade desta transportadora de 28 anos. Assim, será autorizado no futuro o estabelecimento de mais companhias aéreas com sede na RAEM. Raimundo do Rosário admitiu que está garantido que a Air Macau será uma das licenciadas, com isenção de participação no concurso público.

      Na discussão, vários deputados questionaram como a lei pode ajudar a trazer mais turistas do exterior, atraído a operação de mais transportadoras competentes. “O Governo tem a mesma posição com os deputados nesta matéria. Mas a questão é como alcançar este objectivo. Todos querem mais rotas e mais voos. Mas se for uma coisa fácil, já tínhamos feito isso”, disse Raimundo do Rosário. O governante referiu que, excluindo os visitantes do interior da China, o volume de passageiros de transporte aéreo registou uma recuperação, desde o início do ano, apenas 20% do número antes da pandemia e, nesse sentido, a direcção do desenvolvimento do mercado de aviação ainda pode ser discutida, de forma detalhada, na Comissão Permanente mais tarde.

      Segundo o governante, os documentos para o concurso público já estão “mais ou menos” elaborados, mas “não há urgência” para apresentar neste momento, pela morosidade do ritmo da retoma de passageiros internacionais.

      A proposta da lei prevê um prazo de 25 anos para as licenças de exploração, e as entidades candidatas a licença são sujeitas a um processo de verificação da capacidade financeira e técnica.

      Raimundo do Rosário assegurou ainda que faz sempre o seu melhor, mas não é possível “garantir tudo a cem por cento nos trabalhos”, incluindo a prevenção absoluta da eventual crise financeira das companhias aéreas, depois da polémica e falência da antiga Viva Macau.

      Por outro lado, Raimundo do Rosário adiantou na reunião de ontem que o Governo está a realizar os trabalhos preparatórios sobre a expansão do Aeroporto Internacional de Macau, depois de o Governo Central ter dado aprovação ao projecto do Governo de Macau em Outubro do ano passado. O engenheiro disse estar confiante de que as obras da construção de aterros podem ser iniciadas antes de Outubro do próximo ano.