Edição do dia

Quinta-feira, 22 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
neblina
21.5 ° C
23.9 °
20.9 °
100 %
3.1kmh
40 %
Qui
23 °
Sex
21 °
Sáb
20 °
Dom
21 °
Seg
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade 2023: O ano do fim das restrições pandémicas e da corrida à...

      2023: O ano do fim das restrições pandémicas e da corrida à recuperação económica

      Depois de três anos de enclausuramento, em 2023 a RAEM voltou a abrir-se ao mundo: com o levantamento das medidas antiepidémicas, os visitantes voltaram a encher as escadarias das Ruínas de São Paulo, os quartos de hotéis e as salas de jogo, ressuscitando a principal fonte de receitas da cidade, com lucros a chegarem a 70% dos níveis de 2019. Com a retoma económica, veio também a aposta na diversificação “1+4”, com fortes investimentos do Governo na formação de quadros qualificados e em planos de captação de talentos para postos de trabalho, nomeadamente para o recém-inaugurado Hospital das Ilhas. Quem diz diversificação, diz revitalização, e essa também foi outra aposta do Instituto Cultural, que uniu forças às seis concessionárias para dinamizar os bairros históricos e assim assegurar que a recuperação económica chega a toda a cidade. O PONTO FINAL recorda aqui alguns dos principais momentos que marcaram o ano.

       

       

       

      – JANEIRO: Fim das restrições pandémicas e aumento do número de mortes

       

      “Dia 8 [de Janeiro] marca o fim do período transitório. Na sequência deste anúncio, consideramos a infecção como uma epidemia local que existe no seio da comunidade”, anunciou Alvis Lo, director dos Serviços de Saúde, logo no início do ano. Depois de três anos de restrições pandémicas, estas foram abandonadas em apenas um mês, pondo fim às limitações de entrada de estrangeiros e abrindo as fronteiras sem restrições com Hong Kong e Taiwan. Os casos, esses, dispararam. Janeiro foi ainda marcado por 798 óbitos, quase o quádruplo do normal. Metade dos mortos tinham mais de 80 anos. Este aumento considerável no número de mortes coincidiu com o levantamento generalizado das medidas antiepidémicas e com um surto de Covid-19 que se espalhou entre as últimas semanas de Dezembro e primeiras semanas de Janeiro.

       

      – FEVEREIRO: “Passeando pela Almeida Ribeiro” sem carros

       

      O Instituto Cultural estreou as suas iniciativas de revitalização das zonas históricas com o encerramento ao trânsito de uma das avenidas principais do centro da cidade: entre os dias 22 e 24 de Janeiro, e depois entre os dias 4 e 5 de Fevereiro, mais de 140 mil pessoas vieram tirar fotografias a nuvens, flores, e outros elementos decorativos. No local foram colocados ‘stands’ de chás e doçaria, com diversas actuações a animarem a zona pedonal provisória. Apesar de terem admitido que foi um sucesso, as autoridades descartaram a possibilidade de repetirem a experiência.

       

      – MARÇO: Li Canfeng e Jaime Carion condenados

       

      O Tribunal Judicial de Base proferiu a sentença, em Março, do caso das Obras Públicas, condenando Li Canfeng e Jaime Carion, antigos directores dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT), a 24 anos e 20 anos de cadeia, respectivamente. O caso de corrupção, que envolveu um total de 21 arguidos, resultou ainda na pena de prisão de 24 anos do empresário Sio Tak Hong, e 18 anos para Ng Lap Seng e William Kuan. Vários arguidos recorreram da sentença, excepto Jaime Carion. Já o Tribunal de Segunda Instância absolveu-os recentemente do crime de associação criminosa e mais algumas acusações, tendo baixado a pena de Li Canfeng para 17 anos de prisão, Sio Tak Hong para 11 anos e seis meses e William Kuan para cinco anos e seis meses, Ng Lap Seng viu a pena reduzida para dois anos e seis meses.

       

      – ABRIL: Chefe do Executivo visita Portugal e recebe condecoração de Marcelo

       

      Portugal foi o destino da primeira visita ao estrangeiro de Ho Iat Seng desde que está no

      cargo de Chefe do Executivo da RAEM. Entre 18 e 22 de Abril, o Chefe do Executivo encontrou-se com o Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, o primeiro-ministro, António Costa, e o ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, entre

      outros responsáveis. Das mãos do Presidente da República Portuguesa, Ho

      recebeu a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique. A acompanhar Ho Iat

      Seng esteve uma comitiva de 50 empresários da região, que realizaram visitas

      a parceiros portugueses, com foco nos sectores alimentar e farmacêutico.

      Entre 22 e 27 de Abril, o Chefe do Executivo continuou na Europa, com

      passagens pelo Luxemburgo e Bruxelas.

       

      – MAIO: Entra em vigor a nova lei de segurança nacional

       

      Em Maio, entrou em vigor a revisão à lei da segurança do Estado, depois de a

      Assembleia Legislativa ter aprovado o diploma sem qualquer objecção. A

      revisão à lei prevê, por exemplo, a punição de qualquer pessoa, mesmo

      estando no estrangeiro, que cometa crimes contra a segurança nacional da

      China. Também este ano estiveram em discussão as novas leis eleitorais. A

      revisão eleitoral para o Chefe do Executivo já foi aprovada e entra em vigor no

      dia 1 de Janeiro, sendo que a nova lei das eleições para a Assembleia

      Legislativa deverá ser aprovada no início de 2024. Os novos diplomas

      implicam, por exemplo, o afastamento de candidatos considerados pelas

      autoridades como sendo insuficientemente patriotas e a criminalização do

      incitamento à abstenção.

       

      – JUNHO: O regresso dos espectáculos à cidade, com estrelas do cantopop

       

      Este foi o ano em que estrelas mundiais da pop voltaram a pisar os palcos do Cotai. Em Maio, as coreanas Blackpink voltaram à Arena do Galaxy Macau, depois de já cá terem actuado em 2019, com bilhetes a esgotarem rapidamente. Outra grande novidade do ano foram os espectáculos-residências de várias estrelas da Cantopop de Hong Kong: Joey Yung, Jacky Cheung, Eason Chan, Leon Lai, Aaron Kwok, Terence Lam, Hacken Lee MC Cheung Tinfu e Hins Cheung. A cidade recebeu ainda nomes sonantes do jazz e clássicos norte americanos – Stacey Kent e Paul Anka – do fado – Gisela João e Camané – e da pop inglesa – Jessie J, Corinne Bailey Rae e Suede.

       

      – JULHO: Um parque desportivo no antigo Canídromo e uma estátua em Hac Sá que deu polémica

       

      Com uma área bruta de 74 mil metros quadrados, uma pista de atletismo, e três edifícios com vários campos desportivos, o Parque Desportivo para os Cidadãos a ser construído na zona do antigo Canídromo e o novo Campo de Aventuras Juvenis em Hac Sá foram apresentados à população, que há muito se queixava de não existirem espaços desportivos e de lazer adequados. Com um orçamento de 1,6 mil milhões de patacas, o Campo de Aventuras em Hac Sá previa zonas para escalada, bicicletas todo-o-terreno, uma pista de skate, actividades de “aventuras aquáticas” e ainda uma estátua da deusa Kun Iam de 28 metros. A estátua, que custaria 42 milhões de patacas, acabou por ser chumbada depois de o deputado Ron Lam ter entregue uma petição em nome de cerca de 8 mil cidadãos. Todo o projecto aliás, já tinha causado atritos, já que o orçamento original era de 229 milhões de patacas, mas depois este subiu para 1,6 mil milhões.

       

      – AGOSTO: Proibição da importação de produtos do Japão devido às descargas de águas de Fukushima

       

      No dia 24 de Agosto, o Instituto para os Assuntos Municipais (IAM), em decisão conjunta com a Administração Geral da Alfândega da China, baniu a importação de produtos alimentares de dez prefeituras japonesas, isto depois de o governo nipónico ter iniciado no mesmo mês a libertação de 7.800 metros cúbicos de águas contaminadas da central nuclear de Fukushima nos mares do pacífico. Não obstante, o abastecimento de produtos japoneses ao território, desde fruta a marisco a outros produtos embalados, continuou a ser assegurado, com os fiscais do IAM a fazerem análises e a publicarem os resultados num site criado expressamente para o efeito. Ainda assim, o sector da restauração japonesa foi afectado, com uma quebra de negócios de 27,9% em Setembro.

       

      – SETEMBRO: Planos de revitalização dos bairros históricos com apoio das concessionárias

       

      Dando o pontapé de saída para os planos de revitalização das zonas históricas, no âmbito dos novos contratos de concessão das operadoras de jogo que estipulam que deve haver um foco nos elementos não-jogo, o Instituto Cultural anunciou em Setembro que iria transformar a Rua da Felicidade numa zona pedonal onde o trânsito só passa de madrugada. A rua histórica das portas verdes foi então dinamizada pelas autoridades em parceria com a Wynn Resorts durante os feriados do Festival do Bolo Lunar e do período natalício, fazendo também parte da parceria a dinamização da Fortaleza do Monte durante o Grande Prémio, em Novembro, e no Natal. Estes projectos-piloto antecedem todo um programa previsto para seis zonas históricas a serem animadas e “revitalizadas” pelas seis empresas de turismo e lazer.

       

      – OUTUBRO: Recorde de receitas de jogo, mas ainda aquém dos níveis pré-pandemia

       

      Já desde Janeiro de 2020 que não se conseguia atingir valores tão elevados: em Outubro, o sector do jogo bateu os recordes de receitas, arrecadando 19,5 mil milhões de patacas. Ainda assim, apesar da recuperação económica, as receitas de jogo não atingiram os níveis pré-pandemia: a título de exemplo, em Novembro deste ano, os casinos facturaram 16 mil milhões, valor que comparando com as receitas de 22,8 mil milhões de Novembro de 2019, antes da pandemia, mostra que actualmente os casinos estão a 70% dos níveis de 2019. Por outro lado, entre Janeiro e Novembro de 2019, os casinos tinham facturado 276 mil milhões, ao passo que este ano o sector do jogo de Macau facturou no mesmo período “apenas” 164,4 mil milhões de patacas. A diferença entre o ano passado, e o ano que finda é abismal, já que no mesmo período de 2022, ano ainda afectado pelas restrições pandémicas, os casinos tiveram lucros de “somente” 38,7 mil milhões: ou seja, com 164,4 mil milhões, o aumento este ano foi de quase 325%.

       

      – NOVEMBRO: Grande Prémio regressa à normalidade com uma “profunda lição”

       

      Numa edição que foi vivida com maior intensidade pelo facto de o 70.º aniversário coincidir com a primeira vez em três anos que a cidade voltaria a acolher pilotos internacionais e sem quaisquer restrições fronteiriças, o Grande Prémio de Macau atraiu mais de 140 mil espectadores. Ao longo dos seis dias de provas repartidos durante dois fins-de-semana de Novembro, mais de 150 pilotos locais e internacionais disputaram lugares no pódio em 11 corridas. O evento do Circuito da Guia foi marcado pelo regresso da Fórmula 3 e das corridas da Taça GT Macau. O evento de desporto automóvel foi ainda marcado por episódio relacionado com nova lei do controlo do consumo de álcool, que tinha entrado em vigor no início daquela semana: Arvid Lindblad, o jovem piloto vencedor da corrida de Fórmula 4, durante a celebração da vitória, deu um trago numa garrafa de champanhe, criando um imbróglio entre os Serviços de Saúde e a organização do evento. O diploma proíbe a disponibilização de bebidas alcoólicas a menores de idade.

       

       

      – DEZEMBRO: Metro Ligeiro chega à península de Macau, ligando a Taipa à Barra

       

      Às 6h30 da manhã do dia 8 de Dezembro havia filas para entrar naquela que seria a primeira viagem de Metro Ligeiro entre a estação da Barra e a Taipa, um momento singular na história dos transportes e infraestruturas da cidade: foi a primeira vez que o metro chegou à península de Macau. Recorde-se que a operação do Metro Ligeiro arrancou em Dezembro de 2019, com a entrada em funcionamento da Linha da Taipa. Entretanto, as linhas de Seac Pai Van e de Hengqin devem começar a funcionar no próximo ano, e está ainda a ser preparada a ligação às Portas do Cerco. Também em Dezembro, destaque para o início do funcionamento, de forma experimental, do novo Hospital das Ilhas.