Edição do dia

Sábado, 18 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.3 ° C
27.6 °
25.9 °
73 %
5.1kmh
40 %
Sáb
26 °
Dom
24 °
Seg
24 °
Ter
26 °
Qua
24 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioCulturaJoão M. Rato apresenta zine Bsides Photo com trabalho sobre pelota basca

      João M. Rato apresenta zine Bsides Photo com trabalho sobre pelota basca

      O fotógrafo português prepara-se para entrar no submundo das zines de fotografia, um produto antigo que começa a ter um público fiel que o procura. “Memories of Jai Alai” é a proposta para o primeiro número da publicação que terá a cadência que o autor achar que deverá ter, até porque “ficar escravizado pela publicação, é que não”.

       

      O gestor e fotógrafo João M. Rato, apaixonado pela fotografia de rua e de viagem, vai aventurar-se no mundo das zines com a publicação do projecto Bsides Photo que lançará o seu primeiro número, dedicado à pelota basca em Macau, no próximo dia 3 de Junho, pelas 21h30, no Macau Live Music Association (LMA).

      É com “Memories of Jai Alai” que João M. Rato abre as hostilidades de uma publicação que “terá certamente mais números com outros projectos fotográficos”, mas que não terá uma cadência editorial regular, até porque “ficar escravizado pela publicação, é que não”, assume o autor. “O caminho faz-se caminhando. Vão haver mais zines, claro, mas não queria ficar agarrado a uma calendarização de publicação. A fotografia também não é isso. Ou pelo menos a forma como eu vejo a fotografia, admitiu ao PONTO FINAL.

      A primeira edição, que como todas as outras e à boa maneira das velhinhas zines, será uma edição de autor de 250 exemplares, sendo que todos os exemplares serão assinados pelo fotógrafo e as primeiras 50 cópias terão ainda a oferta de uma fotografia. Este formato, esclarece João M. Rato, não será seguido no futuro. O autor pretende ter as zines em formato digital no seu website e os interessados compraram à unidade, caso queiram uma amostra impressa. “A ideia é promover o projecto nas diversas redes sociais como Facebook, Instagram e no meu site. Por ali contarei diversas histórias e, também por ali, as pessoas terão a possibilidade de adquirir as zines”, referiu.

      E porquê Bsides Photo? João M. Rato explica que se trata de analogia aos lados B dos discos de vinil. “Assim como os discos em vinil, várias vezes considero que os lados B soam mais interessantes”, pode ler-se no cartaz de apresentação do evento. “Os lados A têm aquela música comercial, os hits. Depois, com o passar do tempo, descobrimos que os lados B revelam uma faceta diferente de determinadas bandas, outras sonoridades. Ou seja, o lado B representa a liberdade para experimentar”, acrescentou.

       

      A descoberta da fotografia

       

      João M. Rato considera que este projecto acaba por ser “um processo de descoberta”. De descoberta de si, da sua fotografia e do resultado dessa experimentação enquanto autor. E explica ainda a escolha do fenómeno da pelota basca em Macau para escolha documental da primeira zine. “Às vezes deixamos passar muita coisa ao lado. A minha ideia é encontrar em Macau vivências e situações que, ainda sendo comuns, possam não ser tão óbvias. Procuro nichos e situações de underground”.

      O gestor sempre caminhou de braço dado com a fotografia. Lembrou ao PONTO FINAL que o pai, o advogado Frederico Rato, tinha “uma bela colecção de exemplares da revista francesa PHOTO” que, amiúde, consultava apesar de “algum conteúdo mais impróprio para a minha idade na altura”. A conceituada revista PHOTO é conhecida por publicar diversos trabalhos e projectos de nu artístico, daí a explicação dada pelo autor.

      Para além disso, o pai do fotógrafo também tinha uma máquina fotográfica que fazia as delícias da família e do autor em particular. “Durante os anos que se seguiram fiz muita fotografia de viagem. Foi dessa forma que fui evoluindo na fotografia. Em 1997 publiquei na revista Volta ao Mundo um texto de viagens e era suposto publicar com fotos minhas, mas como fiz a viagem com um grande amigo, que, entretanto, falecera, acabei por usar as fotos dele em jeito de homenagem”, contou João, para quem a fotografia é “quase um processo de meditação”, onde “não se pensa no passado, nem no futuro”.

      O lançamento no novo projecto de João M. Rato terá aquele cunho “escuro e underground que só o LMA pode dar”. Pelas 21h30, todos estarão convidados a beber algo, sendo que 30 minutos depois, ocorrerá o lançamento da zine propriamente dito. Às 22h30, “se não ocorrerem atrasos”, um painel de cinco fotógrafos, onde para além do autor, se incluem Mica da Costa Grande, João Miguel Barros, Rusty Fox e Alan Ieon, abordarão os temas da fotografia de rua e da fotografia de viagem. João M. Rato explica que o intuito da conversa entre pares é o de “criar interacção”, sendo que todos os presentes podem igualmente intervir. “É interessante ouvir outros fotógrafos para saber como eles abordam a fotografia”, anotou. Pelas 23h, abre-se a pista de dança com os DJ’s David Gonçalves, Nélson Azevedo e Marco Macedo Gomes.

       

      PONTO FINAL