Edição do dia

Terça-feira, 25 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens quebradas
30.4 ° C
30.4 °
30.4 °
78 %
6.5kmh
83 %
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeHotel dos Artistas

      Hotel dos Artistas

      Há sensivelmente dez anos, Siza Vieira e Carlos Castanheira também desenharam em Macau um “Hotel dos Artistas”, a convite de uma família local. Localizado na zona central da península, o objectivo era fazer daquele espaço uma residência para artistas que viessem de fora, bem como uma galeria. O projecto não se realizou “por ‘peanuts’”.

       

      Álvaro Siza Vieira e Carlos Castanheira chegaram a fazer um estudo prévio para o “Hotel dos Artistas”, um espaço que, segundo o objectivo dos donos do espaço, serviria para albergar artistas que vinham do exterior. Previa também uma zona de exposições e uma zona em que artistas falavam sobre as suas obras e sobre arte em geral. O projecto previa um hotel com três frentes, com pequenos apartamentos.

      Foi na altura dos avanços e recuos do Hotel Sun Sun, por volta de 2014, que Álvaro Siza Vieira e Carlos Castanheira receberam o convite para a execução do projecto por parte dos donos do terreno que se situava na zona central da península de Macau, um pai e um filho.

      O filho era uma pessoa muito entusiasmada, mas o pai é que metia o dinheiro. Nós percebemos que com aquela gente não íamos a lado nenhum e houve um abortar dos dois lados”, comenta agora, ao PONTO FINAL, Carlos Castanheira, lembrando: “Eles não queriam pagar e nós não queríamos estar ali a discutir peanuts’”.

      “Não se conseguiu fazer nada”, lamenta o parceiro do mais premiado arquitecto português e coautor de vários projectos, nomeadamente na Ásia, ao longo das duas últimas décadas.

      Castanheira termina dizendo: “Em Macau, sempre fomos muito bem recebido tanto por clientes como por entidades oficiais, mas no fim os projectos acabavam sempre por se complicar”. Neste caso, “nem o projecto se fez nem nós fomos pagos pelo trabalho que já tínhamos realizado”.