Edição do dia

Quarta-feira, 17 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
27.9 ° C
28.9 °
27.9 °
83 %
4.6kmh
40 %
Qua
28 °
Qui
29 °
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioPolíticaAL recebeu carta de promotores de jogo contra possível desqualificação de concessão...

      AL recebeu carta de promotores de jogo contra possível desqualificação de concessão de crédito

      Os promotores de jogo escreveram uma carta à Assembleia Legislativa para manifestar a sua oposição à proposta da nova lei de concessão de crédito para jogo, que prevê a exclusão dos mesmos como concedentes de crédito. A respectiva inelegibilidade passou a ser incluída no diploma apenas depois da sua aprovação na generalidade. Os promotores de jogo defendem que a prática actual é eficaz e pode contribuir para aumentar as receitas de jogo. O diploma deverá ser submetido ao plenário para apreciação na especialidade no próximo mês.

       

      A 2.ª Comissão Permanente da Assembleia Legislativa (AL) está a analisar a proposta da lei sobre a concessão de crédito para jogos de fortuna ou azar em casino, revelando ter recebido uma carta de oposição submetida por um grupo de promotores de jogo. A informação foi confirmada por Chan Chak Mo, presidente da comissão, adiantando que a carta foi já encaminhada ao Executivo para análise.

      A nova versão da proposta da lei prevê que os promotores de jogo deixem de ser elegíveis para conceder crédito em casinos, ao contrário da prática actual e ao documento inicial da proposta de lei. O diploma inicial que o Governo apresentou em Maio do ano passado ao hemiciclo propôs que as concessionárias e os promotores de jogo sejam habilitados a exercer a actividade de concessão de crédito para jogo, desde que o promotor de jogo tenha celebrado o respectivo contrato com a operadora de jogo. Ou seja, apenas a sociedade gestora era impossibilitada de proceder à prestação de crédito.

      Contudo, após a aprovação na generalidade da proposta, o Governo decidiu mudar as estipulações em Dezembro do ano passado e passou a proibir também a elegibilidade de concessão de crédito dos promotores de jogo por questões de “risco” e “desenvolvimento saudável da indústria de jogo”. Citado pelo Jornal Ou Mun, Chan Chak Mo disse que o Governo forneceu uma explicação por escrito à comissão, sendo que os membros da comissão “aceitam a maior parte do conteúdo”.

      Chan Chak Mo, à margem de uma reunião da comissão realizada ontem, confirmou a recepção da opinião dos promotores de jogo, indicando que estes consideram que “a prática actual [de serem permitidos] à concessão de crédito tem sido eficaz, tendo contribuído para aumentar as receitas fiscais de jogo da RAEM, pelo que a sua elegibilidade para o crédito deveria ser mantida”.

      A 2.ª Comissão Permanente, entretanto, concluiu ontem toda a discussão do diploma e vai já avançar para a elaboração do parecer, na esperança de que a proposta de lei seja entregue ao plenário no próximo mês para apreciação e votação na especialidade.

      Neste caso, o deputado salientou que o documento é “muito claro” de que apenas as concessionárias são qualificadas para actividades de concessão de crédito às apostas, sendo que o empréstimo ao jogador só pode ser feito com fichas, em vez de dinheiro.

      “Os promotores de jogo não podem exercer a respectiva actividade, mas há uma excepção. O promotor de jogo que tenha celebrado contrato de agência com uma concessionária pode emprestar, a jogadores, fichas da concessionária em nome da concessionária. Mas o contrato de agência deve ser celebrado por escrito e notariado no local, devendo uma cópia do contrato ser apresentado à Secretaria para a Economia e Finanças para aprovação”, explicou.

      Chan Chak Mo acrescentou que o diploma exige que as concessionárias criem um sistema de gestão do risco de crédito, e conduzam as suas actividades de crédito de uma forma “prudente”, através do estabelecimento de um sistema de manutenção de registos de crédito e implementação de medidas de segurança para proteger os dados e definir procedimentos operacionais normalizados para o crédito.