Edição do dia

Sexta-feira, 19 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
28.3 ° C
28.9 °
26.5 °
79 %
9.3kmh
40 %
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
26 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioCulturaLegado de Mio Pang Fei recordado no Albergue SCM

      Legado de Mio Pang Fei recordado no Albergue SCM

      Para comemorar a contribuição do pintor Mio Peng Fei para o desenvolvimento artístico de Macau, o Círculo dos Amigos da Cultura de Macau (CAC) vai organizar uma sessão de homenagem ao pintor chinês intitulada “Remembering Master Mio Pang Fei” esta terça-feira, dia 15 de Novembro, às 18h30 no Hall D1 do Albergue SCM. O evento, que será realizado em cantonês e inglês com entrada gratuita, conta com apresentações feitas pelo arquitecto Carlos Marreiros, Guilherme Ung Vai Meng, Noah Ng e Tong Chong, entre outras pessoas ligadas à CAC, organismo que Mio ajudou a fundar. Mio Pang Fei nasceu em Xangai, na China, em 1936. Formou-se na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Educação de Fujian e foi influenciado por Tou Ba Xie e Su Hai. Mudou-se para Macau em 1982 – apenas com uma nota de 100 dólares de Hong Kong no bolso, como afirmou em diversas entrevistas – depois de ter sido perseguido durante a Revolução Cultural Chinesa, um movimento sociopolítico liderado por Mao Tsé-Tung. Devido ao seu interesse pelas pinturas modernistas ocidentais, foi acusado de ser contra-revolucionário e acabou por ser preso. Foi para a Europa em 1986 para observar a arte europeia modernista. Ao regressar ao território, tornou-se vice-director e professor da Academia de Artes Visuais de Macau e do Instituto Politécnico de Macau (IPM). É unânime que Mio Pang Fei contribuiu decisivamente para o desenvolvimento das artes contemporâneas em Macau desde que se mudou para a cidade. O pintor encontrou o seu próprio estilo no que chamou de neo-orientalismo, um encontro da tradição chinesa e técnicas contemporâneas ocidentais. Conhecido pelas suas pinturas em grande escala, deixou de pintar por volta de 2010 muito por culpa da deterioração da sua saúde, dedicando-se nos últimos anos de vida à caligrafia chinesa. A última grande exposição com obras de arte de Mio Pang Fei foi realizada no resort integrado Galaxy em 2012. O artista chinês tem peças integradas em várias colecções espalhadas pelo mundo e foi galardoado com diversos prémios. Em 1999, o Governo de Macau atribuiu-lhe a Medalha de Mérito Cultural. São dezenas as exposições em que já participou, em Macau, na China continental, ou em países como Singapura, Malásia, Japão, Austrália, Portugal e Bélgica. Em 2015, Mio Pang Fei foi seleccionado pelo Museu de Arte de Macau (MAM) para representar o território na 56.ª Bienal de Veneza, em Itália. Morreu, em 2020, aos 84 anos.