Edição do dia

Quarta-feira, 28 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
15.9 ° C
18.9 °
15.9 °
77 %
2.1kmh
40 %
Qua
20 °
Qui
21 °
Sex
17 °
Sáb
15 °
Dom
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Economia Casinos terminam 2023 com receitas de 183 mil milhões de patacas

      Casinos terminam 2023 com receitas de 183 mil milhões de patacas

      Em 2023, a indústria do jogo de Macau alcançou receitas brutas de 183 mil milhões de patacas, ou seja, mais do quádruplo do registado em 2022. Só em Dezembro, os casinos facturaram 18,5 mil milhões de patacas. Apesar da recuperação em relação a 2022, não foram alcançados os níveis de receitas pré-pandemia.

       

      No ano de 2023, a receita bruta do sector do jogo foi de cerca de 183 mil milhões de patacas, indicou a Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos (DICJ). Este valor é mais do quádruplo dos 42,2 mil milhões de patacas que os casinos obtiveram em 2022. Esta é também a melhor cifra dos últimos três anos, em que estiveram em vigor fortes restrições pandémicas impostas pelo Governo. Em 2021, as receitas de jogo foram de 86,8 mil milhões de patacas e em 2020 foram de 60,4 mil milhões.

      Apesar da recuperação, os 183 mil milhões de patacas alcançados no ano que terminou não se equiparam ao valor que entrou nos cofres dos casinos antes da pandemia. Em 2019, o sector do jogo teve receitas de 292,4 mil milhões de patacas e em 2018 de 302,8 mil milhões, por exemplo. O recorde de receitas brutas de jogo anuais foi batido em 2013, quando as operadoras receberam mais de 360 mil milhões de patacas.

      Olhando apenas para o valor das receitas de jogo alcançado no mês de Dezembro de 2023, os casinos facturaram cerca de 18,5 mil milhões de patacas. Isto significa um aumento de mais de 433% em comparação com Dezembro de 2022. O valor do passado mês de Dezembro é, no entanto, inferior ao registado em Dezembro de 2019, antes da pandemia, que foi de 22,8 mil milhões de patacas.

      Estes 183 mil milhões alcançados em 2023 ficou aquém das expectativas do Governo. Em Novembro, Lei Wai Nong, secretário para a Economia e Finanças, disse na Assembleia Legislativa (AL) que esperava que os casinos alcançassem 202 mil milhões de patacas. Para o próximo ano, Governo preparou um orçamento com base numa estimativa de 216 mil milhões de patacas de receitas da indústria do jogo.

       

      FALTA DE INFRAESTRUTURA MANTÉM RECEITAS LONGE DOS NÍVEIS DE 2019

       

      A falta de infraestrutura hoteleira e de transportes e o desaparecimento dos grandes apostadores vão manter as receitas do jogo aquém dos valores alcançados antes da pandemia, disse à Lusa Ben Lee.

      “É provavelmente mais do que as pessoas estariam à espera no início do ano”, admitiu o analista da consultora de jogo IGamix, que apontou para o cancelamento, no início de Janeiro de 2022, da maioria das restrições impostas a turistas, incluindo estrangeiros, devido à pandemia. “A maioria da recuperação”, disse Lee, foi gerada pelo chamado mercado de massas, composto por pequenos apostadores, que não recorrem a crédito das operadoras de casinos. Um segmento que “está muito perto dos valores de 2019”, acrescentou o analista.

      As receitas do jogo em Macau vão ficar em 2024 aquém dos picos registados antes da pandemia, previu Lee, que defendeu que isso “não seria aceitável politicamente” para o Governo Central da China, de onde provém a esmagadora maioria dos apostadores. “Há uma estratégia deliberada para limitar, tanto a exposição [dos turistas chineses] ao jogo em casino no exterior como, potencialmente, os fluxos de capitais para fora da China”, disse o analista.

      Lee admitiu que o mercado de massas “pode crescer mais 10 ou 15% em termos anuais”, mas lamentou que “o potencial crescimento esteja estrangulado pela infraestrutura” de Macau. “Estamos a ver hoje exactamente a mesma coisa que em 2013 e em 2019: ocupação hoteleira muito elevada, seguida de custos de alojamento muito elevados e, mais importante, falta de transporte público ou privado para os turistas se movimentarem em Macau”, disse Lee.

      Por outro lado, Ben Lee disse que a cidade pode desistir de sonhar com o regresso dos grandes apostadores às mesas do bacará VIP, que antes da pandemia representava quase metade de todas as receitas do jogo, mas que se ficou por uma fatia de 24,1% no terceiro trimestre de 2023.

      O analista recordou que a Assembleia Legislativa está a analisar uma proposta de lei do Governo que iria impedir as empresas angariadoras de apostas VIP, conhecidas como ‘junkets’, de conceder crédito a jogadores. Sem isso, “que é basicamente a razão pela qual os ‘junkets’ existem”, Lee disse que Macau acabará por seguir o modelo de Singapura, onde este tipo de empresa desapareceu.