Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
28.1 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioPolíticaElsie Ao Ieong nota crescimento no interesse pela língua portuguesa e anuncia...

      Elsie Ao Ieong nota crescimento no interesse pela língua portuguesa e anuncia novo curso

      Elsie Ao Ieong, secretária para os Assuntos Sociais e Cultura, anunciou ontem que será lançado um novo Curso de Formação de Língua Portuguesa, com uma duração de quatro anos. No hemiciclo, a secretária assinalou um crescimento no interesse pela língua portuguesa e um aumento no número de alunos e docentes.

      “Futuramente, a DSEDJ [Direcção dos Serviços de Educação e Desenvolvimento da Juventude] irá lançar o ‘Curso de Formação de Língua Portuguesa’, com uma duração de quatro anos, de forma a estabelecer, mais cedo, uma boa base para os estudantes que pretendem, no futuro, prosseguir os seus estudos em Portugal”, anunciou ontem, no hemiciclo, Elsie Ao Ieong.

      A secretária para os Assuntos Sociais e Cultura referiu também que o Governo coordenou cinco instituições de ensino superior de Macau que ministram cursos relacionados com a língua portuguesa para constituir uma “Aliança para Formação de Quadros Bilingues Qualificados nas Línguas Chinesa e Portuguesa”, com vista a formar quadros qualificados bilingues em chinês e português, em diferentes áreas profissionais.

      Elsie Ao Ieong respondia a uma interpelação oral do deputado Ngan Iek Hang, sobre a formação de quadros bilingues, e informou que se tem notado um crescimento no interesse pela língua portuguesa. Nas escolas particulares, “os cursos ou actividades extracurriculares, as disciplinas e número de estudantes e professores tem vindo a aumentar”. Segundo a secretária, no ano lectivo de 2021/2022, o número de alunos inscritos em cursos de português totalizou 9.814 e neste ano lectivo o número subiu para 10.214. Quanto ao corpo docente, em 2020, o número de professores de língua portuguesa era de 115 e este ano lectivo há 121.

      Elsie Ao Ieong contou também que, quando os alunos de Macau vão estudar para Portugal, “o seu conhecimento de língua portuguesa é insuficiente e isto constitui pressão para quem vai lá estudar”. “Têm boas notas, mas como não dominam a língua portuguesa é um grande desafio ou mesmo um ataque à confiança dos alunos”, comentou, referindo depois que os alunos devem tentar ultrapassar essa pressão.

      A governante visitou recentemente Portugal e a DSEDJ assinou um protocolo com a Universidade Católica Portuguesa, “com vista a criar melhores condições para a aprendizagem da língua portuguesa, para os alunos que pretendem prosseguir os seus estudos em Portugal”, lembrou Elsie Ao Ieong, acrescentando que foi também assinado um novo protocolo de cooperação com a Universidade do Porto e o Instituto Português no Oriente, no âmbito do qual os finalistas do ensino secundário complementar de Macau serão encaminhados para prosseguirem, directamente, os estudos em cursos de licenciatura e cursos integrados de licenciatura e mestrado da Universidade do Porto, se a sua proficiência em língua portuguesa e nível académico reunirem os requisitos necessários.

      Além disso, a DSEDJ realiza, anualmente, programas de estágio, em Macau e no interior da China, com alguns serviços públicos da RAEM a disponibilizarem lugares de estágio relativos à língua portuguesa, por exemplo, nas áreas de estudo de português, de tradução chinês-português e de auxílio na interpretação.

      “No futuro, a DSEDJ também pretende organizar a participação de estudantes do ensino superior de Macau e de países / regiões de língua portuguesa, que frequentem cursos nas áreas de especialização relativas à língua portuguesa, em actividades realizadas no interior da China”, acrescentou, concluindo que “o Governo irá continuar a aperfeiçoar o sistema de formação de quadros qualificados bilingues em chinês e português, com vista a criar mais oportunidades de desenvolvimento para estes quadros, consolidando e desenvolvendo, ainda mais, a função de Macau como ‘Um Centro, Uma Plataforma, Uma Base'”.