Edição do dia

Quarta-feira, 7 de Dezembro, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu limpo
17.9 ° C
21.6 °
17.9 °
72 %
7.2kmh
0 %
Qua
19 °
Qui
22 °
Sex
22 °
Sáb
22 °
Dom
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Economia Chega ao fim mais um Grande Prémio de Macau com portugueses em...

      Chega ao fim mais um Grande Prémio de Macau com portugueses em destaque

      Depois de avanços e recuos na prova de motos, e apenas uma corrida, Sheridan Morais e André Pires competiram, finalmente, a doer na manhã de ontem. Se o primeiro conseguiu um honroso terceiro lugar no pódio, o segundo bateu a sua melhor marca de sempre no Circuito da Guia ficando em sétimo lugar.

      O piloto Sheridan Morais foi o primeiro português a chegar ao pódio do Grande Prémio de Motos, mas, em declarações aos jornalistas, lamentou não ter podido lutar até ao fim pelo primeiro lugar devido a um problema de transmissão na mota.

      O piloto estreante, nascido na África do Sul e que vive no Algarve desde 2012, partiu do terceiro lugar da grelha, mas um excelente arranque colocou-o no primeiro lugar por algumas voltas. “Tive um bom arranque e estava a sentir-me bem. Sabia que estava muito forte no primeiro e no último sector, que são os pontos para ultrapassar”, afirmou Sheridan Morais.

      No entanto, o português de 37 anos ficou para trás após um susto na terceira volta. “A transmissão caiu para neutro na primeira curva, que é uma curva mesmo muito rápida e eu achei que ia bater na parede”, revelou, acrescentando que queria muito ter vencido para dedicar a vitória à filha que fez cinco anos ontem.

      Sheridan Morais referiu querer voltar a Macau, tendo elogiado “a atmosfera, as pessoas”, e admitido que “não estava à espera da presença portuguesa, que é enorme”.

      André Pires, de 33 anos, na oitava participação no Grande Prémio de Macau, garantiu a melhor classificação de sempre, um sétimo lugar, no final das oito voltas ao Circuito da Guia.

      O piloto transmontano, no entanto, admitiu estar “um bocado desanimado” com o resultado. “Andei bastante rápido durante todos os treinos e senti que podia andar com o grupo da frente. Mas houve qualquer coisa com a escolha de pneus e a mota à terceira ou quarta volta começou-me a falhar”, constatou.

      Os pilotos tiveram diversos percalços até poderem competir na manhã de ontem, bem cedo. A primeira corrida, marcada para sábado, foi cancelada a pedido dos pilotos, que consideraram a pista perigosa devido a excesso de óleo e pó de tijolo. “Hoje a pista estava bastante melhor, estava com boas condições, não havia óleo, estava limpinha”, confirmou André Pires, que prometeu voltar para o ano, se possível, sem quarentena, “para as coisas serem mais fáceis”.“O Grande Prémio de Macau é uma festa, é uma prova fora do comum e é muita adrenalina junta”, sublinhou o português.

      A vitória em motos sorriu ao finlandês Erno Kostamo com uma vantagem de 8,2 segundos para o alemão David Datzer que, por sua vez, tinha o português Morais a 2,6 segundos. “O fim-de-semana correu como planeado”, afirmou Kostamo. “Senti-me confortável desde que entrámos em pista, focando-me apenas no que estava a fazer. Trabalhei arduamente na travagem e isso deu os seus frutos. É uma sensação fantástica vencer em Macau”.

      O suíço Lukas Maurer foi o quarto classificado à frente do britânico Rob Hodson, com o austríaco Julian Trummer em sexto, antes de André Pires.

      Recorde-se que o último português a vencer uma das principais provas do certame foi António Félix da Costa, que conquistou o Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 em 2016.

      ENGEL EM DOSE DUPLA

      O piloto Maro Engel venceu a segunda corrida da Taça GT Macau do 69.º Grande Prémio de Macau, repetindo o triunfo de sábado, não dando qualquer hipótese à concorrência. O alemão, que já tinha vencido a prova em 2014, bateu por menos de 0,8 segundos o suíçoEdoardo Mortara, sete vezes vencedor no Circuito da Guia, com Alexandre Imperatori, um piloto suíço radicado em Hong Kong, mas que vive em Xangai, no terceiro lugar.

      A partida foi dominada pelo também suíço Raffaele Marciello, que saltou da segunda posição da grelha de partida para a liderança, mas falhou uma curva na segunda volta, acabando por desistir.

      A organização encurtou a corrida de 12 para oito voltas, devido a um aparatoso acidente na prova anterior, a Corrida da Guia Macau, que destruiu o automóvel do piloto de Hong Kong Lo Sze Ho, tendo inclusive o motor do bólide saltado para bem longe do veículo.

      Apesar do aparatoso acidente e dos três pilotos envolvidos terem sido levados para o hospital, nenhum apresentou ferimentos graves e sempre estiveram conscientes, revelou a organizaçãoem comunicado. O piloto macaense, Filipe Souza, acabou por vencer a Corrida da Guia Macau – TCR Asia Challenge, tal como o tinha feito ontem na qualificativa. Apesar do acidente, Lo Sze Ho ficou classificado na segunda posição e Yan Cheuk Wai em terceiro, uma vez que o resultado final é determinado pela última volta completa. A classificação final ainda está sujeita a homologação.

      No dia anterior, Engel bateu por pouco mais de 0,6 segundos Raffaele Marciello, com o chinês Ling Kang em terceiro. Maro Engel é agora um vencedor de três edições da Taça GT Macau, juntando este triunfo aos de 2014 e 2015. “É fantástico conquistar outra vitória na corrida principal”, disse, acrescentando que esteve “perto em muitas ocasiões ao longo dos anos, mas nunca o conseguiu fazer. Fazê-lo com a Craft-Bamboo Racing, que é uma equipa sediada em Hong Kong, é fantástico”.

      “São ainda tempos difíceis de momento, portanto, quero agradecer a todos os que não estão cá e que nos estavam a ajudar remotamente. Tanto à Craft-Bamboo como à Mercedes AMG, em Affalterbach. Muito obrigado a todos. Acordaram a horas loucas para se juntarem a nós nas reuniões de equipa e ajudarem-nos neste fim-de-semana”, referiu o alemão, dizendo ainda que “foi, decididamente, mais duro que o esperado com o Raffaele. Ele fez um grande arranque e estávamos lado a lado ao longo da pista. Sabia que tinha de dar o máximo que podia para me manter próximo e colocar pressão nele. Não tenho a certeza do que lhe aconteceu, mas é evidente que estamos muito satisfeitos com esta vitória”.

      Antes, na Taça de Carros de Turismo de Macau, o piloto chinês Zhang Zhi Qiang foi o mais rápido, apenas 0,3 segundos à frente do britânico Robert Huff, diversas vezes campeão no traçado citadino de Macau, com outro chinês, Gao Hua Yang, a quedar-se na terceira posição.

      Apesar de ter partido do décimo lugar da grelha de partida, após ter vencido a primeira corrida, Huff – o único estrangeiro a participar na edição de 2020 – terminou a lutar pela vitória, que seria a 13.ª no circuito da Guia, numa prova em que era o único estrangeiro. No entanto, um problema de ordem mecânica deixou o piloto estrangeiro fora da luta nos últimos instantes.

      ANDY CHANG VENCE EM FÓRMULA 4

      Depois de ter estado na luta pelo primeiro lugar nos últimos anos e não ter conseguido conquistá-lo, o piloto de Macau Andy Chang venceu o Grande Prémio de Fórmula 4, não dando qualquer hipótese ao anterior vencedor Charles Leong.

      O jovem piloto Gerrard Xie, natural de Hong Kong e com apenas 16 anos, saiu na frente da corrida. Andy Chang partiu mal e perdeu a terceira posição na largada, tendo recuperado a posição antes da curva do Hotel Lisboa.

      O piloto local ultrapassou Charles Leong, passando a correr em segundo lugar e depois, mais tarde e após mais uma interrupção da corrida normal com a entrada do safety-car, Chang conseguiu ultrapassar Gerrard Xie, controlando sempre o andamento.

      Nota de destaque, pela negativa, prende-se com a presença assídua do ‘safety-car’ em quase todas as corridas disputadas durante o dia de ontem, o que fez com que muitas nem sequer acabassem.

      Depois de um ano em que a prova só contou com pilotos provenientes da China, Hong Kong e Macau, devido às restrições impostas pela pandemia de Covid-19, a edição de 2022 atraiu cerca de 170 pilotos, incluindo 20 estrangeiros, a maioria na prova de motos.

      O evento, de quatro dias – como orçamento desde ano foi de 180 milhões de patacas –, integra sete corridas: Grande Prémio de Macau de Fórmula 4, a Taça GT Macau, Corrida da Guia Macau, a Taça de Carros de Turismo de Macau, a Taça GT Grande Baía, Macau Roadsport Challenge e o Grande Prémio de Motos de Macau, que regressou ao traçado urbano da Guia para a sua 54.ª edição.