Edição do dia

Sábado, 18 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.9 ° C
30.4 °
25.9 °
78 %
5.1kmh
40 %
Sáb
27 °
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
24 °
Qua
24 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeMa Io Fong quer educação sexual obrigatória para ensino não superior ...

      Ma Io Fong quer educação sexual obrigatória para ensino não superior  

      Mostrando preocupações com o aumento acentuado dos casos de abuso sexual de crianças no primeiro semestre do ano, Ma Io Fong pede um reforço da consciência de auto-protecção das crianças. O deputado solicita ao Governo que estabeleça um quadro padronizado da educação sexual juntando no programa curricular do ensino não-superior os conteúdos pedagógicos de acordo com as normas compreendidas nas exigências das competências académicas básicas.

       

      O deputado da Assembleia Legislativa Ma Io Fong defende que a educação sexual deve ser matéria escolar obrigatória no programa curricular do ensino não-superior, de forma a garantir a padronização do nível de conhecimento relacionado à segurança sexual, providenciando, ao mesmo tempo, uma maior sensibilização de auto-protecção dos menores.

      Com o objectivo de assegurar a obtenção de conhecimento dos alunos, Ma Io Fong sugeriu que as autoridades tomem como referência o modelo consagrado no regulamento administrativo sobre as “exigências das competências académicas básicas da educação regular do regime escolar local”, para formular um plano escolar uniformizado sobre a orientação pedagógica, e os tópicos e conteúdos do conhecimento sexual que os estudantes devem dominar em cada etapa educacional.

      De acordo com um comunicado publicado no site da Associação Geral das Mulheres, o deputado considera que, para uma promoção mais eficaz da educação sexual, é necessário que as autoridades educacionais façam uma revisão constante dos recursos didácticos auxiliares da educação sexual e realizem avaliações sobre o desenvolvimento e implementação da educação sexual no sistema educativo local.

      “O nível da educação sexual em Macau deve ser melhorado. No passado, a Universidade de Macau realizou um inquérito a estudantes locais, cujos resultados mostraram que os alunos não tinham uma compreensão profunda e abrangente do conhecimento sexual. Ao mesmo tempo, a maioria dos estudantes acredita que não poderia aprender de forma sistemática e eficaz os conhecimentos sexuais durante a educação formal”, salientou.

      Recorde-se que as estatísticas da criminalidade, divulgadas pelo Gabinete do Secretário para a Segurança na terça-feira, indicaram que foram registados 17 casos de abuso sexual de crianças no primeiro semestre deste ano, mostrando uma subida de 70% face ao período homólogo do ano passado.

      O deputado assinalou ainda a necessidade de os menores estabelecerem “uma visão do mundo correcta sobre a amizade e o namoro”, uma vez que o número de casos de abuso sexual de crianças por meio de contacto nas redes sociais registou um aumento significativo, o que mostra a importância da conscientização de protecção, bem como auto-protecção, dos menores.

      Preocupado com a situação da segurança infantil em Macau, Ma Io Fong espera que a sociedade e o Governo cooperem para criar uma rede de salvaguarda de direitos das crianças através de uma revisão jurídica. “Após a revisão do Código Penal em 2017, a protecção legal dos crimes sexuais juvenis foi aprimorada. No entanto, desde a alteração da lei, os incidentes contra menores, incluindo abuso sexual, não foram erradicados. Considero que é preciso rever as estipulações sobre o limite de pena aplicável para melhorar a base jurídica relevante no âmbito do combate e prevenção de casos do género”, realçou.

      Ma Io Fong recomendou que, na revisão do Código Penal, as autoridades voltem a ter mão pesada para crimes sexuais de menores, por exemplo, elevando o limite mínimo da pena, revogando as disposições da multa e estabelecer a obrigatoriedade de pena de prisão, com o intuito de “reforçar o efeito dissuasor da lei”.

      Por outro lado, em relação à proposta de lei da actividade dos centros particulares de apoio pedagógico complementar do ensino não superior, que está a ser apreciada na Assembleia Legislativa, o deputado espera que sejam acrescentadas medidas preventivas mais rigorosas contra crimes cometidos pelos docentes.

       

      PONTO FINAL