Edição do dia

Terça-feira, 25 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nublado
29.8 ° C
29.8 °
29.8 °
83 %
6.2kmh
100 %
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioPolíticaAgnes Lam assegura que vai continuar a fiscalizar o Governo

      Agnes Lam assegura que vai continuar a fiscalizar o Governo

      A deputada fez ontem um balanço dos últimos quatro anos na Assembleia Legislativa (AL) e assinalou que mais de 90% das queixas apresentadas por mais de cinco mil residentes no seu escritório já foram tratadas. A maioria delas teve a ver com problemas relacionados com a pandemia e aconselhamento jurídico. Sobre os candidatos às eleições que foram desqualificados, Agnes Lam disse apenas respeitar a decisão do Tribunal de Última Instância, acrescentando que vai continuar a fiscalizar o Governo.

      Agnes Lam organizou ontem uma conferência de imprensa para fazer um balanço sobre a legislatura que agora termina. Ao longo dos últimos quatro anos, indicou a deputada, a prioridade foi a fiscalização do Governo, a promoção de reformas e dar ajuda aos residentes que apresentam queixas no seu escritório.

      “Quando o Governo apresenta novos diplomas, tentamos fazer valer os nossos valores e melhorar a sociedade para ser mais justa”, assinalou a deputada, que agora se recandidata através da lista Observatório Cívico. Além disso, Agnes Lam indicou que, durante os últimos quatro anos, o seu escritório deu apoio a mais de cinco mil residentes, num total de 1.057 casos. O gabinete de Agnes Lam deu resposta a cerca de 91% dos casos recebidos ao longo dos últimos quatro anos, assinalou a deputada.

      As queixas apresentadas pelos residentes incidiram sobretudo em cinco temas: Problemas relacionados com a pandemia, como a separação de famílias e pessoas que precisam de cuidados médicos em Hong Kong; aconselhamento jurídico; problemas do âmbito do Instituto para os Assuntos Municipais (IAM), como construções deficientes, pavimento e infiltrações de água, por exemplo; questões relacionadas com habitação; e, por último, apoio a “grupos vulneráveis”, como mulheres, crianças e vítimas de violência doméstica, exemplificou Agnes Lam.

      A deputada indicou que tem recebido queixas de residentes que têm sido despedidos de forma injusta, sob o pretexto da pandemia. Essa será uma das prioridades da deputada, caso venha a ser reeleita: “Temos de resolver os problemas que as pessoas estão a enfrentar agora, por exemplo, a taxa de desemprego que está a crescer. No futuro, vamos dar prioridade a isso, porque as pessoas estão a perder os seus trabalhos, incluindo a classe média. Economia e a questão do desemprego são assuntos que vamos dar prioridade no futuro”. Além disso, garantiu, “vamos continuar a fiscalizar o Governo para nos certificarmos de que os fundos públicos são usados de maneira correcta no futuro”.

      Instada a comentar a desqualificação dos candidatos democratas às eleições de Setembro, Agnes Lam não se alongou e disse apenas respeitar a decisão do Tribunal de Última Instância. Sobre as mudanças que eventualmente terão lugar no futuro da Assembleia Legislativa, Agnes Lam assegurou: “O que podemos fazer agora é manter o nosso caminho para fiscalizar o Governo, é isso que acredito que consigo fazer”.

      Questionada sobre a escassez de iniciativas dos deputados no hemiciclo, quer ao nível da aprovação de debates quer ao nível da aprovação de audições, Agnes Lam frisou que aprova “algumas propostas”. Sobre os restantes deputados, afirmou: “Às vezes temos diferentes visões sobre como usar ferramentas específicas, mas deputados de diferentes grupos representam os seus eleitores”.