Edição do dia

Terça-feira, 18 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
29 ° C
29.9 °
28.9 °
94 %
4.1kmh
40 %
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeDST e sector do turismo à espera da recuperação dos visitantes com...

      DST e sector do turismo à espera da recuperação dos visitantes com voos internacionais

      Macau está a preparar-se para o regresso de turistas do interior da China e do estrangeiro. A Direcção dos Serviços de Turismo (DST) prevê a retoma gradual de visitantes internacionais com o relaxamento das medidas antiepidémicas após três anos, esperando expandir a fonte de turistas e aumentar as ligações com Hong Kong. Além disso, a Air Macau afirmou que vai retomar vários voos internacionais nos próximos meses, incluindo Osaka, Banguecoque e Seul, prevendo recuperar 90% das rotas internacionais após a primavera.

      Com o alívio muito esperado das entradas em Macau sem a exigência de cumprir isolamento num dos hotéis designados para o efeito, a Direcção dos Serviços de Turismo (DST) e o sector do turismo e hoteleiro estão à espera do regresso dos turistas.

      Além das apostas nos turistas do interior da China, como foi feito nos últimos três anos da pandemia, as autoridades turísticas pretendem agora alargar a fonte de visitantes de rotas internacionais. A DST prevê que o território comece a acolher gradualmente mais visitantes do estrangeiro com a retoma das ligações aéreas com o mercado internacional, nomeadamente através da Air Macau.

      “A DST espera que os operadores turísticos, de acordo com as novas medidas, e com base nas rotas internacionais existentes, iniciem os trabalhos de preparação para desenvolver as fontes de visitantes do mercado do exterior. Em simultâneo, a DST irá reforçar a promoção em todos os aspectos, continuando a utilizar os meios online para reforçar a divulgação nos mercados internacionais”, afirmou o organismo, após uma reunião com três associações da indústria turística de Macau na passada sexta-feira, no intuito de discutir medidas actualizadas sobre a entrada de visitantes, serviços complementares de transporte, bem como ideias para divulgação e promoção.

      Apesar de o número de visitantes recebido em Macau ter mantido uma média diária de 18 mil turistas nos últimos dias, semelhante ao número registado antes da uma série de ajustamentos das medidas antiepidémicas no território, Helena de Senna Fernandes, directora da DST, mostrou-se optismista quanto à retoma gradual, quer a nível doméstico quer internacional.

      “Os residentes do interior do país estão a habituar-se às novas regras antiepidémicas e nós também. Depois de estarem habituados, acredito que vamos receber cada vez mais turistas a curto prazo. Para já, para entrar em Macau através de Zhuhai ainda é obrigatório ter o resultado de testes de ácido nucleico, por isso, as medidas ainda não foram aliviadas em grande escala”, disse a responsável, citada pela Rádio Macau em língua chinesa.

      Helena de Senna Fernandes, no entanto, admitiu que o Governo vai levantar mais medidas passo a passo. “É importante também a retoma de voos entre Macau e outras cidades”, referiu.

      Além disso, as autoridades salientaram que vão aumentar a frequência dos transportes marítimos e terrestres entre Hong Kong e Macau, reiterando que, actualmente, não é necessário reservar hotel de observação médica e exibir os bilhetes dos “autocarros dourados” para entrar em Macau através de Hong Kong, mas ainda é exigida a apresentação de resultado negativo de testes de ácido nucleico de 48 horas.

       

      RECUPERAÇÃO ATÉ 90% DOS VOOS INTERNACIONAIS

      Já a Air Macau, através do seu director-geral revelou que a companhia aérea tinha elaborado um plano de revitalização para o próximo ano, prevendo preliminarmente um aumento de investimento nas rotas na China Continental no próximo ano e aberturas graduais dos voos no Sudeste Asiático.

      Chan Hong, citado pelo jornal Ou Mun, defendeu que as ligações com o interior da China deverão recuperar, até ao final do ano, para 50% do total de 2019, ou seja, antes do surgimento da pandemia, enquanto as rotas internacionais vão ser retomadas progressivamente, esperando recuperar, após a primavera do próximo ano, para 90% do total de 2019.

      “Em Outubro, foram retomados os voos entre Macau e Tóquio, Hanói e Taipei. Estamos a preparar para a retoma de voos para Osaka e Banguecoque até final do mês, antes do Natal. No primeiro mês do próximo ano, vamos abrir novos voos para Kaohsiung, em Taiwan, e Seul. Em Fevereiro, novos voos para Da Nang do Vietname, Singapura e Manila”, adiantou.

      O responsável espera que seja aumentada também a frequência dos voos para responder à necessidade do mercado, ajudando simultaneamente Macau a desenvolver o mercado turístico internacional e oferecendo mais opções para os residentes viajarem para o exterior. Chan Hong frisou ainda que com a retoma de emissão de vistos electrónicos no interior da China, fez com que se registassem, no início de Novembro, sete mil novas reservas de bilhetes de avião por semana, sendo que o número subiu para 20 mil nesta semana. “Verifica-se uma grande vontade de viajar após o alívio das restrições”, disse.

      Por sua vez, Lou Chi Leong, presidente da direcção da Associação dos Hoteleiros de Macau, destacou a elevada taxa de ocupação em alguns hotéis com a aproximação do Natal e do Ano Novo, o que é “um bom sinal de recuperação” e “melhora a confiança da indústria”.