Edição do dia

Sábado, 22 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
30.9 ° C
31.9 °
30.9 °
79 %
4.1kmh
40 %
Sáb
31 °
Dom
30 °
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeCidadão denuncia alegada pressão policial para cancelar pedido de manifestação. PJ vai...

      Cidadão denuncia alegada pressão policial para cancelar pedido de manifestação. PJ vai investigar

      Wong Wai Man, presidente da Associação dos Armadores de Ferro e Aço, quis convocar uma manifestação por ocasião do 1.º de Maio mas, segundo denunciou, acabou por retirar o pedido por alegada pressão policial. Wong Sio Chak, secretário para a Segurança, indicou que a Polícia Judiciária (PJ) vai investigar o caso. Leonel Alves, presidente da Comissão de Fiscalização da Disciplina das Forças e Serviços de Segurança, disse ao PONTO FINAL que “o assunto não será descurado” em futuras reuniões do organismo.

       

      Wong Sio Chak, secretário para a Segurança, colocou a Polícia Judiciária (PJ) a investigar um caso de alegada pressão policial. Em causa está a denúncia feita por Wong Wai Man, presidente da Associação dos Armadores de Ferro e Aço, que quis convocar uma manifestação por ocasião do 1.º de Maio, mas que acabou por recuar depois de, segundo o próprio, ter sido perseguido por polícias à paisana.

      O caso foi relatado pelo portal All About Macau, a quem Wong Wai Man contou que retirou o pedido de manifestação depois de ter sido intimidado. O homem denunciou que, no início de Abril, quando apresentou o pedido de manifestação, começou a ser vigiado por agentes à paisana que o seguiam e também recebeu telefonemas anónimos a pedir que cancelasse a iniciativa. Wong Wai Man sublinhou que a intenção de organizar uma manifestação pelo 1.º de Maio era chamar a atenção para o problema do desemprego no território.

      No passado, a Associação dos Armadores de Ferro e Aço chegou a organizar várias manifestações do 1.º de Maio. Aliás, Wong Wai Man manifestou intenção de se candidatar à Assembleia Legislativa, nas eleições de 2021, não tendo conseguido reunir as 300 assinaturas necessárias para concorrer.

      Na sequência da notícia sobre a situação, o Gabinete do Secretário para a Segurança divulgou um comunicado em que diz que Wong Sio Chak “presta a maior atenção ao assunto”. “Visto que a alegação do dito cidadão constituiu uma acusação grave para com a polícia, instruiu de imediato a Polícia Judiciária para proceder a uma investigação aprofundada, e tornará público o resultado, caso haja um novo desenvolvimento”, lê-se no comunicado do gabinete de Wong Sio Chak.

      A nota termina dizendo que “as autoridades da segurança reiteram que os direitos e interesses legais são protegidos pela lei, e a polícia tem sempre respeitado os direitos de reunião e manifestação, procedendo aos avisos das actividades nos termos da lei, no sentido de assegurar a liberdade do exercício dos direitos fundamentais dos residentes, bem como defender efectivamente a ordem e segurança pública”.

      Leonel Alves, presidente da Comissão de Fiscalização da Disciplina das Forças e Serviços de Segurança, disse ao PONTO FINAL que o organismo que dirige não recebeu qualquer denúncia, queixa ou petição sobre a alegada pressão policial. O também advogado, representante de Macau na Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC) e membro do Conselho Executivo da RAEM, indicou que, quando a Comissão de Fiscalização da Disciplina das Forças e Serviços de Segurança, “certamente o assunto não será descurado”.