Edição do dia

Sexta-feira, 24 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
25.8 ° C
25.9 °
25.4 °
94 %
4.1kmh
40 %
Qui
26 °
Sex
26 °
Sáb
26 °
Dom
28 °
Seg
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioPolíticaDSEDJ pronta para responder a nova crise de saúde pública

      DSEDJ pronta para responder a nova crise de saúde pública

      Em resposta ao surto pandémico da Covid-19 recentemente emergente em Tanzhou, da cidade de Zhongshan, à margem da sessão presidida pela 1.ª Comissão Permanente da Assembleia Legislativa decorrida ontem, Lou Pak Sang, director dos Serviços de Educação e de Desenvolvimento da Juventude (DSEDJ), afirmou à imprensa o lançamento de testagem de ácido nucleico aos alunos e funcionários escolares transfronteiriços. O director estimou que terão sido envolvidos mais de 4.000 individualidades de escolas de ensino não superior, enquanto mais de 300 residem na Grande Baía onde é imposto o confinamento.

      O responsável lembrou que, como as instituições de ensino no território já tinham experimentado duas vezes ocasiões de suspensão de aulas em grande escala, com o plano de serviço de escola inteligente estabelecido no ano passado acreditam que não vai haver problema em responder a uma crise de saúde pública.

      No que toca ao projecto de construção de escolas, Lou Pak Sang enalteceu a vantagem da Zona A dos novos Aterros Urbanos para a implementação do plano. Em comparação com o terreno do Canídromo, a Zona A dos novos Aterros Urbano vai ter mais espaço para a construção de instalações educativas, e também vai haver mais conveniência de transporte e espaços ao ar livre. Em consideração ao tempo, como o projecto na Zona A dos novos Aterros Urbano já entrou na fase de elaboração, Lou Pak Sang acredita que pode ser mais rápido para a conclusão da obra e abertura ao público. Relativamente ao número de escolas que vão ser incluídas no projecto, Lou Pak Sang referiu que o projecto vai ser divido em várias fases, e nove escolas vão ser incluídas.

      Quanto ao planeamento global para escolas públicas, o director disse que “vamos ter uma escola de ensino básico e secundário para ensino especial em Macau em Setembro, permitindo-nos descolocar os alunos especiais que estudam em Coloane, da escola primária luso-chinesa do bairro norte e da Sir Robert Ho Tung. A ideia é um recurso mais unificado e melhor aproveitamento”. Lou Pak Sang adiantou que a escola na Taipa vai permanecer para tomar a conta dos alunos que moram nas ilhas.

       

      D.C.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau