Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
27.9 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
4.6kmh
40 %
Dom
28 °
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioCulturaPrimeiro clube de vinil dedicado à música lusófona conta com Macau

      Primeiro clube de vinil dedicado à música lusófona conta com Macau

      O conceito, com acesso exclusivo a partir de uma assinatura, promete “edições de alta qualidade, exclusivas e limitadas, acompanhadas com conteúdo editorial e prensadas em Portugal”. Ao PONTO FINAL, Léo Motta garantiu que o Lusofonia Record Club quer editar Macau a breve trecho. No imediato, o foco está na África lusófona e no segundo volume do artista português já falecido José Pinhal.

      Um grupo de amigos decidiu dedicar-se ao vinil lusófono. Mas não a um vinil qualquer. Léo Motta, Tomás Pinheiro e Jorge Falcão juntaram-se e assim nasceu o Lusofonia Record Club. “Somos o primeiro clube de vinil por assinatura voltado à música lusófona. Produzimos edições de alta qualidade, exclusivas e limitadas, acompanhadas com conteúdo editorial e prensadas em Portugal”, referiu Léo Motta ao PONTO FINAL.

      E Macau está no caminho dos três amigos, garante Léo Motta. “Conhecemos pouco de Macau, mas o que conhecemos tem muita qualidade. Conseguimos e queremos muito editar um disco de um autor ou banda de Macau. Fizemos uma pesquisa e encontrámos coisas deliciosas e muito interessantes sobre Macau”, assumiu o empresário.

      No entanto, o processo pode não ser tão célere quanto se possa desejar. “Primeiro é preciso chegar aos artistas ou a quem os representa. Depois, temos que garantir que a ‘master’ da gravação exista, se é alcançável. Mas, garanto-lhe, mais tarde ou mais cedo vai sair um vinil de Macau”, enfatizou Léo Motta ao PONTO FINAL., que também os radares postos em Timor-Leste, por exemplo, e quiçá em Goa ou na Galiza.

      O conceito, desenvolvido ao longo de 2021, viu o primeiro vinil ser publicado em Fevereiro deste ano com a edição do Volume 1 do cantor de Matosinhos José Pinhal, já falecido. E, segundo nos garantiu Léo Motta, no próximo ano sairá o Volume II da obra do cantor nortenho. “Neste momento, se assim podemos dizer, somos os editores da sua obra que é fantástica, quero aqui deixar claro. Temos trabalhado muito de perto com a sua herdeira, que está muito satisfeita com o resultado. Trata-se de um artista que não é pimba, nada disso, é um músico popular, que canta música romântica e com instrumentalização muito boa, com influências latinas”, referiu o responsável da Lusofonia Record Club, admitindo que Pinhal terá alguma influência de José Cid no seu trabalho. “Ele canta Magia, da autoria de José Cid, precisamente. Pinhal tinha, de facto, uma música elaborada”.

      A cada novo lançamento, um disco da música lusófona em edição exclusiva mais um conteúdo editorial impresso para reviver a história na ponta da agulha. Essa é a garantia que o Lusofonia Record Club dá, refere Léo Motta, que revela, já, algumas das ideias para o próximo ano. “Os planos passam pela edição do Volume II do José Pinhal, como já tinha referido, mas também queremos entrar mais a fundo na música africana. Queremos editar Cabo Verde, Angola, Moçambique, e por aí fora. Não posso avançar mais nada, mas algumas surpresas serão esperadas, certamente”.

      Léo Motta explicou ao PONTO FINAL que a ideia do projecto foi alavancada e apoiada inicialmente a nível financeiro pelo StartUP Voucher, uma iniciativa da StartUP Portugal – Estratégia Nacional para o Empreendedorismo que dinamiza o desenvolvimento de projetos empresariais em fase de ideia promovidos por jovens até aos 35 anos. “Pensamos a lusofonia não como um conceito limitante ou um recorte controverso. Nascemos justamente nesse espaço de diálogo, para valorizar a riqueza cultural e linguística destes universos ligados pela premissa lusófona”, pode ler-se na página oficial do projecto na Internet.

       

      SEIS DISCOS E UMA REEDIÇÃO NO PRIMEIRO ANO

      No primeiro ano de existência do Lusofonia Record Club, foram editados seis discos, sendo que o Volume I do José Pinhal teve direito a uma segunda edição, “tanta foi a procura da primeira”, revelou Léo Motta. Ambas as edições, distintas apenas pela cor do vinil – uma é preta e outra é branca e cinzenta, estão esgotadas.

      Foram ainda editadas obras discográficas diversas como o “Palavras Cruzadas” da dupla portuguesa David & Miguel, o “Voz Populi/Vox Machina” dos brasileiros Nomade Orquestra, o “Bom Mesmo É Estar Debaixo D’Água” da cantora e compositora Luedji Luna, o “Re:Imaginar” que junta a banda do clube Monte Cara aos cabo-verdianos Leonel Almeida, Dany Silva, Tito Paris, Dino D’Santiago e ao português Rui Veloso, e ainda a edição mais recente de “Moacir de Todos os Santos” da autoria de Letieres Leite com a Orkestra Rumpilezz.

      O projecto, que actua como editora focada no e-commerce, funciona através de subscrição bimestral em que o consumidor paga 25 euros (cerca de 213 patacas) de dois em dois meses. É possível ainda a compra avulsa de cada obra discográfica.

      O clube baseia-se na confiança da curadoria e na aposta da diversidade nas edições. A missão é entregar discos que o assinante vai amar, seja de alguém de quem já se ouviu falar ou duma banda totalmente obscura. É a oportunidade perfeita para diversificar a colecção de discos e abrir a mente a novas músicas. “Preservar e promover a herança cultural dos países lusófonos através das gerações é mais que uma missão: é o nosso ADN. Num contexto cada vez mais social e diverso, valorizamos a verdadeira globalização, que floresce nas diferenças e brilha no valor da nuance. E se não há uma língua única, há entendimento e pertencimento de sobra”, pode ainda ler-se na página do Lusofonia Record Club em https://lusofoniarecordclub.com.