Edição do dia

Domingo, 14 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
27.9 ° C
30.9 °
27.9 °
78 %
3.6kmh
40 %
Dom
28 °
Seg
27 °
Ter
27 °
Qua
27 °
Qui
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More

      NAVEGAR É PRECISO

      https://www.ajoblanco.org

      Em 1973, dois anos antes de Franco morrer e se abrirem as portas para a democracia em Espanha, o poeta catalão Pepe Ribas, então estudante de Direito, juntou à mesa de um restaurante de Barcelona um grupo de jovens que andavam pelos territórios da poesia, das artes visuais, da música e do cinema. No menu, ajoblanco, uma sopa tradicional da região de Málaga que se faz com amêndoas, alho e pão. Estava encontrado o nome da revista que haveria de abanar a cena cultural catalã, prosseguindo os seus abalos tectónicos muito depois das primeiras eleições democráticas espanholas.

      As influências eram muitas, torrenciais e todas potencialmente subversivas, de algum modo. Do underground norte-americano ao surrealismo francês, passando pela arte bruta, o rock progressivo ou o pensamento libertário, aquela foi uma mesa eclética e com vontade de transformar em objecto editorial as inquietações, descobertas e vontades que uniam os comensais. Meses depois, em Outubro de 1974, saia o primeiro número da Ajoblanco, com poesia e ilustração a dominarem as páginas, incursões musicais muito longe do radar da imprensa tradicional, banda desenhada, reflexões sobre cultura e política e um grafismo que apostava tudo no experimentalismo. Os números prosseguiram, numa primeira fase até 1980, depois entre 1987 e 1999. Nova pausa na publicação, até que, em 2016, alguns dos resistentes da primeira redacção da Ajoblanco voltam a fazer a revista, impressa e sem publicidade. O tempo é de intermitências, já se sabe, mas a revista vai regressando ao ritmo das necessidades e possibilidades de quem a faz e, quando surge um número nas bancas, os leitores aparecem.

      Todos os números da Ajoblanco estão disponíveis no site da revista e podem ser descarregados ou lidos on-line. Percorrê-los é uma viagem pela história da Espanha democrática, pelas mudanças da cena cultural catalã e, sobretudo, pela vontade colectiva e sempre tão contrária à realidade que, por vezes, faz nascer uma revista.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau