Edição do dia

Segunda-feira, 26 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
13.9 ° C
15.9 °
13.9 °
77 %
6.2kmh
40 %
Dom
15 °
Seg
19 °
Ter
19 °
Qua
20 °
Qui
22 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Treino IA de terapia da fala já ajudou 1.200 crianças em um...

      Treino IA de terapia da fala já ajudou 1.200 crianças em um ano, garante Alvis Lo  

      O director dos Serviços de Saúde (SSM) vincou que as autoridades dão a máxima importância à questão da terapia da fala para crianças, e também idosos. Alvis Lo, em resposta a uma interpelação de José Pereira Coutinho, apresentou os últimos progressos da situação: para reduzir o tempo de espera, criou-se um sistema por escalões, com os casos muito urgentes a serem atendidos de imediato, e também se reforçou uma redução do tempo de espera através do recurso a serviços externos. De resto, existe também um programa de treino com tecnologia de Inteligência Artificial (IA) que já está a ser utilizado por 1.200 crianças, mencionou o dirigente.

       

      Estão em curso diversas iniciativas para melhorar a falta de terapeutas da fala em Macau. O director dos Serviços de Saúde (SSM) fez referência aos esforços conjuntos e colaboração interdepartamental entre os SSM, a Direcção dos Serviços de Educação e de Desenvolvimento da Juventude (DSEDJ) e o Instituto de Acção Social (IAS), e da criação do Centro de Avaliação Conjunta Pediátrica e o Centro de Reabilitação Pediátrica em 2016 e 2017 respectivamente.

      O deputado José Pereira Coutinho, numa interpelação recente, teceu críticas às autoridades pela incapacidade de resolver a questão da longa lista de espera de crianças necessitadas de terapia de fala. Segundo o também presidente da ATFPM, de acordo com as estatísticas dos Serviços da Saúde, prevê-se que o número de crianças em lista de espera para tratamento suba para duas mil até ao fim do ano. “Os pais também manifestaram grande preocupação pelo facto de o longo tempo de espera fazer com que os seus filhos percam o ‘período de ouro’ do tratamento, entre os quatro e os seis anos de idade”, alertou. Recordando que actualmente o tempo de espera para a consulta inicial é de 4 semanas, o tempo de espera para as várias avaliações é de 9 semanas, e o tempo de espera para o tratamento é de 6 a 9 semanas, o deputado quer saber que medidas específicas vão ser tomadas para reduzir “o tempo de espera acima referido, a fim de evitar que as crianças percam ‘a oportunidade de ouro’ de receber tratamento”.

      Alvis Lo mencionou que recentemente o Centro de Avaliação Conjunta passou a monitorizar em tempo real o tempo de espera, e que, através do aumento das consultas externas, se conseguiu reduzir avaliação em menos de oito semanas. O Centro de Reabilitação Pediátrica, por outro lado, recorre agora a um sistema de espera por escalões: os casos mais urgentes passam a ser atendidos de imediato, os casos urgentes podem esperar entre duas a quatro semanas, e o tempo médio de espera para os casos gerais é de sete a dez semanas. “Desde 2018 até à presente data, o número de utentes em lista de espera do Centro de Reabilitação Pediátrica registou uma tendência de redução, mantendo-se estável o tempo de espera em todas as categorias”, defendeu o responsável, prometendo que, sempre que necessário, os serviços serão reforçados “através do prolongamento do horário de funcionamento, e da aquisição de serviços às instituições médicas sem fins lucrativos”.

      Outra das melhorias destacadas pelo representante máximo dos SSM foi a da criação de um sistema auxiliar para terapia da fala através de inteligência artificial. O programa, que já foi utilizado no último ano por 1.200 crianças com transtornos de desenvolvimento da linguagem, possibilita que estas façam o treino de reabilitação contínuo no domicílio e  nas várias instituições de tratamento. No total, estes serviços foram usados mais de 13 mil vezes, salientou ainda o responsável.

       

      TERAPIA DE DEGLUTIÇÃO PARA IDOSOS

       

      José Pereira Coutinho mostrou-se também consternado com o aumento da população idosa, que também necessita de serviços de terapia da fala. “De acordo com um estudo realizado pela Universidade de Hong Kong em 2018, cerca de 60% dos idosos residentes em lares têm vários graus de dificuldades de deglutição e necessitam de tratamento regular de acompanhamento por terapeutas da fala”, referiu. As perturbações da deglutição, da alimentação e da fala são habitualmente causadas por outras doenças, como cancro, acidente vascular cerebral, demência, acrescentou, querendo assim saber quais são os planos específicos dos SSM para a prestação de serviços de terapia da fala para os idosos residentes em lares.

      Esclarecendo a questão em detalhe, Alvis Lo aproveitou para explicar que a situação é actualmente gerida conjuntamente pelos vários médicos e profissionais terapeutas e pelo pessoal de serviço do lar. “Actualmente, de entre os 14 lares de idosos subsidiados, 5 recorrem a terapeutas da fala”. Quanto aos restantes lares, estes colaboram com “médicos, enfermeiras, nutricionistas, fisioterapeutas ocupacionais”, e se necessário os idosos são enviados para tratamento nos hospitais.

      A par disso, os SSM implementaram “um programa de proximidade de serviços médicos de especialidade, em que os terapeutas da fala prestam serviços de avaliação e tratamento aos idosos nos lares, e realizam acções de formação adequadas aos cuidadores dos lares”. O IAS vai continuar a “apoiar os trabalhadores dos lares, quer através das orientações técnicas, quer através das acções de formação, na aquisição de conhecimentos e formas para lidar com as dificuldades sentidas pelas pessoas idosas na deglutinação”, mencionou ainda Alvis Lo.

      Também foi abordada a questão da formação de terapeutas da fala, com o deputado a frisar que o número de profissionais em 2022 era de 51, uma oferta “longe de ser suficiente para satisfazer a procura potencial” dos próximos anos. José Pereira Coutinho criticou o facto de o curso da Universidade Politécnica não ser oferecido anualmente, o que faz com que não haja inscrições suficientes. Alvis Lo referiu que, desde 2017, o Curso de Licenciatura em Ciências de Terapia da Fala e Linguagem já formou 58 graduados nas suas três edições, e que está prevista a entrada de 20 alunos novos no ano lectivo de 2023/2024.