Edição do dia

Sábado, 20 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
trovoada com chuva
26.9 ° C
26.9 °
24.9 °
89 %
2.1kmh
40 %
Sáb
27 °
Dom
27 °
Seg
24 °
Ter
24 °
Qua
25 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeEstudo da DSAT quer saber movimentos pendulares para melhorar o planeamento do...

      Estudo da DSAT quer saber movimentos pendulares para melhorar o planeamento do tráfego

      Depois dos estudos realizados em 2009, 2014 e 2019, a Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT) prepara-se para realizar mais um inquérito à população local, com o objectivo de conhecer os movimentos pendulares e hábitos e características de deslocação dos cidadãos. Os resultados serão divulgados em 2025.

       

      Desde 2009 que as autoridades levam a cabo, de cinco em cinco anos, um estudo “da matriz de origem-destino da população de Macau”, numa iniciativa que pretende recolher informações actualizadas para uma base de dados que servirá depois de apoio à elaboração de políticas e planeamento de trânsito mais precisos. Ontem, em conferência de imprensa na sede da DSAT, dirigentes daquele departamento apresentaram os detalhes do estudo que vai ser gerido pela UMTEC limitada, uma empresa subordinada à Universidade de Macau.

      O estudo, esclareceram os responsáveis, terá duas fases: uma primeira, de inquérito domiciliário, que decorrerá entre Março e Julho, seguida de uma segunda fase, que será feita através de inquéritos online. Esta é a primeira vez que se irá complementar o estudo com inquéritos online, que deverão ser realizados no segundo semestre deste ano.

      Os estudos passados foram uma importante referência para a implementação de políticas de tráfego e transportes de Macau, comentou Un Chao Wa, Chefe- substituto do Departamento de Planeamento e Desenvolvimento de Tráfego. Ao PONTO FINAL, esclareceu que, por exemplo, foram estes estudos que levaram à recente construção do túnel da Flora. Volvidos cinco anos, com a conclusão sucessiva de projectos de grande envergadura e a construção dos novos aterros, muito mudou na cidade, mencionou, e, como tal, é importante actualizar as informações dos trajectos e formas de transporte da população local.

      O referido inquérito inclui questões como as horas, origem, destino e motivo das deslocações principais que os inquiridos fazem, os meios de transportes utilizados, a quantidade de deslocações diárias, e ainda se estes possuem veículos motorizados.

      Gu Ven Keong, gerente do projecto da UMTEC limitada, acrescentou que os destinatários do estudo são residentes com idades a partir dos quatro anos de idade, e que os questionários aos agregados familiares vão também procurar saber o número de membros do agregado familiar, quantos veículos possuem, e as idades e escolaridade de cada membro. O estudo vai também procurar fazer um levantamento dos principais locais onde os inquiridos efectuam deslocações sem, no entanto, ser necessário especificar um edifício preciso, preferindo-se saber apenas uma referência numa rua, acrescentou.

      Na primeira fase, 3.600 agregados familiares, que foram escolhidos para efeitos de amostragem com o apoio da Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC), irão responder a questões de forma anónima que lhes serão feitas por agentes nos domicílios dos inquiridos. Duas semanas antes de serem questionados, os seleccionados serão notificados por ofício-circular remetido pela DSAT. Caso o seleccionado não esteja disponível para a entrevista conforme agendada, pode alterar a data, acrescentaram as autoridades. Haverá ainda um sorteio com uma oferta de um prémio de vales de supermercado aos agregados familiares que colaborarem com o estudo. Os dados recolhidos, garantiram ainda as autoridades, serão tratados de forma estritamente confidencial, sendo todos os questionários destruídos após a conclusão do referido estudo.

      A DSAT esclareceu ainda que planeia dar início aos trabalhos do inquérito online após a conclusão do inquérito domiciliário, e irá divulgar as respectivas informações em tempo oportuno, que deverá decorrer em 2025, coincidindo com o balanço a médio prazo do planeamento de dez anos das políticas de tráfego e transporte.