Edição do dia

Terça-feira, 18 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
30.6 ° C
33.2 °
29.9 °
89 %
4.6kmh
40 %
Ter
31 °
Qua
31 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioCulturaExposição anual da Associação de Coleccionadores estreia com mais de 1.200 peças...

      Exposição anual da Associação de Coleccionadores estreia com mais de 1.200 peças de antiguidade  

      Organizada pela Associação de Coleccionadores de Macau, a Exposição de Caligrafia e Pintura Chinesa e de Macau inaugurou-se ontem para comemorar o 20.º aniversário da associação. O evento conta mais de 1.200 peças de caligrafia e pinturas antigas e modernas de autores locais e do interior da China, bem como cerâmicas, jades e bronzes antigos das dinastias Ming e Zhou em exposição, tendo com objectivo permitir a todos os colecionadores compartilharem e juntarem-se ao intercâmbio.

      Na cerimónia de abertura, que se realizou no Centro Comunitário Kam Pek, o presidente da Associação de Coleccionadores de Macau, Wu Lixun, assinalou a importância de conservação do acervo em Macau, salientando que tem seguido a política nacional de proteger as relíquias culturais nacionais, de modo a herdar a própria cultura.

      O responsável recordou que a associação foi criada há 20 anos para “acompanhar o desenvolvimento da febre da colecção no Continente, juntando um grupo de amigos que amam a cultura e a arte, entre os quais alguns são coleccionadores de pinturas, assim como jades e cerâmicas, organizando assim um pequeno sistema de colecção de Macau”.

      No seu discurso, Wu Lixun revelou que tinha adquirido nos anos 90 vários livros e imagens documentais da família Chiu e assim começou a sua colecção. “Pensei que os documentos estavam relacionados com a história de Macau, mas os departamentos oficiais raramente recolhiam-nos naquela altura”, disse, destacando que os documentos recolhidos foram posteriormente doados às instituições culturais e académicas de Macau.

      Wu Lixun indicou que Associação de Colecionadores de Macau publica todos os anos um livro de colecção e, por dois anos consecutivos, com a colaboração de um descendente da família Chiu, lançou o livro sobre a exploração da história da família Chiu em Macau. “Espero que promova mais a história da Mansão Chiu, enriquecendo os elementos turísticos de Macau”, afirmou. Recorde-se que o Instituto Cultural adquiriu em meados do ano passado a Mansão Chiu, património localizada na Travessa da Porta, nº24, perto da Rua dos Mercadores, por oito milhões de patacas.