Edição do dia

Terça-feira, 21 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
25.6 ° C
25.9 °
24.8 °
94 %
4.6kmh
40 %
Ter
25 °
Qua
25 °
Qui
24 °
Sex
27 °
Sáb
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeFórum Macau fez o território aumentar a sua visibilidade internacional, diz Ji...

      Fórum Macau fez o território aumentar a sua visibilidade internacional, diz Ji Xianzheng

      O valor de trocas comerciais entre a China e os países de língua portuguesa cresceu 20 vezes desde a criação do Fórum de Macau, atingindo 220,9 mil milhões de dólares americanos no ano passado. Dados revelados pelo secretário-Geral do Secretariado Permanente do Fórum de Macau, Ji Xianzheng, referem ainda que Macau tem mantido a singularidade do laço lusófono nas duas últimas décadas e aumentado a sua visibilidade internacional.

      Ji Xianzheng, secretário-Geral do Secretariado Permanente do Fórum de Macau, defende que a construção do Fórum de Macau está a produzir gradualmente resultados positivos e notários, cuja abordagem contribui para uma situação vantajosa triliteral para o interior da China, Macau e os países de língua portuguesa.

      “Ao longo destes anos de desenvolvimento, o reconhecimento internacional de Macau tem vindo a aumentar cada vez mais e, ao mesmo tempo, Macau pode servir melhor a situação geral do desenvolvimento do país através da construção da plataforma sino-lusófona”, assinalou o responsável, em declarações ao Canal Macau em língua chinesa. Na sua perspectiva, quanto melhor se evoluírem as relações entre os países de língua portuguesa e a China, mais espaço haverá de desenvolvimento de Macau como plataforma, já que o território poderá beneficiar da cooperação luso-chinesa.

      O Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) foi criado em 2003, sendo um “mecanismo multilateral de cooperação intergovernamental centrado no desenvolvimento económico e comercial”.

      De acordo com Ji Xianzheng, o Fórum tem como objectivo promover o desenvolvimento das relações bilaterais e consolidar o intercâmbio económico e comercial entre a China e os países de língua portuguesa, bem como valorizar a ligação única entre Macau e estes países em termos de história, língua e cultura, de modo a concretizar o desenvolvimento diversificado de Macau.

      “O comércio entre a China e os países lusófonos, em 2003, foi de pouco mais de 11 mil milhões de dólares americanos. Nos 20 anos que seguiram à criação do Fórum Macau, o respectivo valor das actividades comerciais subiu para 220,9 mil milhões de dólares americanos em 2023, representando um aumento de mais de 20 vezes”, sublinhou.

      Ji Xianzheng deu ainda ênfase aos trabalhos do Fundo de Cooperação para o Desenvolvimento China-Países de Língua Portuguesa, cujo valor global do capital social é de mil milhões de dólares americanos, tendo a sua sede inaugurado oficialmente em Macau em 2017. “A China já implementou várias iniciativas nos últimos anos, como o Fundo implementou 10 projectos num valor total de 470 milhões de dólares americanos, e os países lusófonos também tomaram medidas para promover activamente a cooperação com a China”, observou.

      Segundo afirmou o Secretário-Geral, a cooperação entre a China e os países de língua portuguesa tem “uma base estável” e “perspectivas de desenvolvimento promissoras”, e que, no futuro, irá expandir a sua cooperação em áreas emergentes, incluindo a “economia azul”, ou seja, da indústria relacionada com a exploração, preservação e regeneração do ambiente marinho, bem como a economia digital e o desenvolvimento verde.

      Desde a criação do Fórum de Macau, foram realizadas cinco Conferências Ministeriais e uma Reunião Extraordinária Ministerial, durante as quais foram aprovados cinco Planos de Acção para a Cooperação Económica e Comercial, orientados para cerca de 20 áreas de cooperação entre a China e nove Países de Língua Portuguesa, designadamente Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

      A 6.ª Conferência Ministerial do Fórum de Macau, recorde-se, vai realizar-se nos dias 21 a 23 deste mês no território, pretendendo “identificar as principais áreas da cooperação económica e comercial luso-chinesa nos próximos três anos”.