Edição do dia

Quinta-feira, 22 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
neblina
21.9 ° C
25.4 °
20.9 °
100 %
3.1kmh
75 %
Qui
23 °
Sex
21 °
Sáb
20 °
Dom
21 °
Seg
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Economia Taxa de desemprego actual é a mais baixa desde a pandemia

      Taxa de desemprego actual é a mais baixa desde a pandemia

      Com 10.400 desempregados no 2.º trimestre, menos 100 do que no período anterior, Macau está agora com a taxa de desemprego mais baixa desde o início da pandemia. Ainda assim, a taxa de actividade da população caiu para 67,7%, o valor mais baixo desde 2007, numa cidade que está em acelerado processo de envelhecimento.

       

      A taxa de desemprego dos residentes da RAEM está a 3,5%, um valor que é “o mais baixo desde o início da pandemia de Covid-19”. Segundo os dados para o segundo trimestre de 2023, a Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC), revelou ainda que a taxa de desemprego entre os residentes diminuiu 0,4 % em comparação com o primeiro trimestre do ano. Quanto ao desemprego da população em geral, este também caiu 0,3 pontos percentuais para 2,8%, a taxa mais baixa desde o final de 2020, “ano durante o qual as empresas da região chinesa despediram quase 18.900 trabalhadores sem estatuto de residente”, recordou a Lusa. A DSEC indicou ainda que entre Abril e Junho havia 371.800 pessoas activas em Macau, e destas 361.400 estavam empregadas. O número de residentes empregados correspondeu a 282.600, mais 2.100 e 1.400, respectivamente, em comparação com o período precedente.

      Apesar da queda do desemprego, a taxa de actividade da população caiu para 67,7%, o valor mais baixo desde 2007, numa cidade que está em acelerado processo de envelhecimento, sobretudo devido a uma das mais baixas taxas de natalidade do mundo. No período entre Abril e Junho, estavam registados em Macau cerca de 10.400 desempregados, menos 100 do que no período anterior, segundo os dados oficiais da DSEC.

      De entre os desempregados, a maioria tinha sido despedida ou da construção civil ou do jogo, o sector dominante da economia de Macau e o mais atingido pela crise económica provocada pela pandemia, sublinhou a Lusa. O número de desempregados à procura do primeiro emprego representou 7,3% do total da população desempregada, aumentando 2,7 pontos percentuais, face ao período precedente, indicou a DSEC.

      Quanto à população subempregada, ou seja, as pessoas empregadas que trabalham menos de 35 horas por razões involuntárias, ou procuram trabalho adicional, esta manteve-se em 6.800, valor semelhante ao observado no período transacto. Salienta-se que a maior parte da população subempregada pertencia ao ramo de actividade económica da construção e ao ramo dos transportes e armazenagem, sublinhou ainda a DSEC. Os últimos dados revelados por este organismo indicaram ainda que a mediana do rendimento mensal do emprego da população empregada geral é de 17 mil patacas, e a dos residentes empregados, de 20 mil, valores idênticos aos do primeiro trimestre de 2023.

      No início de 2020, a indústria do jogo atingiu um máximo histórico de 87.500 funcionários. Em três anos de pandemia, um em cada quatro trabalhadores (24,1%) do sector perdeu o emprego. As receitas dos casinos de Macau atingiram 80,1 mil milhões de patacas na primeira metade de 2023, mais 201,5% em comparação com igual período do ano passado, mas menos 46,4% do que no mesmo período de 2019.