Edição do dia

Terça-feira, 7 de Fevereiro, 2023
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
17.9 ° C
19.9 °
17.9 °
94 %
1kmh
40 %
Seg
20 °
Ter
22 °
Qua
19 °
Qui
20 °
Sex
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Retoma das ligações marítimas Hong Kong–Macau ameaça golfinhos, alerta investigadora

      Retoma das ligações marítimas Hong Kong–Macau ameaça golfinhos, alerta investigadora

      Uma investigadora portuguesa considerou que o regresso das ligações marítimas entre Macau e Hong Kong vai ameaçar ainda mais a sobrevivência dos golfinhos brancos chineses na região do Delta do Rio das Pérolas.

      As viagens de barco rápido entre a península de Macau e Sheung Wan, no centro de Hong Kong, foram retomadas este mês, após quase três anos de interrupção devido à pandemia de covid-19. São más notícias para os golfinhos, lamentou a directora adjunta da Sociedade para a Protecção dos Golfinhos de Hong Kong (HKDCS, na sigla em inglês), após recolher equipamento colocado no mar para detectar sons dos mamíferos junto a Tuen Mun, no noroeste da região chinesa.

      Viena Mak Hei-man sublinhou que a rota da carreira marítima “corta a meio” aquele que é “um importante habitat” dos golfinhos brancos, entre a ponta sudoeste da ilha de Lantau e as ilhotas Soko, no sul de Hong Kong.

      A investigadora disse que a interrupção das ligações marítimas entre Macau e Hong Kong, em Fevereiro de 2020, permitiu aos animais voltarem “de forma muito mais frequente” às Soko, “um local muito bom para os golfinhos socializarem e alimentarem as crias”.

      O ano de 2020 registou um aumento “muito significativo” da actividade dos golfinhos brancos, incluindo de grupos maiores, algo que deixou Viena Mak Hei-man, que investiga estes mamíferos há quase dez anos, “muito esperançosa”. Mas o número de golfinhos avistados durante as viagens regulares da HKDCS caiu de 52 em 2019 para 37 no primeiro ano da pandemia, antes de subir para 40 em 2022. Ainda assim muito longe do máximo histórico de 188 registado em 2003.

      “Os grandes mamíferos marinhos precisam de mais tempo para reagir” ao impacto da actividade humana, incluindo a construção de grandes infraestruturas e projectos de recuperação de terrenos ao mar, disse.

      A investigadora lamentou que as autoridades de Hong Kong tenham rejeitado uma proposta, já feita em 2017, para desviar para sul a rota dos barcos, algo que “custaria à operadora talvez mais 10 minutos de viagem e um pouco mais de combustível” até Macau.

      As ligações marítimas entre Macau e Hong Kong são feitas pela Turbojet, que faz parte do império fundado pelo magnata Stanley Ho Hung-sun, falecido em 2020.

      O Departamento Marinho de Hong Kong respondeu que levar a rota para mais longe da costa, para águas mais turbulentas, “poderia tornar a experiência de viagem mais desconfortável para os passageiros”, recordou a investigadora.

      O optimismo da portuguesa levou um novo rombo com o quase desaparecimento dos golfinhos chineses das águas a norte da ilha de Lantau, devido à construção da ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau, que arrancou em 2009. “Se nada for feito de forma urgente, vai ser muito difícil manter a população actual” de golfinhos brancos, avisou Viena Mak Hei-man. “O Governo continua a propor mais projetos de aterros e mais pontes (…). Este tipo de construção não é sustentável”, lamentou a investigadora.

      Lusa

      ViaLusa
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau