Edição do dia

Terça-feira, 18 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
31.7 ° C
34.8 °
30.9 °
89 %
5.1kmh
40 %
Ter
32 °
Qua
31 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioOpiniãoInovação e sustentabilidade: o desafio das fraldas

      Inovação e sustentabilidade: o desafio das fraldas

      No Japão, uma das nações com a população mais envelhecida do mundo, as transformações demográficas impulsionam inovações em vários setores, incluindo produtos de uso diário como fraldas.

      Recentemente, descobri que uma empresa em Kagoshima respondeu a esta realidade com uma solução notável: a reciclagem de fraldas usadas por bebés, convertendo-as para uso de idosos, num processo que denominaram de “reciclagem horizontal”.

      Esta inovação responde a uma necessidade evidente, considerando as estatísticas demográficas. Em 2023, o Japão registou apenas 758.631 nascimentos, uma diminuição de 5,1% em relação ao ano anterior e o número mais baixo desde o século XIX. Com a contínua diminuição da taxa de natalidade e o aumento do número de idosos, a demanda por fraldas infantis decai, enquanto a necessidade por fraldas para adultos aumenta.

      A empresa adotou uma abordagem tecnologicamente avançada para este desafio. As fraldas usadas são submetidas a um rigoroso processo de esterilização com ozono, eliminando odores e bactérias e tornando-as completamente seguras e higiénicas para novo uso. Este método não só oferece uma solução para o excesso de resíduos gerados por produtos descartáveis, mas também responde à crescente necessidade de produtos geriátricos.

      À semelhança do Japão, Portugal enfrenta um cenário de envelhecimento demográfico significativo. Segundo dados do INE, em 2021, as pessoas com 65 anos ou mais representavam já 23,4% da população residente. Este número coloca o nosso país entre os com maior proporção de idosos, apenas superado pelo Mónaco ( 36%), Japão ( 29%) e Itália ( 24%).

      No entanto, ao que julgo saber, em Portugal ainda não se pratica a reciclagem de fraldas como no Japão. Isto deve-se a vários fatores, incluindo a falta de infraestruturas específicas para a reciclagem de produtos higiénicos descartáveis e a necessidade de investimentos significativos em tecnologias avançadas. Além disso, a conscientização pública sobre a viabilidade e os benefícios da reciclagem de fraldas ainda está em desenvolvimento.

      A abordagem da empresa nipónica ilustra como a tecnologia e o respeito pelo ambiente podem andar de mãos dadas na resposta às necessidades de uma população que envelhece, mostrando que o progresso sustentável é possível e necessário.

      Portanto, enquanto os desafios demográficos continuam a aumentar, também devem evoluir as nossas respostas, inspiradas por exemplos de sucesso, mas sempre ajustadas às realidades locais de cada nação.

       

      Vítor Sereno

      Diplomata

      Texto originalmente publicado no Diário As Beiras