Edição do dia

Sexta-feira, 19 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.8 ° C
27.9 °
26.5 °
89 %
8.8kmh
40 %
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
26 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeRestaurantes portugueses em Macau ajudam comunidade a esquecer saudades no Natal

      Restaurantes portugueses em Macau ajudam comunidade a esquecer saudades no Natal

       

      Os restaurantes portugueses em Macau querem ajudar a comunidade portuguesa, que não pode sair do território devido à Covid-19, a esquecer as saudades de casa neste Natal.

       

      Normalmente, por esta altura, era comum a comunidade portuguesa que reside em Macau regressar a Portugal por ocasião do Natal para passar as férias com as suas famílias.

      Contudo, pelo segundo Natal consecutivo, milhares de portugueses não o poderão fazer: Macau, que tem seguido a política de zero casos de Covid-19, impõe quarentenas de regresso que podem chegar a 35 dias dentro de um quarto de hotel e não permite sequer a entrada a quem teve Covid-19 nos últimos dois meses.

      “Peru, leitão, cabrito e uns bolinhos: rabanadas, bolo de cenoura com frutos secos e o nosso pão de ló habitual”, é a receita que o restaurante Mariazinha vai levar a mais de 50 famílias portuguesas no dia 24 de Dezembro, contou à Lusa Nelson Rocha, o responsável do estabelecimento da península de Macau, a poucos metros das Ruínas de São Paulo e do Largo do Senado.

      “Preparamos o ‘take away’ para as famílias em Macau, muita gente opta por ficar em Macau especialmente e este ano que não há hipótese de sair com facilidade e nós fazemos sempre bastante comida para o dia 24 para as pessoas levarem para casa e fazerem o seu jantar de Natal em casa”, explicou, esperando que isso seja uma ajuda para a comunidade mate um bocadinho as saudades de Portugal.

      Já no icónico O Santos, o restaurante situado há 32 anos no coração da ilha da Taipa, a promessa, para além das encomendadas para fora, é estar de portas e braços abertos para acolher a comunidade na véspera de Natal.

      “Este Natal é um Natal muito diferente para mim e para quase toda a nossa comunidade que vivemos aqui nesta teia de proteção por causa da Covid-19, já o ano passado assim foi e este ano também”, admitiu Santos, prometendo “estar de braços abertos à espera de todos e desejar a todos um feliz Natal”.

      “E quando entrarem aqui já sabem que têm aquele abraço apertadinho (…) se quiserem vir aqui jantar na noite de Natal estarei aqui à vossa espera de braços abertos”, frisou Santos, uma das figuras mais conhecidas da comunidade portuguesa residente no antigo território administrado por Portugal.

      O alentejano de Montemor-o-Novo admitiu que estes dois últimos anos não têm sido de todo fáceis para a comunidade e que tenta ajudar o mais que pode, na medida do possível: “todos os natais eu estou aqui e então estes dois mais que nunca agarrado à nossa comunidade, à malta de Macau portuguesa e há malta que não pode sair daqui. Ou melhor, pode sair, mas para voltar vai ter de cumprir aquelas regras”, afirmou.

      O poder de compra e o próprio número de portugueses no território tem criado dificuldades aos restaurantes portugueses no território, admitiram os dois responsáveis.

      Nelson Rocha sente que as pessoas estão a fazer reservas menores para este ano, fruto “da componente financeira, as pessoas também estão um bocado preocupadas e eu acho que as pessoas não gastam tanto”. Já Santos nota que cada vez tem vistos mais portugueses a irem despedir-se ao seu restaurante. “A nossa comunidade cada vez é menos, cada vez há menos trabalho”, sublinhou.

       

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau